Crônica de Fraldas
Douglas Chaves
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 02/10/18 10:54
Gênero(s): Ação Comédia Crônica
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 29min a 39min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 83
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 4775
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Esse conto retrata um pouco do meu trabalho com contos infantilistas, caso queiram conhecer vários de meus trabalhos voltados para essa área entrem nesse link

https://infantilistglobal.blogspot.com/

Capítulo Único Crônica de Fraldas

As Crônicas De Fraldas- Parte 1- Onde Tudo Começa.

Olá a vocês que estão começando a ler um pouco sobre a minha vida, meu nome é Silvie August. Se estão esperando algo mágico ou fora do normal em minha história, se enganam muito nisso, essa história conta a minha história, a história real de minha vida, bem talvez nem tudo seja a verdade, afinal ficaria muito pesado contar detalhes do que me aconteceu durante toda a minha vida, a feiura de tudo que passei me assombra até os dias de hoje, vou me apresentar devidamente a vocês, mas como sabem meu nome, creio que devo lhes dar o prazer de conseguirem me imaginar, eu sou uma menina branca de 12 anos, olhos azuis e cabelos cor de fogo, eles não são nem lisos nem cacheados, eles estão no meio disso, eu não sou tão alta, mas também não tão baixa, o normal para minha idade. Acho que isso é mais que o suficiente, creio ser hora de começar a contar a vocês sobre o destino que tive que seguir, do sofrimento que passei e de como consegui mesmo que muito dificilmente viver a vida com um pouco de normalidade.

Eu vou começar desde quando me lembro dos problemas e dos abusos começarem, foi por volta dos meus 4 anos quando as coisas começaram a ficar difíceis entre papai e mamãe, me lembro vividamente o dia em que que a situação ficou ruim, eu acordei com o barulho de meus pais brigando e dos pratos se quebrando, eu sabia o que estava acontecendo e não queria me levantar, mas a pressão em minha bexiga era grande demais, infelizmente eu teria que encarar me encontrar com meus pais e pedir a deus que um dos pratos não atingisse minha cabeça quando passasse pelo corredor que ligava o banheiro a cozinha, eu me contive o máximo que pude, eu não queria me levantar, quando ouvi os passos em direção a meu corredor eu senti medo, não sei por que razão, mas eu senti tanto medo que não consegui nem me levantar para ir ao banheiro e então eu molhei a minha cama, não sei se molhar seria a expressão mais correta, eu encharquei a cama completamente, quando dei por mim mamãe estava puxando as cobertas de cima de mim e vendo a mancha enorme em meu colchão, felizmente minha mãe era doce e muito compreensiva, então ela me abraçou e disse.

- Não se preocupe querida, tudo vai ficar bem.

Foi nesse momento que meu pai entrou no quarto e viu o colchão molhado, nesse momento ele disse.

- Você molhou sua cama sua aberração!? Eu não vou comprar um colchão novo se esse estragar, você é apenas uma vadia igual a sua mãe e só presta para gastar o dinheiro que eu tanto trabalho para ter!

Lágrimas começaram a rolar de meus olhos enquanto ele dizia isso, mamãe entrou em minha defesa e disse.

- Seu animal, ela tem apenas 4 anos, acidentes como esse são normais.

- Normais!? Você é retardada por acaso? Saia de perto dessa praga, eu nunca quis filhos e mesmo assim você deu à luz a essa puta.

- Não diga isso, essa é minha filha e eu a amo.

Ele furiosamente puxou a minha mãe que bateu a cabeça na cômoda ao lado da cama e então desmaiou, ele então partiu para cima de mim e começou a tirar suas roupas enquanto eu estava completamente assustada e paralisada com o que estava acontecendo, ele então disse.

- Tire essa roupa sua puta, rápido!!!

Eu estava com tanto medo que nem me movia, ele então começou a rasgar minhas roupas e quando eu estava sem mais nada, ele me estuprou, da forma mais brutal e impiedosa que possam imaginar, quando ele terminou eu já havia chorado e gritado tanto que eu nem conseguia mais me mover, eu pude ver que a cama estava completamente vermelha de sangue e eu estava muito tonta e imóvel, enquanto se vestia ele disse.

