O Lado Inverso
C David
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 16/02/19 19:45
Editado: 16/02/19 20:10
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 6min a 9min
Apreciadores: 1
Comentários: 2
Total de Visualizações: 72
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 1093
[Texto Divulgado] "Escorpiana" Intensidade, esse é o seu nome. Aquela que sussurra, que grita e que demostra o quanto o amar é importante.
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Conto ganhador do concurso de Halloween do Sweek como uma das melhores histórias em Português.

Capítulo Único O Lado Inverso

Tenho uma mania irritante que repito sempre antes de ensaiar uma cena, olhar no espelho. Há algo neles que me faz ficar encarando por alguns segundos, parece haver outro mundo, uma realidade invertida. Certo dia, enquanto eu treinava expressões em frente a ele, aproximei meu rosto do reflexo e tive a impressão de que o outro eu me puxaria para dentro. Embora suas feições fossem iguais às minhas, algo no olhar parecia-me diferente.

Eu penteava meu cabelo enquanto fitava fixamente o reflexo e peguei-me divagando mais uma vez. Luca logo chegaria, eu o estava esperando para nosso ensaio antes da apresentação. Ele é o único primo que seguiu na carreira artística comigo, o resto da família achava perda de tempo.

Tive a sensação de estar encarando uma outra pessoa naquele reflexo, talvez outro lado meu. Tudo naquele lado tinha uma atmosfera diferente. As paredes rosas e os móveis do meu quarto, pareciam mais sombrios vistos através do vidro. Hesitei em tocar, era muito tolo querer certificar-me de que era apenas um espelho e estava tudo normal, mas eu precisava fazê-lo, era parte do magnetismo estranho que eu sentia.

Senti um frio na barriga ao aproximar a mão, eu sentia que algo me pegaria e estava prestes a entrar em uma enrascada. Para onde eu iria? Quem estaria ali?

Levei minha mão à superfície de vidro mais uma vez e senti uma onda de choque me atingir. A impressão de que eu seria sugada estava novamente ali. Meu reflexo piscou, a expressão dele tinha algo macabro no olhar. Eu encarei com mais atenção, tinha certeza de que eu não tinha piscado. Senti a rigidez dos músculos da minha face, eles não se moveram, então como eu poderia estar com aquele meio sorriso assustador que eu via no espelho?

— Começou sem mim?

Virei assustada em ouvir a voz de Luca em minhas costas.

— Como você entrou? — perguntei confusa

— A porta, estava aberta — respondeu como se fosse a resposta mais óbvia do mundo, mas eu sempre a trancava quando estava sozinha em casa.

— Por que todos os espelhos lá de baixo estão cobertos?

— Como assim estão cobertos? — perguntei incrédula.

Desci as escadas quase tropeçando, quando cheguei na sala, percebi que o espelho da parede estava coberto com um lençol. Corri para o banheiro, a mesma coisa aconteceu ali. Todos os espelhos da parte inferior da minha casa ,estavam cobertos por lençóis.

Subi até o quarto dos meus pais, embora o espelho deles não estivesse coberto, o vidro estava escuro, lembrava até aquelas películas de insulfilme que as pessoas colocam nos carros para evitar mostrar o que há por dentro.

Luca me seguia por todos os lugares sem falar nada, parecia um fantasma atrás de mim. Seu rosto mantinha uma expressão neutra, que dava um ar sério junto com as vestes pretas. O cabelo loiro dele parecia muito bem penteado, porém, havia algo que lembrava areia sob os fios.

Eu o fitei apavorada. Virei-me para o espelho novamente e o toquei. A superfície escura era rígida como vidro grosso. Peguei um pano e comecei a limpar o vidro, mas nada acontecia.

Luca continuava sem falar nada. Senti meu pavor aumentar, minha sanidade me deixava aos poucos. Desci correndo as escadas mais uma vez e arranquei o lençol do vidro da sala. A moldura “vintage” que sustentava o espelho, agora sustentava o vidro escuro, igual ao espelho no quarto dos meus pais.

— O que está acontecendo? — perguntei à Luca desesperada — Por que os vidros estão com essa película escura?

Eu queria que tudo voltasse ao normal. Ver os espelhos daquele jeito me alertava que alguma coisa estava muito errada. Peguei vários produtos diferentes de limpeza para retirar a camada escura e nada resolvia. Quanto mais eu passava, mais escuro ela ficava.

