Ser humano
Andromeda
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 03/12/19 21:55
Gênero(s): Drabble Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 57seg a 1min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 120
Usuários que Visualizaram: 1
Palavras: 152
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Ser humano

A morte era um vazio de incertezas que, para alguém como eu, que estava acostumado com decepções, parecia bem receptivo.

Era quase impossível não se abalar pela minha imagem decrépita: meus olhos fundos não transmitem nada e, a boca seca, nada murmura. Minha pele é pálida e revestida por furos – feitas por animais que se fundiam à minha carne. Estou morrendo, pouco a pouco, venho perdendo o que considero humano.

A dúvida não cala e a resposta é sempre vazia. Afinal, será que sou humano?

Me sinto hipócrita quando me preencho de esperanças. Parece que não faço jus a mim, e no final, me torno um poço de tristeza incoerente. Contudo, logo passa. A melancolia me acompanha nos meus últimos passos e, novamente, me vejo decepcionado.

A tristeza não durará para sempre, mas sempre encararei meu futuro com melancolia. Isso enquanto eu me permitir viver, o que não será por muito tempo.

❖❖❖
Notas de Rodapé

um dia.

Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!