Pedras no Caminho
C David
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 28/03/19 22:29
Gênero(s): Cotidiano Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 56
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 652
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Old, but gold (?)

Capítulo Único Pedras no Caminho

Um rapaz caminha sozinho, por um caminho estreito subindo uma montanha. Havia prometido para ele mesmo que não desistiria da caminhada por mais que os outros dissessem que seria árdua e que a montanha poderia ser perigosa.

Para dizer a verdade, tal caminhada não havia sido decisão dele conscientemente. Fora planejada por ele de forma inconsciente, apenas percebendo o fato quando já estava no caminho. Isso fez com que o rapaz, por diversas vezes se queixasse de não ter escolhido caminhar, deixando-o desanimado em certos momentos.

O caminho é silencioso e aparentemente fácil. Não era comum encontrar muitas pessoas nele. Algumas vezes uma ou outra, cruzava-o enquanto seguia o próprio caminho designado a elas. O jovem rapaz- que ainda não atingira a idade adulta- não tinha mais do que vinte anos e caminhava em meio a devaneios.

Sempre muito crítico, ele costumava refletir sobre situações que lhe apareciam no meio do caminho. Criticando principalmente o motivo das coisas serem do jeito que são, nunca encontrara uma resposta. Era tão óbvio e poderia estar à frente dele, mas a irritação e as dúvidas o cegavam.

Enquanto caminhava, ele recolhia as pedras que encontrava ao lado da trilha e as colocava à frente dele, para que pudesse chutá-las enquanto andava. As pedras eram de diversos tamanhos, algumas pequenas, outras médias e outras que pareciam bolas de futebol. Essas ele não chutava, ficava fitando-as enquanto criticava a forma delas e as colocava de lado.

Cada vez que ele chutava uma pedra e esta rolava trilha abaixo, ele pegava outra e continuava chutando. Fez isso o caminho todo, até finalmente chegar perto do topo da montanha. Para alcançar o topo íngreme, caminhar não adiantaria mais, daquele ponto em diante ele só conseguiria com equipamentos. Entretanto, ninguém havia o avisado sobre aquilo. O rapaz sentou-se em uma das pedras perguntando-se o motivo de querer alcançar o topo.

Depois de tanto pensar ele de deu conta de que não sabia o motivo. Alguém certa vez o disse que ele faria e então, ele inconscientemente planejou a trajetória, que agora não poderia ser cumprida. Muitas vezes na vida, é fácil se deparar com situações dessas. Ninguém nunca sabe ao certo para onde se está indo e o que precisará para chegar lá.As pessoas só de deparam com a situação quando chegam e, muitas vezes é necessário voltar outra vez quando se estiver mais bem preparado. Isso não quer dizer que toda a caminhada foi em vão.

Depois de tanto pensar, o rapaz tomou o caminho de volta e começou a descer a montanha. Ele demorou mais tempo para descer do que para subir. Sentiu-se extremamente cansado e precisou parar várias vezes para descansar. O caminho estava mais difícil, ele escorregou algumas vezes e se machucou. Irritado com a situação, ele decidiu fazer o que sabia fazer de melhor, refletir. Custou para que ele parasse de acusar a trilha ou a montanha pela dificuldade que passava e realmente perceber o que aconteceu. Refazendo a trajetória mentalmente, o jovem de vinte anos finalmente enxergou que na ida, todas aquelas pedras não estavam lá e que ao voltar, não havia feito outra coisa a não ser escorregar nas pedras que ele próprio havia colocado no caminho.

Então ele passou a retirar aos poucos todas as pedras e as colocando ao lado da trilha de terra, deixando-a livre novamente. A partir daquele dia, todos os outros caminhados trilhados por ele, sendo escolha dele ou não, foram mais fáceis. Após perceber que são as próprias pessoas que colocam as pedras no caminho, ele tomou mais cuidado para sempre facilitar as coisas. Dizendo o que pensava, perguntando quando tinha dúvidas, procurando quando tinha saudades, refletindo quando necessário, descansando quando se sentia cansado, dizendo não quando fosse preciso, encarando os medos quando estes apareciam se libertando de preocupações quando elas insistiam em se manterem na mente. Apenas vivendo como se deveria viver, da melhor maneira possível.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Escrito em 06/10/13

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 25/04/19 20:34

Que belissimo texto com uma excelente reflexão meu caro colega. Está de parabéns