- Pelo menos você serviu para alguma coisa nessa vida, mas você deveria estar morta, você é imunda e não vale nada. Tirando o fato de sua beleza incrível, talvez eu deveria lhe vender, se bem que agora ninguém vai mais te querer, afinal você vai morrer, seu sangramento é forte. Tenho certeza que fiz um bom trabalho, então isso é um adeus.

Após isso ele saiu pela porta de meu quarto e minutos depois minha mãe acordou, quando percebeu o que havia acontecido ela chamou a polícia, mas meu pai não poderia mais ser preso, ele havia se enforcado na garagem, fui levada às pressas para o hospital, quando cheguei lá eles logo me deram uma transfusão, enquanto eu estava deitada eu não percebi que havia molhado a cama, minha mãe então chamou a enfermeira e ela me trouxe uma fralda descartável, eu não tinha forças nem mesmo para resistir enquanto minha mãe ajudava a enfermeira a erguer as minhas pernas, eu pude sentir vagamente a sensação da fralda sendo deslizada por debaixo de mim e então as doces e leves mãos da enfermeira passando a pomada por toda a minha virilha, quando eu fui abaixada sob as fraldas as fitas foram coladas e então eu pude descansar. Mais tarde naquela noite eu acordei e estava com muita vontade de fazer cocô, eu já havia recuperado um pouco de minhas forças, por isso com uma voz fraca eu tentei chamar a minha mãe.

- Ma...ma...mãe.

Minha mãe não havia ouvido, eu repeti isso por algum tempo até que finalmente fui ouvida, ela acordou e me vendo a chama-la perguntou.

- O que foi querida? Sente alguma dor?

- Não mamãe, apenas quero ir ao banheiro, preciso fazer cocô.

Disse eu quase sussurrando. Minha mãe então respondeu de forma negativa.

- Me desculpe querida, mas você não vai poder andar por algum tempo.

- Então como eu farei para ir ao banheiro?

- Você está de fralda querida, apenas faça nela.

- Isso é nojento, eu não quero isso.

- Me desculpe, mas isso é para o seu bem meu amor.

Eu não queria ceder ao que minha mãe havia dito e tentei dormir novamente, eu segurei aquilo a noite toda, quando o dia clareou eu estava com a vontade ainda mais forte e minha mãe veio conferir a minha fralda. Quando ela olhou e não viu nada, perguntou.

- Achei que precisasse fazer cocô ontem à noite, porque não fez?

Eu virei meu rosto e então não disse nada, ela entendeu na hora o que isso significava e então saiu do quarto, logo uma mulher com comida entrou no quarto e eu fui servida, felizmente havia pão e queijo na bandeja, eu comi tudo da melhor forma que eu pude, mas não tive muito sucesso em não me sujar, no fim foram me entregues 2 comprimidos que a enfermeira disse que eram para me ajudar, mas não disse em quê.

Não demorou mais que algumas horas para eu perceber que a vontade de fazer cocô era mais forte que na noite anterior, e por mais que eu tentasse conter, foi tudo em vão. Eu carreguei tanto a minha fralda que ela vazou um pouco, quando vieram me trocar, eu estava tão envergonhada do que havia acontecido que cobri meu rosto durante a troca, a enfermeira responsável por mim então disse.

- Não precisa ficar envergonhada, já que terá mais uma garota de sua idade com você aqui hoje.

- Do que está falando?

Mas antes que eu pudesse questionar mais alguma coisa...

Isso é tudo por hoje, espero que tenham gostado. Deixem seus comentários.

Ps: A Silvie manda agradecimentos a todos os que estão acompanhando sua história de vida.

Boa Tarde!!!

Crônicas De Fralda- Parte 2- Poderia Ser Pior!!!

Antes que eu percebesse uma menina loira de olhos azuis e pele muito clara e que parecia de minha idade entrou pela porta do quarto acompanhada com uma senhora muito bonita, a menina estava completamente apoiada na mãe. Ao passar por minha cama, elas se dirigiram a outra cama no quarto que estava ao lado da minha, a mulher ajudou ela a subir na cama e a cobriu, deu-lhe um beijo na testa e disse.

- Tenho que ir querida, apenas pacientes podem ficar no hospital durante a noite.

