Meu parceiro de fuga
Leonardo
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 12/08/20 22:21
Editado: 12/08/20 22:22
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 9min a 13min
Apreciadores: 6
Comentários: 5
Total de Visualizações: 547
Usuários que Visualizaram: 13
Palavras: 1590
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dez anos

Esta obra participou do Evento Academia de Ouro 2020, ganhando na categoria Drama.
Para saber mais sobre o Evento e os ganhadores, acesse o tópico de Resultados.

Capítulo Único Meu parceiro de fuga

A poeira da estrada fazia-me querer espirrar, mas a aguentei corajosamente, esperando a deixa perfeita para fechar meu vidro sem que ele visse. Podia simplesmente pedir, mas eu não aguentaria tamanha troça. Mário adorava chamar-me de patricinha, gritar aos quatro cantos o quanto eu era fresca e mimada. O quanto eu era privilegiada por meus problemas de verdade não passarem de poeira que o vento da estrada carregaria para longe. Não lhe oferecerei esse gostinho. Não hoje.

Quando me chamara, audacioso como só ele é capaz de ser, ponderei seriamente em não atender seu pedido. Lhe responder com o típico "talvez outra hora" e jantar em casa, em meio aos eventuais atritos vividos por meus pais, escutando a noite toda o quanto eu era diferente da "juventude perdida" que meu pai tanto hostilizara.

Suspirei, como frequentemente eu vinha fazendo.

Por que eu ligo tanto para a tal aprovação? Se eu jogar na balança, escutar um "boa garota" não compensa uma vida inteira de experiências perdidas.

Pensando nisso, embora o olhar temeroso que o papai me lançara quando lhe pedi diminuísse consideravelmente minha determinação, resolvi aceitar o convite daquele garoto tão ousado. Ele era um garoto alto, de ombros largos e pele escura como azeviche. Tinha cabelos desgrenhados, de um tom castanho opaco que combinava com os olhos expressivos. Já me atirara cantadas aos montes, que eu me limitava a debochar ou ignorar, mas, ao passar um mês, ele decidira tomar a inciativa.

— Posso colocar alguma coisa no rádio? — lhe perguntei, embora tenha soado mais formal do que eu gostaria. De todo modo, ele assentiu, então tive a oportunidade de percorrer pelas estações de rádio. Algumas falhavam, talvez por já termos nos distanciado da cidade, e outras não passavam de sermões de teor religioso. Não que eu desprezasse a religião, até mesmo gosto de ir à igreja uma vez por semana, mas odeio a forma como certos pastores nos atiram broncas banalmente. Quando encontrei uma música que agradasse a garota caprichosa que eu sou (era Garota de Ipanema do Tom Jobim, por sorte uma das minhas músicas favoritas), não pude evitar o impulso de dançar. Diria até que fora algo involuntário. Quando vi que ele me encarava, não pude deixar de sentir-me envergonhada. — Que foi? Acha muito estranho eu me animar com bossa-nova?

Ele riu, debochadamente, como se a minha preocupação fosse a piada mais engraçada que já ouvira.

— Não, não. Tipo, eu não sou do tipo que dança, mas curto pra caralho quando fazem. — pareceu-me muito uma desculpa, mas resolvi perdoá-lo. Sempre me dizem que eu devo parar de tornar uma tempestade as coisas que não passam de uma garoa banal.

— Até quando não fazem bem? — lhe atirei esse questionamento, debochada. Embora eu me esforce para contê-las, as piadas autodepreciativas simplesmente escapam da minha boca. Eu tenho que parar com essa merda.

— É melhor ainda quando não fazem bem.

Lhe atirei um sorriso, que fora correspondido pelo garoto, e decidi deixar-me ser carregada pela música. Penso agora, estando tão longe casa, que não fora uma boa ideia aceitar seu convite. Não nos conhecemos, tampouco temos assuntos interessantes para oferecer um ao outro. Sendo assim, por que estou aqui?

