LACUNA
Andréia Kmita
Tipo: Lírico
Postado: 10/11/18 22:01
Gênero(s): Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 45seg a 1min
Apreciadores: 1
Comentários: 0
Total de Visualizações: 664
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 120
[Texto Divulgado] "Liberdade da tua Voz" Quando algo tão belo cai em nossas redes, o certo é soltar.
Livre para todos os públicos
Capítulo Único LACUNA

Invernos eternos consumidos no peito

alucinações assimétricas, retas sem

volta, congelo no granizo selvagem,

entre sóis derretidos e o vento perfeito.

Na arquitetura do sopro, o tempo,

seu dono fiel e impiedoso,

bulimia do temperamento

insólito e travesso.

Curva de esquina mansa

dentre animalidades perversas

criam doces histórias macabras

do gargalo que descansa.

Complacente momento turvo

espalhado em canções antigas.

Melancolia do ego transcurvo

na inércia de inesperadas neblinas.

Algumas décadas fazem falta

Noutras quero apagamento

total e singelo

na ribalta.

A misericórdia no alento transborda

a trama no palco tão bem ensaiada,

tradaptação esgueira da vida,

insana e desvairada.

A pele dormente encobre

o sangue ainda quente,

mas o amor, este louco varrido

ainda tem no coração gelo desfalecido.

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!