Ao ouvir isso eu me virei para a enfermeira e perguntei.

- Isso é verdade? Minha mãe não poderá ficar aqui comigo?

Ela sorriu e com um olhar de pena, respondeu.

Infelizmente sim querida, somente pacientes e funcionários podem ficar no hospital durante a noite.

- Então por favor, pode chamar a minha mãe?

- Sim, quer se despedir dela, antes que ela vá para casa.

- Mais ou menos isso.

Disse eu com um sorriso. Minutos após isso mamãe entrou no quarto e ao vê-la eu chamei ela e disse.

- Mamãe, me tire desse hospital agora.

- Porque isso querida?

- Eu não quero ficar aqui sem você.

- Me desculpe querida, mas este foi o único hospital com vagas que encontrei e você não pode sair daqui sem a alta do médico, você estava terrível e quase morta quando chegou aqui.

- Mas mesmo assim eu não quero ficar aqui, por favor mamãe. Eu juro que vou comer as cenouras no almoço, e não vou jogar os brócolis fora.

Lágrimas vieram em meus olhos ao perceber que estava para ser deixada sozinha, mamãe então disse.

- Por favor filha, não faça escândalo ou confusão.

Eu assenti com a cabeça e lágrimas começaram a rolar incessantemente de meus olhos ao perceber as costas de minha mãe sumindo na porta que se fechava atrás dela, a mãe da garota já havia saído nesse momento, mas eu não conseguia conter minhas lágrimas. Vendo isso a menina disse.

- Olá, tudo bem? Meu nome é Elise, como você se chama?

Eu olhei para ela e tentei enxugar um pouco minhas lágrimas e respondi.

- Meu nome é Silvie.

- Seu nome é bonito, aquela moça que saiu a pouco tempo era sua mamãe?

- Sim. Mas eu não queria ficar sozinha.

- Isso é verdade, é difícil ver nossas mamães saírem pela porta e nos deixarem para trás, mas depois de estar vindo e ficando aqui desde meus 2 anos, eu tive de me acostumar.

- Você fica aqui desde seus 2 anos? Porquê?

- Eu não entendo direito, mas dizem que eu tenho câncer.

Eu entendia um pouco a palavra e pelo que eu sabia não era uma coisa boa. Eu queria falar mais, mas uma enfermeira veio logo após isso e foi até Elise e perguntou.

- Precisa de uma troca querida?

- Sim, estou um pouco molhada enfermeira Mary.

- Então vamos logo dar um jeitinho nisso para que você possa dormir sequinha.

Eu fiquei sem entender como aquela menina estava usando fralda e não tinha vergonha de ser trocada ali onde eu podia ver tudo. Eu fiquei com tanta vergonha que virei meu rosto, minutos depois a enfermeira veio até mim e perguntou se eu precisava de uma mudança, eu então respondi.

- Não, eu estou bem.

- As luzes já vão se apagar, então tratem de dormir logo.

Eu acenei que sim com a cabeça e então ela saiu da sala, após isso foi que eu e Elise conversamos muito, quando saímos do hospital dias depois, eu e Elise pegamos telefone e endereço, nos tornamos melhores amigas, começamos a estudar na mesma escola, mas depois de sair do hospital eu fiquei bem e não precisei mais de fraldas, mas eventualmente eu sofreria um acidente e encharcaria toda a minha cama, mas mamãe nunca reclamou disso, agora vou começar a contar a minha história logo após o meu aniversário de 12, eu tive uma grande surpresa feita por Elise e por nossas mães.

Se estão curiosos para saber mais sobre mim, deixe seu comentário ou crítica, terei o prazer de recebe-lo de braços abertos.

Boa Noite!!!

Crônicas De Fraldas- Parte 3- Halloween, Fantasias e a Menina Transferida!!!

