O Preço da Realeza (Em Andamento)
Queen the vampire
Usuários Acompanhando Nenhum usuário acompanhando.
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 03/03/19 12:49
Editado: 09/03/19 03:00
Qtd. de Capítulos: 2
Cap. Postado: 03/03/19 12:49
Cap. Editado: 03/03/19 12:52
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 5min a 7min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 42
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 897
[Texto Divulgado] "Escorpiana" Intensidade, esse é o seu nome. Aquela que sussurra, que grita e que demostra o quanto o amar é importante.
Não recomendado para menores de dezoito anos
O Preço da Realeza
Prólogo Um suposto inferno

Tenha muita calma quando você for de encontro ao desconhecido, as vezes o verdadeiro monstro vai esta escondido a espera de seu cansaço - caçador

Um Suposto Inferno

Não havia mais nada naquela terra, toda dor e sofrimento que a guerra causou havia a devastado por completo, andei tanto que não percebi o quanto havia me distanciado da paisagem mórbida que agora se encontrava longe de mim. A minha frente as arvores encobriam aquele céu acinzentado onde um castelo permanecia de pé em meio a floresta a qual adentrei sem perceber, conforme fui avançando obtive uma sensação desagradável, o vento gélido que pairou sob o meu corpo trazia um perfume atemporal, uma mistura de sangue e sândalo que eu conhecia muito bem, devo dizer que o meu sentimento beirava a euforia, mesmo estando aqui. Resolvi adentrar aquele castelo certa de que não havia nada nem ninguém.

Pisei naquela ponte sem olhar para o desfiladeiro abaixo de meus pés, meu corpo travou no meio do caminho ao perceber um vulto preto com enormes olhos vermelhos me encarando do outro lado da ponte, meu coração disparou e eu não pude conter o tremor que percorreu minha espinha, me agarrei naquelas cordas e forcei meus pés a darem alguns passos pra trás sem tirar meus olhos de cima da criatura abominável a minha frente, um estranho pensamento pairou sob minha cabeça: Será que foi aquela criatura que destruiu a floresta e matou a todos?

Em meio ao transe, senti algo cortar minha face e a parte de trás do meu ombro esquerdo, pisquei duas vezes e a criatura não estava mais lá, a sensação de medo começou a tomar conta de mim e com os olhos aflitos comecei a procura-la a fim de planejar minha fuga. Virei para os lados e nada, em frente ao castelo e nada, senti uma forte respiração como a de um animal pesado em meu pescoço virei rapidamente dando de cara com a criatura com dentes enormes e olhos vermelho sangue que me encaravam, agora tão perto era claro sua aparência horrenda, eu estava diante de um chacal e não havia nada que eu pudesse fazer pra me salvar, a única solução era cair. Respirei descompassadamente e puxei do meu quadril o revolver 38, atirei nas enormes cordas de aço da ponte e elas não rebentaram, atirei de novo e vi o monstro se mover em minha direção, respirei fundo lembrando dos ensinamentos de meu pai enquanto caçávamos.

"Atire sempre na cabeça, por mais que não mate vai desnorteá-lo"

Puxei a outra arma de meu quadril e comecei a atirar com as duas, cada tiro que eu dava era um passo mais próximo do castelo, quando as balas acabar entrei e corri para as escadas, puxando de meu bolso as capsulas de sal que havia ganho de presente, deixei duas caírem no chão e ao ouvir o rosnado do monstro cada vez mais perto de mim respirei fundo e engatei as 3 capsulas restantes, aquele lugar era escuro e eu não atiraria sem precisão, continuei a dar passos silenciosos enquanto vagava o local com meus olhos a procura de alguma luz no crepúsculo dos céus subi o terceiro lance de escadas e não sei porque algo me atraiu para o fim do corredor, mantive o revolver empunhado e empurrei a porta que rangeu e ecoou por todo o castelo, ouvi aquele rosnado novamente e ele se aproximava cada vez mais rápido, me encostei na parede a minha frente, tirei a pequena tocha da parede e acendi com meu isqueiro a coloquei de volta no lugar e puxei a adaga cigana guardada em minha perna esquerda, a empunhei por debaixo do revolver e esperei pelo monstro que estava me caçando. Assim que ele entrou me preparei para atacar dei um passo pra frente e ouvi um rosnado a cima de minha cabeça, vaguei com o olhar descobrindo está cercada não apenas por um, mais sim 4 bestas demoníacas naquele momento eu tive absoluta certeza de minha morte, mas não deixaria que me devorassem sem antes lutar. Atirei na besta que estava acima da minha cabeça, em seguida mirei na do lado esquerdo depois no lado direito e dispensei a arma afinal as capsulas de sal haviam acabado, atirei a adaga cigana acertando o peito do mostro em cheio que agora estava de pé bem na minha frente.

- PODE VIM SEU MONSTRO DO DEMONIO! - gritei esperando pela minha morte eminente, fechei os olhos tirando a granada que trazia comigo presa em meu bolso direito, respirei fundo e abri meus olhos com um sorriso cruel. O monstro lambeu sua própria boca suja com meu sangue e andou sorrateiramente em minha direção, quando fez a menção de me atacar um apito fino e ensurdecedor ecoou pelo castelo fazendo-o se afastar com medo. Meu corpo ferido relaxou toda a tensão descontrolada de uma vez senti uma dor forte em minha cabeça me fazendo ajoelhar pousando em mãos quentes que amparavam meus seios e meu quadril na imensidão daquele cômodo escuro, meu corpo não me obedecia mais e por mas força que eu fizesse, não conseguia me levantar daquele abraço, minhas forças estavam me deixando e cada vez mais fraca fui obrigada a descansar minhas pesadas pálpebras, antes de perder minha consciência.

- Finalmente te encontrei querida Lisa - aquele sussurro em meu ouvido foi a última coisa que escutei antes de desmaiar completamente

❖❖❖
Notas de Rodapé

Eu fiz a personagem, essa é a foto da protagonista dessa minha nova histria então com vocês Lisa Dragomir.

Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Queen the vampire

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Aventura

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Fantasia