Um beijo pra crescer.
Nilton Victorino Filho
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 29/07/19 11:28
Gênero(s): Cotidiano
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 6min a 9min
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 66
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 1110
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Um beijo pra crescer.

Em Outubro de 1978, eu já havia fechado as matérias e ia pro Luiz Elias Attiê só pra cumprir tabela, havia passado o inverno, mesmo assim as mamoneiras, que acompanhavam o lado oposto da horta do Japonês, ainda amanheciam com uma camada de gelo, na metade do caminho o sol as derretia, esse fenômeno natural fazia com que ficasse a impressão de que elas ferviam, por cima da plantação, pairava uma suave névoa e, se saíamos dos pavilhões encapotados, nesse ponto, o calor nos fazia tirar as blusas e as amarrar na cintura.

A minha turma ia se juntando pelo caminho, na altura do lago do 24 já estava em número suficiente para começar o coral, o repertório era composto de sucessos de Fagner e Zé Ramalho e os meninos cantavam com sotaque rasgado, feito os cantores nordestinos:

..."Quanto tempo temos, antes de voltarem aquelas ondas"...

Fora o fato de ser nerd, eu era invisível e, gostava de sê-lo.

Uma turma grande começou um incêndio no bambuzal do lago, eu estava na tropa, o irmão Augusto disse que estava escondido e vira todos que participaram do incidente, uma grande turma reunida e, ele foi tirando um a um, dos meninos que participaram do crime, quando chegou perto de mim desviou o olhar e.… eu tive a impressão de que, se ele esticasse a mão na minha direção, ela me atravessaria. Todos os envolvidos foram severamente punidos e, ninguém se lembrou que eu estive por lá, essa era a vantagem de ser invisível.

O Attiê nada mais era que, uma extensão do Educandário Dom Duarte, de ponta a ponta, os internos dominavam as ações, já tinham a fama de serem bons de bola e passaram, por conta de uns, a ter a fama de pegadores, muitos já namoravam e cresceu, entre as meninas da região, a vontade de ter um interno como namorado.

Mas, isso ocorria com os meninos mais velhos que eu, eu dava sempre o azar de ser o amigo das meninas e, amigos são só amigos, não namoram.

Entre as minhas várias amigas, havia a Valdeci, uma amiga de verdade, com quem eu conversava sobre literatura e mitologia, uma parceira de estudos e muitas risadas.

Quando o nome Valdeci era gritado em sala, ela tinha que engolir o constrangimento de atendê-lo, junto com o Valdeci do 13 e o Valdeci do 17.

Minha amiga tinha quatro irmãos mais velhos, todos iniciados na carreira do crime, não era de todo feia, mas era alta, mais alta que o mais alto dos internos, por isso, recebeu o apelido de girafa, num tempo em que as meninas iam à escola com calças jeans apertadas, ela ia de vestido de chita, daqueles que a barra chega no tornozelo...então, esse conjunto de situações, acrescido pelo nome masculino, faziam da minha amiga, a pessoa que ficaria no fim da lista das pessoas que um guri quisesse namorar e, ela só queria um interno pra chamar de seu.

_E eu, não sou um interno???

_. Ah, você é meu amigo.

Em certo ponto, ela colocou aquilo na cabeça, como se fosse uma prioridade, uma meta mesmo, podia ser o Arthur do 19, o Porfírio do 20, o Xodó do 21 ou o Mancha do 17, desde que fosse interno e popular, ela chegou a dizer que só assim ela poderia passar da fase da adolescência.

_. Fala a verdade Niltão, eu sou feia???

_Claro que não, o que te atrapalha é esse seu nome.

_. Esse era o nome do meu bisavô, minha avó exigiu que eu fosse batizada assim.

_. Está vendo, nem conheço a sua avó e, ela já é a segunda pessoa que eu mais odeio nesse mundo.

_. Quem é a primeira???

_O George Foreman.

E por mais que ela desse entrada, ninguém a olhava, ela era aos olhos dos meninos, tão invisível quanto eu e, não gostava disso.

No último dia de aula, haveria uma festa e iriam levar um som para a sala da oitava série e seria a despedida do ano letivo, como eu disse antes, a discoteque não fazia o meu gênero e então eu não participaria daquele baile, eu disse a ela e ela fez um olhar que me deixou com medo, me fez lembrar do filme "Carrie, a estranha", segurou nos meus braços, com os olhos estalados e a boca bem perto da minha disse:

_. Venha querido, vou te fazer uma surpresa, não vais se arrepender.

Era uma sexta feira, o último dia de aulas, arrumaram uma vitrola com grandes caixas acústicas e deixaram o som bem alto, um globo de espelho jogava luzes coloridas na penumbra, no meio da pista o Xodó dava seus passos tresloucados e dominava a atenção de todos, os meninos e as meninas hipnotizados com a dança e eu esperava meu par, doido para aquilo tudo acabar e eu ir jogar rebatida no campo do 14.

Já estava impaciente, quando olhei pra porta da entrada e avistei a Valdeci, fiquei petrificado, ela estava vestida num colante azul com contas que brilhavam, a saia preta colada ao corpo tinha um rasgo lateral e mostrava-lhe as pernas inteiras, toda maquiada e com os cabelos negros esvoaçando e um gostoso odor de alfazema a seguia, eu estava no fundo da sala, para chegar até onde eu estava, ela veio em passos lentos, à medida que ela passava os meninos paravam de dançar, mesmo os que estavam acompanhados, aqueles que sempre a desprezaram, agora a olhavam com olhar de cobiça, a despeito de todos os olhares ela continuou vindo a mim, me desencostei da parede e perfilei, como um cavalheiro que merece uma dama.

Ninguém mais dançava, aquela menina que ninguém conseguia ver, agora os hipnotizava e, diferente das meninas que ali se encontravam, ela tinha um corpo escultural de uma mulher adulta, já do meu lado e me abraçando ela disse ao meu ouvido:

_. Fecha a boca Niltão, quer um babador???

Eu, que costumo dizer besteiras em horas impróprias, fiquei calado, estava tão surpreso quanto todo mundo que me olhava com inveja.

Mas, mesmo que eu não soubesse o que fazer, eu sempre tive amigos e quem tem amigos não morre pagão, o Gibi foi na vitrola e jogou no ar "The Commodores-Easy" e diante de todos olhares, não me fiz de rogado, encostei o rosto no rosto da amiga e rodei um floreado com ela, a mão direita na face e a esquerda na cintura, ao fim da música ficamos ainda com os rostos colados, como vingança já era suficiente, mas nos deixamos ficar assim.

E, os dois amigos invisíveis se beijaram na boca, um beijo demorado, que marcou a despedida de uma fase de suas vidas.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (1)
Postado 29/07/19 14:01

Gosto das suas obras , de como as usa para demonstrar situações reais e que aparentemente ja vivenciou. Está de parabéns