Foi no dia de Halloween que eu e Elise combinamos que iríamos pegar doces juntos, mesmo que as outras crianças de nossa idade já começassem a pensar nisso como besteira, eu simplesmente não podia deixar de pegar alguns doces e ficar mais um tempo com Elise. Naquele dia eu acordei numa cama molhada mais uma manhã, não era sempre que acontecia, mas não era nada agradável toda vez que isso acontecia, calmamente eu fiz o processo conhecido de retirar a roupa de cama e colocar meu colchão no sol fora de casa, retirar meu pijama e tomar um banho, e após isso jogar tudo dentro da máquina de lavar e deixar que minha mãe desse um jeito nisso. Após isso eu pude subir as escadas completamente nua, mamãe não gostava disso e pedia que eu pelo menos usasse uma toalha, mas eu adorava a sensação de liberdade, eu me dirigi ao banheiro e então entrei embaixo do chuveiro, eu liguei a água lentamente e pude sentir o quão boa ela estava, após me molhar eu peguei o meu shampoo da turma da mônica de chá de camomila da marca Huggies que tem um cheirinho maravilhoso e o cheiro dura o dia todo, não resseca os cabelos e ainda deixa você com um cheiro de criança limpa, e também ajuda a clarear os meus cabelos e realça sua cor, eu passei ele e massageei todo o meu cabelo, após isso foi a vez do condicionador da mesma linha, após enxaguar eu comecei a passar sabonete em todo o meu corpo, eu uso o sabonete mamãe e bebê da Natura que tem um cheiro de bebê maravilhoso, quando eu terminei de me ensaboar pude me enxaguar e então ir para meu quarto, mamãe sempre teve isso de me comprar coisas para banho de bebês, ela disse que minha pele e couro cabeludo são muito sensíveis e o médico recomendou que eu utilizasse somente essa linha. Quando cheguei ao meu quarto eu peguei o hidratante mamãe e bebê e passei em meu corpo todo sem deixar nenhum lugar de fora, após isso eu pude pegar meu creme de pentear da johnson’s baby e passar por todo o meu cabelo, vesti meu uniforme rapidamente e então penteei meus cabelos com muita calma, quando vi que tudo estava perfeito eu tinha de dar o toque final ou eu não finalizaria com um cheiro ainda mais gostoso, eu peguei minha colônia mamãe e bebê da natura que te deixa com um cheiro tão bom, aquele cheirinho de bebê que você não vai conseguir largar mais, fora que além disso não é tão cara como os perfumes para adulto, pode até parecer estranho, mas eu amo tudo isso. Após me certificar estar cheirando bem o bastante eu pude então arrumar a minha bolsa e os meus livros da escola e descer as escadas para encontrar mamãe já se arrumando para seu trabalho, ao me ver pronta ela sabia o que havia acontecido e perguntou.

- Você teve outro acidente meu amor?

- Sim mamãe, me desculpe.

- Não se preocupe com isso, agora venha aqui e me deixe sentir seu maravilhoso cheiro.

Eu me aproximei dela e ela então me cheirou e disse.

- Realmente eu amo esse cheiro, é tão suave e gostoso.

- Eu também gosto dele mamãe, mas realmente você precisa se apressar ou chegará atrasada no trabalho.

- Isso é verdade minha querida, então já tomou café?

- Sim, não se preocupe.

- Ah, verdade. Não demorarei muito para voltar do trabalho, afinal tenho que levar vocês meninas para pegar doces.

- Sim, não quero perder isso por nada, a escola estará nos liberando mais cedo por causa disso, estaremos sendo liberados as 16 horas.

- Oh, isso é bom. Provavelmente estarei em casa por volta das 16:30, se quiser posso ajudar a vesti-la para pegar doces.

- Mas eu ainda nem sei que fantasia vou usar, você e a Elise não quiseram falar nada e disseram que era uma surpresa.

- E é, apenas espere.

- Hum, estou ficando é preocupada.

Rimos um pouco, mas mamãe teve de terminar de se arrumar e logo saímos de casa, quando enfim cheguei a escola Elise estava chegando juntamente conosco. Ao nos vermos ela acenou para mim e então começamos a conversar. Ela se virou para mim e disse.

- Esse Dia das bruxas será fantástico!

- Sério? E porque isso?

- Bem, isso é segredo. Você só poderá saber na hora de se vestir hoje.

- Sério, estou com medo do que você quer dizer com isso.

- Não fique, sabe que você é minha melhor amiga e eu jamais faria algo para te ferir.

- Sei disso boba, estou apenas brincando. Agora vamos logo entrar ou a senhorita Jenny ficará muito irritada.

