Refazendo meus passos
Viajante do Tempo
Tipo: Lírico
Postado: 14/08/19 16:16
Gênero(s): Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 299
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 221
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Refazendo meus passos

Refazendo meus passos

O frio

Apenas a ausência de calor

A escuridão

Falta de luz

Solidão

Falta de companhia

Se fosse tão simples

Eu não seria solitário

Envolta de pessoas

O problema não é pessoas

Mas queremos pessoas

Que se assemelhem a nós

Em crenças

Ideias e princípios

E minha maior solidão

É não ter alguém como eu

Apenas eu

E que diferença faz

Já não sou mais eu

Apenas a memória vive

De um viajante do tempo

É a única coisa que restou

E hoje decidi

Refazer meus caminhos

Relembrar

O por que

De eu me isolar

A primeira parada

Foi no porto

Nessa cidade fria

Lembrei-me

Do motivo

Era por eu ter coração quente

Escaldante

Ou fugiam

Ou se aproximavam

Apenas para ter um pouco de calor

E quando percebiam

Que não tinha outro igual

Mas ainda queriam

Escravizavam-me

Vim para o frio

Para sempre lembrar-me

Que de todas as friezas

A da natureza é a menos cruel

Eu pensava que

Se eu mostrasse outro caminho

As pessoas mudariam

Que se vissem amor

Escolheriam o caminho

Que eu queria trilhar

Sinto-me como

Morpheus de Matrix

Oferecia a realidade

Ou o mesmo de sempre

E escolhiam o mesmo

Pois no final

Já acreditavam ser livres

Mas uma coisa é real

Ninguém que é livre

Escraviza alguém

Arthur Poeta da Neve

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (2)
Comentário Favorito
Postado 05/09/20 08:16

Agraciada por seu poema!

Sua reflexão sobre a luz que possuímos e o calor que nos enleva muitas vezes serem diminuídos ou congelados pela frieza da sociedade que nos cerca foi brilhante.

Todavia há que se refletir que de modo algum devemos viver em função de expectativas, pois essas sendo reflexos de nossos desejos e sonhos, dificilmente serão supridas por outros, portanto é guerra perdida tentar buscar que o outro seja como desejamos...

O trecho

"Vim para o frio

Para sempre lembrar-me

Que de todas as friezas

A da natureza é a menos cruel"

é de uma beleza dolorida, pois sente-se toda a angústia do viajante.

Grata por essa viagem, desejando que as próprias viagens do autor sejam cheias de alegrias e boas energias!

Postado 05/09/20 14:20

Muito obrigado!! Fico realmente feliz com tal comentário reflexivo sobre a poesia!! E a sua interpretação tambpem, muito obrigado!!

Postado 26/05/20 14:26

Preciso falar que os temas trazidos são os mesmos que os meus pensamentos, mas também é necessário dizer que em muitos momentos seu texto se torna contraditório, sendo, algo a ser observando.

Ao meu ver seu eu lírico só sabe fugir das situações e não resolve nada se isolado com as memórias de tempos vividos.

É uma obra para se pensar em "nosso" próprios atos do passado para melhorar, obrigado por me fazer refletir.

Agradeço por compartilhar sua obra.

Nota: De forma alguma quero o ofender.

<3

Postado 20/06/20 00:56

Não ofendeu, o eu lírico é alguém livre das pessoas mas preso em memórias, o criei para retratar pessoas que ficam tão presas que não sabem o que é ser livre.

Postado 20/06/20 01:30

Fico feliz que o Sr(a). Viajante seja alguém tão simpático/a, espero não ofender por não saber o gênero que devo usar.

As vezes é difícil o português com sua necessidade de atribuir um gênero as pessoas, desculpe.

De todo modo, espero ansiosa por mais de sua presença aqui, bem como a de tuas obras.

<3