Eu abomino o silêncio e não suporto a falta de diálogo num encontro. Poxa! O intuito não era conversar?

Notando meu claro desconforto, ele me oferecera um sorriso confortante. Na sua cabeça, também deve ter percebido o quanto aquilo tudo não passava de um erro bobo. Mesmo assim, agraciei seu gesto. Ele até diminuíra a velocidade do carro.

Como num estalo, lembrei-me de algo que poderia melhorar consideravelmente o encontro. Apalpo cegamente por debaixo do meu banco até que finalmente a encontrei. O coitadinho usara seus poucos trocados para me comprar uma garrafa de Pepsi. Achei um gesto meigo, de uma delicadeza que não se espera de alguém que se vende como bruto. Embora eu deva confessar que, quando ele me oferecera a tal da garrafa, soara um pouco como aqueles caras que pagam as coisas para as garotas por acharem natural. Não por gentileza ou algo que o valha, apenas porque é a função a qual são submetidos. Isso me é um pouco deprimente.

— Sabe, achei esse um presente muito fofo. De verdade. Mas eu não consigo mesmo tomar tudo. Se quiser um gole generoso, não hesite em dá-lo.

O olhar que ele me mostrou parecia uma mistura entre pena e a certeza de que eu continuaria sendo essa patricinha para sempre. Isso me deixou um pouco magoada (não que fosse realmente uma mentira), mas fiquei questão de disfarçar.

— Tá acostumada com bebidas mais fortes, garota?

Como eu detesto isso! Sério. Odeio esse olhar de "Seu papai te deixa mesmo beber?". Bom, a resposta é um não, mas, pelo menos, o papai não é um devasso declarado como o pai dele. E não seria capaz de encostar um dedinho sequer na mamãe.

— Ah, quem me dera. Consigo dar umas escapadas e beber um corote de vez em quando, mas, se o papai descobrisse, eu estaria ferrada. De verdade. E o pior é que o velho tem uma adega. Tipo, eu posso escutá-lo falar sobre a composição da cerveja até ele se dar ao luxo de cansar, mas experimentar? Parece que estou cometendo um pecado. Detesto isso.

Por algum motivo, acabei me abrindo para ele (e não do jeito que ele esperava, eu suponho). Apesar de ser debochado em demasia, ele é um cara meio caladão. Esse é o melhor ouvinte, aquele que não te questiona e lhe oferece o máximo de sua atenção. Na verdade, eu sou bem falante, então, vez ou outra no colégio, deixo minhas amigas um pouco de lado para bater um papinho com o pessoal mais tímido. É bom não ter que disputar o controle da conversa de vez em quando.

— Até acho normal um pai ser protetor em relação a sua filha, mas ele exagera um pouco.

— Um pouco? — não me orgulho, mas soei nojenta com a risada que dei. Esse tópico sempre me deixava um pouco alterada. — Eu já o acho um ditador. Você que tem sorte. Do pouco que escutei do seu pai, ele parece ser incrível. — assustadoramente incrível, eu queria dizer, mas me contive por ser um tópico meio delicado.

— Não sei se incrível seria a melhor maneira para definir meu velho. Tipo, ele me trata mais como um parceiro de farra do que como um filho. Deve parecer divertido, mas as vezes faz falta uma bronca.

— Poxa. Confesso que fiquei surpresa.

— Com o quê?

— Você é bem mais autoconsciente do que eu esperava. Que tipo de adolescente pede por broncas?

— Sei lá. Talvez se o meu pai fosse chato como o seu, eu não falasse coisas assim. Mas agora é isso que eu penso. Afinal, minha velha foi embora por causa dele.

Sem escolha, mantivesse o silêncio. Até uma idiota como eu consegue fazer isso.

É sempre assim comigo. Quando menos espero, quando estou com a guarda baixa e mais do que disposta a ligar-me a outra pessoa, acabo falando uma merda dessas. Claro, Elisa, nada mais pertinente do que falar da falecida mãe dele no primeiro encontro.