- Isso é verdade, vamos logo.

Entramos rapidamente na sala e então nos sentamos em nossas cadeiras, a professora entrou na sala após isso e então disse.

- Turma, hoje temos uma aluna transferida. Pode entrar Kate.

Uma menina de cabelos negros feitos em tranças como os de uma criança pequena entrou pela porta, ela não era muito alta, talvez pudessem dizer até mesmo que ela era duas séries atrás de nós, ela entrou e se posicionou a frente da turma e então animadamente disse.

- Olá, eu sou a Kate. Prazer em conhece-los.

Ela era bonita, mas mesmo esbanjando confiança. Ser nervosismo era bem evidente. A professora disse a ela que se sentasse atrás de mim, quando ela se sentou eu a cumprimentei e então disse.

- É um prazer conhece-la Kate, meu nome é Silvie.

- O prazer é o meu, espero que nos tornemos boas amigas.

- Eu também.

Na hora do recreio eu percebi que as outras crianças pareciam evitar Kate, mas eu não sabia porque, me sentei ao lado dela que estava sozinha embaixo de uma árvore e disse.

- Que tal comermos juntas?

- Você quer comer comigo?

- Sim, porque não?

- Eu evitei todos que quiseram se aproximar.

- Porque?

- Eu estava com medo.

- Medo de quê?

Ela então ficou evasiva e não respondeu, mas a conversa continuou e logo Elise se juntou a nós, e começamos a conversar e brincar umas com as outras, logo a aula recomeçou e então fomos para o restante de aula. Quando tudo terminou e todos estavam indo embora, eu pude ver Kate saindo e então eu perguntei a Elise.

- O que acha de chamarmos ela para buscar doces conosco?

- Pode ser, ela é legal.

Corri até ela e a convidei, sua resposta foi um sim, mas bem tímido. Finalmente eu pude entrar no carro da mãe de Elise que estava nos aguardando, ela sempre me leva para casa quando minha mãe não pode. Ao chegar em casa, Elise e sua mãe tiraram duas grandes caixas do fundo do carro e entraram em minha casa, a mãe de Elise então disse.

- Agora só precisamos esperar sua mãe chegar para podermos arruma-las.

Eu a interrompi e disse.

- Mais uma pessoa virá hoje, uma nova amiga que se transferiu e vai pegar doces conosco.

- Isso é legal meninas, pensei que seu grupo nunca iria aumentar.

Após isso eu e Elise subimos para meu quarto enquanto a mãe dela cuidava de preparar algo para comermos, ela e minha mãe haviam se tornado boas amigas também. Após minha mãe chegar Kate também chegou, fomos chamadas a sala e minha mãe acenou para nos aproximarmos. Eu me aproximei e abracei Kate que me deu um sorriso, ela estava um pouco tensa e eu perguntei.

- Qual o problema?

- Minha fantasia, sabe... ela pode ser diferente. Não quero que se sintam mal comigo por perto.

- Diferente como?

Ela então retirou uma fantasia de bebê de dentro de sua sacola e lá haviam até fraldas e chupeta. Ela corou quando eu comecei a olhar, mas eu disse.

- Nossa, que legal.

- Sério?

- Sim, eu gostaria de ter uma igual.

Minha mãe interrompeu e então disse.

- Então já temos tudo o que você quer bem aqui.

Ela retirou duas roupas de bebê de meu tamanho e da Elize e então um grande sorriso brotou em meus lábios, mas mal sabia eu o que estava para acontecer.

Isso é tudo por hoje, deixem seus comentários.

Boa Noite!!!

Crônicas de Fraldas- Parte 4- Doces ou Travessuras e a Fralda Que Vaza Durante Isso!!!

Eu olhei para as roupas e perguntei.

- Essa era a grande surpresa?

Minha mãe então respondeu.

- Sim querida, essa é sua surpresa, mas se não quiser não precisa usar.

- Não! Não foi o que eu quis dizer, eu apenas estou surpresa por terem preparado isso como uma surpresa.

- Mas você gostou?

- Bem, é diferente.

- Mas não temos todo esse tempo, então vamos preparar vocês três para sair e pegar aqueles doces.