Peguei-me aos prantos no chão. Eu só precisava esperar os meus pais chegarem e tudo se resolveria. Mas eu não conseguia esperar. O sentimento de raiva foi crescendo dentro de mim. Eu precisava resolver aquilo, teria que haver uma explicação. A casa inteira estava imersa no vazio, a luz dos ambientes estava mais fraca, os móveis pareciam mais velhos. Desnorteada, segui até o meu quarto, onde tudo estava normal, pelo menos antes de Luca aparecer.

Ao abrir a porta, assustei-me com o aspecto antigo que ele tomara. As paredes cheias de vida, pintadas de rosa não estavam mais coloridas. O mofo tomava conta das paredes, agora brancas. Meu quarto estava sombrio. Me senti em um filme de terror, o ar era denso ali dentro. Meu espelho também estava escuro.

Em um ato de desespero, desci até o porão, peguei o machado do meu pai e o carreguei até meu quarto, decidida a sair daquele filme de terror. Gritei por Luca, que havia desaparecido sem eu perceber. Por um momento eu pensei que meu primo havia atraído tudo aquilo, mas deduzi que poderiam ser os espelhos, sempre pensei que havia algo de errado com eles.

Levantei o machado em direção ao meu espelho, seria o primeiro que eu quebraria.

— Não! — Luca gritou.

Sobressaltei e o fitei ainda empunhando o machado. Ele me fitou sem responder a minha pergunta.

— Não faça isso, da última vez que eu quebrei um desses espelhos eu morri.

A última palavra ecoou em minha cabeça. Morto? Não podia ser, não fazia sentido. Soltei o machado no chão, esforçando-me para processar a informação que eu recebera.

Se ela estava morto, como eu conseguia interagir com ele? Minha cabeça doía, perdi a estabilidade devido à fraqueza nas pernas e cai no chão. Tudo parecia girar. Fitei o espelho em choque.

O vidro escuro voltou ao normal mostrando uma garota deitada no chão ao lado da cama, junto a ela havia um casal chorando. A cabeça ensanguentada da moça deixava uma poça no chão. O homem abraçava a mulher que cobria o rosto. Ele ajudou ela a se levantar, deixando livre para que eu pudesse ver o rosto da garota ao chão.

O grito ficou preso na garganta. A garota deitada era eu, reconheci o quarto. Chorei descompassadamente. Meu pai se aproximou do espelho e eu vi a dor em seu olhar. Seus olhos fitaram os meus por alguns instantes e depois um pano preto foi colocado por ele. Tudo escureceu.

Bati no vidro chamando meu pai. Eu gritava que estava ali. Estava presa e precisava de ajuda, eu queria sair dali.

— Eles tamparam o espelho para que você não pudesse voltar.

A última coisa que me lembro foi de ter ouvido a voz de Luca me dizendo que tudo estava acabado e então, tudo escureceu definitivamente.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Este texto foi escrito em 2017, apesar de ter sido escolhido como um dos 3 melhores,eu ainda procuro feedbacks sobre ele. Espero que tenham gostado.

Apreciadores (1)
Comentários (2)
Postado 16/02/19 21:24

CARACAAAAAAAAAAAAAAAAAS! QUE CONTO INCRÍVEL! A tensão durante a leitura é tamanha que fiquei com o corpo rigido do início ao fim. E QUE FIM! Realmente me pegou de surpresa pela maneira que tudo foi construído. Por mais óbvio que seja, durante toda a leitura esperamos por outra coisa e por isso a surpresa é tão grande quando a verdade nos é revelada.

Obrigada por compartilhar essa obra conosco. Está incrível!

Meus parabéns ♥♥♥

Postado 16/02/19 22:00

Que bom que gostou. Fico feliz em saber que consegui gerar tensão no leitor hehehe. Muito obrigada pelo comentário, esse retorno foi muito importante para mim.

Postado 24/02/19 18:01

AAA, é o primeiro texto que eu leio por aqui e garanto estar apaixonada pela sua escrita. Eu me senti dentro da história, imaginei todo cenário e o meu corpo ficou extremamente tenso a cada paragráfo.

Incrível!

Postado 05/03/19 22:00

AI MEU DEUS, que honra! Fico muito feliz em saber que você gostou do conto , que foi o primeiro lido na plataforma

(meu coração parou) e que pôde se sentir dentro da história.

Muito obrigada por passar para ler e comentar <3

Seja Bem-Vida!