Ainda embaraçada, estico a garrafa de refrigerante para ele. Demorou para entender oque eu queria fazendo isso, mas acabou aceitando. Não precisou parar o carro para agarrar a garrafa e tomar um gole de Pepsi. É quase como se o carro fosse parte dele.

Fecho meus olhos, sendo ninada pelos solavancos que o carro fazia ao chocar-se com os buracos da estrada irregular. Lentamente, abro meus olhos, dando de cara com diversas casas de madeira. Eram pequenas e sem terreno, mas de longe, quando o carro avançava e as deixava para trás, tornavam-se apenas casas. Como qualquer outra.

Enquanto olhava pela janela, acabei por pensar no motivo dele acelerar tanto. O que ele quer deixar para trás? E eu, por que aceitei vir com ele?

O que eu quero deixar para trás?

— Quando você acelera, seus problemas ficam para trás junto das casas?

Não sei direito porque falei, mas eu não podia conter mais essa pergunta.

— Acho que sim. — por um curto instante, tive medo que ele parece por aí, mas não foi o caso. — Eu estava mesmo pensando em extravasar. Como imaginei que você ia curtir a ideia, resolvi te chamar.

— É, eu gostei um bocadinho. — deixei que a minha cabeça caísse no braço direito, por sua vez apoiado na janela. Finalmente sentia-me relaxada e não no carro de um estranho apenas para afrontar as estúpidas ordens do meu pai. — Mas você pode me dizer o motivo de ter me escolhido?

— Não foi bem uma escolha. Eu só pensei que você ia curtir. Acho que bateu uma conexão. Sei lá.

Afinal, você não é um cara complicado, certo?

— Uma conexão. Humm... — antes que ele pudesse raciocinar, beijo-lhe na bochecha, mais carinhosa do que romântica. Acho que seria injusto para ambos se rolasse alguma coisa de fato. — De certa forma, acho que me sinto igual. Podemos continuar aqui o tempo que você quiser.

Aprendi, ainda não sei como, a amar ficar naquele carro. Não preocupar-se com a pressão do dia a dia e viver sendo ninada pelos buracos que atingiam o pneu. É estranho que eu sinta que não fosse me opor a nenhuma sugestão dele agora. A noite trazia consigo um vento chuvoso, apesar de o mesmo ser um pouco carregado da areia vinda dessa estrada.

— Vamos voltar. Preciso falar com o meu pai. — em resposta, eu sorri. Em seguida, demos meia volta, indo de encontro com as casas que abandonamos no caminho.

❖❖❖
Apreciadores (6)
Comentários (5)
Comentário Favorito
Postado 24/08/20 14:13

Meu Deus do céu, Leonardo, você é genial!!!

É uma experiência muito incrível poder ler a mesma história sendo narrada sob dois pontos de vistas diferentes!!

É muito interressante como cada um deles pensou e agiu durante a história!!

Preciso dizer novamente, VOCÊ É GENIAAAAAL, sério, genial demais em tudo que você escreve <3

Abraços para você <3 <3 <3

Postado 24/08/20 15:10

Poxa, muito obrigado! Sério, fico feliz que tenha gostado. E eu adoro receber seus comentários <3<3. <3

Muitos abraços para senhorita <3<3

Postado 27/08/20 21:20

Suas obras me fizeram pirar aqui! Fico me perguntando se tirei a ideia certa dos textos (?)

Quer dizer os dois tinham problemas e realidades diferentes, talvez seja por esse motivo que houve essa conexão...?

Sua história lembrou-me de um livro que trabalhei na epoca da escola em um projeto de duplas, "ela disse, ele disse" acho que esse era o nome. Bem, eu não cheguei a ler só que precisei fazer o trabalho de qualquer jeito hahahaha! Sei que no livro tem uma ideia bem parecida... (Não posso falar muito eu não li :V)

Mas o seu eu li hahaha! E preciso dizer que adorei! A forma com os personagem são profundo e as obras se completam tão bem é um divertido de se ler (*˘︶˘*).。*♡

Obrigado por compartilhar sua obra ou melhor dizendo obras! Adorei!

