POESIAS DE UMA POETA LOUCA. (Terminado)
Pequena Estrela
Usuários Acompanhando
Tipo: Antologia Poética
Postado: 25/03/19 20:45
Editado: 04/04/19 17:04
Gênero(s): Poema Romântico
Qtd. de Capítulos: 10
Cap. Postado: 26/03/19 12:36
Cap. Editado: 26/03/19 12:37
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 0
Comentários: 1
Total de Visualizações: 31
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 336
[Texto Divulgado] "a dança" sabe-se lá quanto vinho tomamos naquele quarto, de repente tu ligaste o rádio, colocou a musica lenta e pediu para que eu pegasse sua mão, e eu o fiz. dançamos desajeitados, rindo como tolos, nem sabíamos direito os passos, mas tudo bem, só nós estávamos lá, e estávamos felizes. era o que valia.
Não recomendado para menores de dezesseis anos
POESIAS DE UMA POETA LOUCA.
Notas de Cabeçalho

Bem, essa daqui, foi feita enquanto estava ouvindo Lord Huron - The Night We Met durante a madrugada.

E ela me fez pensar demais, pensar sobre tantas coisas, tantos amores, tantas decisões não tomadas....

Ela me fez pensar sobre tudo o que vivi.

O pouco que vivi.

Quinta Poesia. No final foi por um só.

No final foi por um só

Ah quem diria, ela voltará a sentir tudo de novo de uma vez só

Tentava esquecer com outros mas a quem ela achava que enganava?

Sabia que cada amor falso se resumia a pó

Quando as pequenas lembranças lhe agarrava.

Dizia ela que tudo começou com um sorriso gentil e sem compromisso

Que ocorreu sem querer de manhã naquela garagem

Ela sabia, e como sabia. Que tudo teve início, muito antes disso.

E então sua mente fez uma viagem singela

Lembrou se do dia que o conheceu, e como o choque ocorreu

Tomaram forma então a cor dos olhos, cabelos e até a mesma voz voltava a ser ouvida por ela.

Mas então o que aconteceu?

Por que depois de conhecer seu amor teve de esquever?

Bem, talvez por seus pecados o destino tirou o que no passado ofereceu...

E um dia ele sumiu, sem nenhum aviso ou sequer um bilhete quis escrever.

E aquele amor doce por dúvida se converteu

Então a verdade veio a tona

Doída como ponta de faca, que sangrava e pedia por cura

O rapaz que cortejava em segredo já havia dona

E ele tinha partido a sua procura.

Então as flores do coração da anônima que se apaixonara sem ele saber

Quase murchou, escapou por um triz de morrer

Então decidiu esquever, amar os outros, amar a si.

Esquecer do momento em que conheceu tal pessoa

Esquecer do sorriso naquela garagem

Sumir dali.

Porém a cada amor novo que tentava criar, o homem do passado voltava

Ela se sentia perseguida pelas noites sem dormir.

Obrigando a abandonar por achar traição pensar em outro alguém

Obrigando a destruir no amor superficial que tentava construir.

Enfim, não é de interesse de ninguém saber que final isto levou

Ou em que caminho se meteu

Só se sabe que todas as noites as paixões se convertia às cinzas do dia para a noite.

Voltando a admirar e sonhar com um amado que nunca fora seu.

Autora: Pequena Estrela

❖❖❖
Notas de Rodapé

Espero que tenham gostado.

Link da musica que escutei enquanto escrevia: https://www.youtube.com/watch?v=bNgUyJTuA0E

Bem, é isso, até a proxima poesia meus amados e amadas.

Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (1)
Postado 14/04/19 15:35

Ah, que escrita magnífica, que forma de se espressar. Você tem o dom de colocar seus sentimentos nas palavras certas e transmitir mensagem profunda.

Quao misterioso é isso que chamamos de amor.