Conto muito pesado para se ler sozinho(a)
Polly
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 05/02/19 10:52
Gênero(s): Erótico ou Adulto
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 7min a 9min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 96
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 1143
[Texto Divulgado] "Encantamento" Este texto deixará a muitos confusos mas espero que sirva de inspiração para os caros colegas.
Não recomendado para menores de doze anos
Capítulo Único Conto muito pesado para se ler sozinho(a)

PELO OLHAR DELA:

Quando ele chegou, fiz como ele pediu mais cedo, estava com o vestido floral de algodão e sem calcinha, os meus cabelos estavam presos, eu estava tensa embora soubesse que tudo o que ocorresse naquela noite fosse primeiramente para me fazer feliz e posteriormente para alimentar a nossa sede por sexo. Ás 19:00 horas em ponto eu coloquei o plug anal, ele deslizou para dentro de mim de forma deliciosa, senti que minha buceta latejava de tanto tesão, por um momento deslizei o dedo indicador ainda melado de lubrificante no meu clitóris e apertei a minha coxa direita com a mão esquerda, quando senti o quão sensível estava, tirei a mão e contive-me.

Respirei fundo e fui até a cozinha e me posicionei onde ele pediu, de pé na frente da pia da cozinha e descalça. Meu coração estava batendo mais forte que o latejar de minha buceta que eu podia sentir escorrer de prazer, levei a saia do vestido até o meio de minhas pernas e apertei ela.

Liguei a torneira e comecei lavar algumas louças que estavam na pia, olhava a cada minuto para a porta de entrada da casa, que estava apenas encostada, o sistema de segurança estava desligado, assim como ele pediu, por um momento pensei no perigo que de fato eu estava correndo, estava sozinha em casa, havia dado folga a todos os empregados, os cachorros estavam no hotel, por um minuto pensei em trancar tudo e parar com aquela loucura.

E se de fato entrasse alguém em casa e fizesse algo?

Mas aquele medo por algum motivo me deixava ainda mais excitada, meus seios estavam tão rígidos que precisei apertar os bicos para que eles pudessem voltar ao normal.

As luzes da casa inteira desligaram, eu sabia que aquilo iria acontecer, mas não sabia que iria ser tão real e tão intenso o quanto estava sendo, eu continuei parada no mesmo lugar com a esponja na mão esfregando um prato de porcelana.

Eu apertava a esponja e com os olhos fechado imaginava que a qualquer momento poderia ser surpreendida e fui...

O som foi ligado ( Crazy in love cantada em uma voz masculina)

A porta da frente abriu, vi através da claridade da rua que alguém havia entrado, era o corpo dele em pé, ouvi o som das chaves sendo colocada em cima da mesinha de centro da sala, continuei lavando o prato, estava tão tensa que conseguia sentir um leve desconforto com o plug enfiado em meu cú.

Ouvi alguns passos em casa, mas tive quase certeza que não era apenas uma pessoa que havia entrado em casa, o medo estava fazendo eu ouvir e ver coisas, senti medo de verdade e peguei uma faca que estava em cima da pia, assim que coloquei a mão em cima da faca, fui surpreendida por uma mão em cima da minha que apertou tão forte que soltei a faca.

Senti o roçar do pau dele em mim, estava duro, ele mordeu minha orelha e pegou o rabo de cavalo que havia feito e puxou pra trás até que eu encostei a cabeça em seu ombro, ele então afastou minhas pernas, fazendo com que eu as abrissem, ele soltou a minha mão e desceu a sua mão até minhas pernas, passou os dedos pela minha buceta, eu tentei fechar as pernas e ele puxou com força os meus cabelos, ele empurrava o corpo dele contra o meu de forma tão forte que podia jurar que o pau dele iria furar a calça e me comer ali naquele momento. Mas ele queria brincar, queria me torturar primeiro, pois era aquilo que eu queria também, era aquilo que gostávamos.

Ele puxou o plug do meu rabo e senti algo que não sei explicar, uma espécie de relaxamento intenso e ao mesmo tempo um enorme vazio que precisava ser preenchido urgentemente pelo pau dele, senti ele deslizar algo dentro do meu cú mais uma vez, podia saber que não era o pau dele, eu conhecia muito bem o pau dele, com a mão ele ia e vinha em um movimento intenso dentro de mim.

Eu soltei algum gemido e fui punida com uma socada mais forte que se eu não tivesse tão excitada teria me machucado, ele empurrou meu corpo em cima da pia, a torneira ainda estava ligada, a água começou a descer em cima de minhas costas e ele levantou meu vestido, podia sentir ele abrindo os botões da calça e a prótese continuava enfiada em meu cú, enquanto ele deslizou pra dentro de minha buceta de forma deliciosa, socava com força do jeito que eu gosto, a mão que segurava meus cabelos agora apertava minha bunda, ele então parou e tirou a prótese de meu rabo, me puxou pelos cabelos fazendo eu levantar o corpo da pia, estava encharcada de prazer e completamente molhada. Ele desligou a torneira, puxou as minhas mãos para trás e ouvi o barulho das inseparáveis algemas que ele levava sempre aos nossos encontros, me algemou e em seguida me fez ajoelhar na frente dele, com os dedos passou algo de sabor doce na minha boca, esfregava o dedo em movimentos circulares dentro de minha boca indo quase até a garganta, depois me levou até o seu pau, eu estava completamente presa e sem nenhuma forma de fugir daquilo.

Ele de forma delicada colocou o pau dele na minha boca e começou primeiramente devagar e depois foi aprofundando até minha garganta, parando por uns 3 segundos lá no fundo, ele puxava minha cabeça contra o seu corpo, ele estava tão gostoso, seu pau duro dentro de minha boca, podia sentir que apesar de me deixar tão vulnerável, ele também estava completamente vulnerável em minha boca.

Ele então me levantou bem devagar e me beijou , lambeu minha boca, sentindo nele o seu próprio sabor, depois me sentou em cima da pia apoiou meus pés em duas cadeiras separadas o suficiente para me deixar bem aberta, ele ficou olhando a minha buceta, passeando com os dedos entre os lábios e enfiando o dedo bem fundo nela, fazia isso enquanto olhava bem no fundo dos meus olhos para ver se eu liberava qualquer gemido que fosse, ele estava louco pra me punir, mas eu me contive e continuei olhando pra ele, tentando disfarçar o grande orgasmo que estava por vir, então ele parou e abaixou entre minhas pernas e me chupou de forma deliciosa, lambia toda minha buceta como se fosse uma enorme fruta madura, mordia levemente ela e com a língua em movimentos circulares ia em todas as direções.

E quando eu me contorcia de prazer e tentava segurar o gozo que queria explodir, ele socou violentamente dentro de mim o seu pau grande e gostoso, me comeu ali com força e violência me fazendo gemer e gozar junto com ele.

Texto de: @pollyanne.olliveira

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 16/02/19 21:18

Uaaaaaaaaaal, intenso e muito erótico!

Meus parabéns