Assinado alguém que foge sozinha mesmo, <3

Postado 27/08/20 21:57

Espero muito que seja pirar no bom sentido hehehe

Sim! É bem isso que eu quis mostrar. Como ambos tem problemas diferentes (por conta de criação, classe social e outros motivos), mas o desejo de fugir desses problemas acaba fazendo com que um compreenda o outro.

Espera, como você fez o trabalho sem ler o livro hehe? Mas então, nunca ouvi falar. Darei uma procurada nesse livro. Parece ser muito bom.

Poxa, muito obrigado ♥️♥️♥️♥️♥️

E eu adoro suas assinaturas!! São ótimas, sempre.

Postado 27/08/20 22:07

Hahha!

Como o trabalho era em duplas pedi um breve resumo ao meu cúmplice e também a ideia era que usássemos a jogada de duas visões do mundo para criarmos textos e tal (só que eu deveria escrever a visão do garoto e minha dupla, um garoto, escreveria a visão da garota. Não deu muito certo hahaha)

De qualquer forma nosso texto(s) foram os mais diferentes, talvez por eu não ter li o famoso livro? :V

Obrigado pelo elogio, mas nem sempre consigo criar uma assinatura legal :/

<3

Postado 03/10/20 20:18

Eu amei cada vírgula deste texto... Você é um dos poucos escritores homens que realmente conseguiu descrever uma mulher da forma mais humana, possível, com detalges genuínos, incertezas, medos que aos outros parecem banais, mas que para ela, são o fim do mundo.

Amei o enredo e me identifiquei bastante com a personagem, sobre ser culta demais, sobre acharem que sou boba ou medrosa, sobre falar sem pensar, sobre devanear sobre coisas profundas que não se adequam ao momento...

Você lê mentes?

Que obra incrível, eu queria ter lido mais disso... Me senti em uma introdução de um livro muito bom, espero que algum dia seja!

Parabéns pela sua originalidade! Me surpreendi!

Postado 03/10/20 23:47

Nossa, você não imagina o quão feliz eu fico ao ler isso. Eu sempre escrevo várias personagens femininas (muito por conta de uma dificuldade em narrar personagens masculinos, que acabam sempre meio parecidos comigo) e fico preocupado se de fato estou estou retratando da maneira correta. Afinal, eu sou um cara, né? Pode acabar rolando certos enganos e tal. Mas fiquei muito feliz por esse elogio.

Acabou se indentificando com a Elisa então. Eu me intentifico com a parte de ficar pensando coisas aleatórias e profundas que não cabem na situação kkkk

Não sou um telepata, infelizmente...

Que bom que gostou! Não sei se em um livro, mas penso em escrever mais contos desses personagens.

Agradeço pelo seu comentário adorável <3

Postado 18/11/20 23:42

EU AMEI????!!

Uma história relativamente curta, mas recheada de significados e amor em cada letrinha. Ao ler essa história, me senti mais leve. Mais alviada por ter com quem me identificar, embora sejam apenas personagens ficctícios.

Me desculpe pelo comentário curto, mas saiba que você simplesmente arrasou! <3

Postado 20/11/20 22:43

Poxa, muito obrigado<3<3. E nossa, não imagina o quão gratificante é saber que você se indentificou. É oque eu quero com tudo que eu escrevo.

Agradeço pelo seu comentário <3<3

Postado 24/01/21 13:11

Fantástica sua história e narrativa!

Indo ler pela segunda vez para não perder nenhum detalhe...

Obrigada por compartilhar conosco!

Postado 24/01/21 21:15

Muito obrigado! <3 Eu que agradeço pelo seu comentário.

Outras obras de Leonardo

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Reflexivo