Rapidamente eu me animei e peguei a mão de minha mãe e me pus a correr escada a cima, quando finalmente chegamos a meu quarto, mamãe disse.

- Tire suas roupas e se deite na cama.

- Porque preciso me deitar na cama?

- Porque precisamos colocar uma fralda em você, faz parte da fantasia.

Eu fiquei um pouco confusa, mas diante daquela fantasia de bebê, pensei que seria plausível apenas concordar com ela. Então mais que rapidamente eu me despi e deitei na cama, minha mãe prontamente começou a me limpar com lenços umedecidos e logo após isso ela pegou a fralda e a pomada e colocou ao lado de minha cama, antes de qualquer coisa ela passou o hidratante mamãe e bebê Natura em meu corpo e o cheiro era simplesmente maravilhoso, aquele cheiro suave de bebê que ficaria por toda a noite em mim, ele era muito relaxante e gostoso, quando terminou mamãe então pegou a pomada e começou a passar em toda minha virilha cuidadosamente para que eu não sofresse nenhuma assadura durante a noite, posso confessar que estava amando esse momento, mas não queria admitir para mim mesma, mas o grande sorriso em meus lábios não poderiam esconder isso de minha mãe ou de qualquer um por muito tempo, em seguida mamãe pegou a fralda, essa era totalmente diferente das que eu havia usado até recentemente, ela tinha desenhos de estrelas e era muito infantil, o tipo de fralda que se eu tentasse retirar sozinha, não conseguiria a não ser rasgando ela toda, e eu não gostaria de desperdiçar algo dessa forma. Após minha mãe levantar gentilmente minhas pernas no ar, a fralda foi deslizada de forma suave por debaixo de meu bumbum, depois fui abaixada sob ela e então ela foi ajustada e fechada, eu me levantei e senti um volume muito maior do que todas as outras fraldas que eu já havia usado, então eu corri para a frente do espelho e me pus a admirar aquela fralda grandemente espessa entre minhas pernas, eu podia sentir aquela sensação maravilhosa por todo o meu corpo, estava trazendo a minha mente sentimentos que outrora haviam sumido ou sido esquecidos, antes que eu desse por mim as lágrimas não paravam de rolar, eu estava emocionada demais para me dar conta disso, foi então que pude sentir um abraço por trás de mim, era minha mãe. Ela não disse nada logo a princípio. Ela apenas ficou ali apenas me consolando, nem eu mesma sabia porque aquilo estava acontecendo, minha mãe me guiou de volta a cama, lá ela começou a vestir minha fantasia, eu estava muito feliz com tudo aquilo, por isso eu ajudei minha mãe em tudo o que era necessário e logo eu estava pronta, antes de sair do quarto mamãe disse.

- Agora para poder ficar tudo perfeito, é só passar um pouco da sua colônia mamãe e bebê da Natura e tudo estará perfeito.

Ela então começou a passar a Colônia em mim e não demorou muito para o cheiro suave de bebê atingir meu nariz, meu quarto cheirava a berçário, pois havia pilhas de fraldas em minhas gavetas e algumas sob as cômodas. Os vários produtos da linha mamãe e bebê da Natura ocupavam muito da cômoda também, mas eu amava tudo isso. Tudo estava perfeito e agora estava na hora de encontrar todos prontos para irmos buscar doces. Desci as escadas correndo rapidamente e quando cheguei a sala Elise e Kate estavam prontas, ao vê-las eu brinquei e disse.

- Vocês estão muito fofas bebezinhas. Goo goo daa daa.

Elas riram e brincamos um pouco com isso, mas já estava ficando tarde e deveríamos começar, por isso minha mãe e a mãe de Elise nos colocaram dentro do carro e então fomos levadas a melhor área que se poderia conseguir doces, o distrito comercial de nosso bairro, lá os comerciantes nos dava sempre muitos doces e nos tratavam muito bem, quando chegamos eu logo me soltei do cinto e saí logo do carro, eu estava muito animada com isso, por isso quando descemos eu agarrei o braço de Elise e de Kate, cada uma para um braço meu, as duas olharam para mim e Elise perguntou.

- Porque isso?

- Não é óbvio, porque somos amigas e eu amo muito vocês duas, espero que sejamos amigas para sempre.

