O jardim
Mari Freitas
Tipo: Lírico
Postado: 14/03/16 13:58
Gênero(s): Fantasia
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 37seg a 50seg
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 359
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 101
[Texto Divulgado] "O Último Delírio de um Rei" Há muito tempo, num reino bem distante, vivia um rei que tinha dois filhos gêmeos. O rei estava morrendo, e em seus últimos dias, uma preocupação inquietava a mente do velho soberano: quem seria seu sucessor no trono?
Livre para todos os públicos
Capítulo Único O jardim

Os jardins e praças já não são testemunhas do amor.

Com isso, emudeceram as aves e as ervas hoje, são daninhas.

Há cactos a espreitar pés descalços e alegres.

Os enamorados que ainda restam sentados em bancos velhos,

como velho está o sentimentalismo se assustam e se vão.

Latente e invisível, esmorece o jardim idílico,

não existe quem suporte ao passar por ele,

o cheiro podre dos cadáveres apaixonados e

do agouro das aves negras esvoaçando pedaços de poemas,

de quem ainda tem coragem de tentar estancar a sangria

e talvez , quem sabe, ver romper de novo no jardim, a alegria

❖❖❖
Notas de Rodapé

espero que gostem

Apreciadores (3)
Comentários (2)
Postado 14/03/16 14:36

Tocante, definitivamente.

Postado 14/03/16 17:34

fico imensamente feliz de ter o seu comentário. obrigada.

Postado 14/03/16 22:39

Me identifico bastante com os de coragem, pois acredito sim que o jardim pode ser um lugar maravilhoso novamente.

Belo texto. Muito feliz para fazer com se reflita sobre o que falta para o jardim de cada pessoa e para o grande jardim que nos faz um só.

Parabéns!