Os olhos de Kate se encheram de lágrimas quando eu disse isso e ela respondeu.

- Se vocês quiserem ser minhas amigas por toda a vida, eu estarei muito feliz com isso, porque eu também amo muito vocês duas.

Nós nos abraçamos, mas eu interrompi e disse.

- Então vamos indo?

Um grande “SIM” veio das duas que sorriram para mim, nós nos abraçamos e então fizemos uma promessa que independentemente de onde e quando seríamos sempre seríamos amigas, começamos então a recolher os doces, as pessoas eram sempre amáveis, houve até mesmo uma senhora que ao nos ver em sua porta disse,

- Olhe só para que bebês lindos, parece que terei que caprichar bastante aqui, será que precisam trocar essas fraldinhas?

Ela riu e nós rimos com ela, era simplesmente muito divertido brincar assim, quando saímos da casa da senhora a sacola estava cheia e tivemos de correr até o carro para poder esvaziarmos e voltar para pegar mais, durante esse tempo pudemos ver muitas crianças de nossa idade e mais jovens correndo por todo o lugar, era divertido e muito animador tudo aquilo, ao chegarmos no carro esvaziamos nossas sacolas e corremos de volta para a caçada aos doces, mais tarde naquela noite enquanto voltávamos vi uma menina muito bonita cercada por outras garotas, ela parecia extremamente popular e as outras meninas fariam o que ela mandasse sem reclamar, pelo menos foi o que me pareceu quando eu ouvi ela dizendo algo para outra menina que estava pegando doces.

- Ei você. Me dê seus doces, eu ainda não tenho o suficiente.

- Mas porque eu tenho que fazer isso, pegue os seus doces você mesma.

- Ah é, então meninas, podem segura-la e pegar os doces.

As outras meninas seguraram a pequena menina que teve sua sacola retirada de suas mãos, a garota então disse.

- Bem, parece que isso é meu agora.

A pequena menina se pôs a chorar e logo uma poça de xixi se formou embaixo dela, ao ver aquilo as meninas começaram a rir dela e dizer.

- Vejam que bebê ela é, ela molhou suas roupas.

Risos altos foram ouvidos, eu não pude me controlar, por isso eu me aproximei e disse.

- Sua garota irritante e má, pare já com isso. Nossos pais já estão vindo. Papai!!! Mamãe!!!

Ao ouvirem isso as meninas correram como o vento, eu então me aproximei da menina e perguntei.

- Tudo bem com você?

- Não, elas levaram meus doces.

- Não se preocupe, posso te dar alguns dos meus.

- Sério? Porque faria isso?

- Não sei, apenas gostei de você, agora me dê sua mão, vou ajudá-la a se levantar.

Quando ela me deu a mão, parte de seu vestido se levantou e eu pude ver sua fralda, em forte emoção eu perguntei.

- Você está usando uma fralda?

A menina corou e ficou congelada, enquanto lágrimas começavam a se formar em seus olhos, eu a abracei e disse.

- Se acalme, eu também uso.

A menina levantou seus olhos com surpresa e perguntou.

- O quê? Sério?

- Sim, todos usamos.

- Para se divertir como eu?

- Você usa para se divertir?

- Sim, vocês não?

- Bem, acho que sim. Meu nome é Silvie, como se chama?

- Me chamo Jolie, tenho 10 anos.

- Nós temos 12 anos, será um prazer ser sua amiga, não é meninas?

As meninas vieram até nós e começaram a pegar em Jolie e dizer o quanto ela era fofa e parecia uma boneca, Jolie ficou feliz, dava para perceber em seu sorriso que ela nunca havia tido alguém que a protegesse assim, após isso eu disse tomando a mão de Jolie.

- Venha, se precisar de uma fralda nova, tenho certeza que uma das nossas vão lhe caber e nossas mães vão cuidar de você.

Ela apenas sorriu e então começamos a andar em direção ao carro quando de repente...

Isso é tudo por hoje, deixem seus comentários.

Bom Dia!!!

Posto todos os dias em meu blog

❖❖❖
Notas de Rodapé

Espero que tenham gostado, apesa do tema ser polêmico, é um tema sobre o qual que gosto de escrever.

Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!