A Sabedoria Chora
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 17/08/20 00:06
Editado: 18/08/20 15:30
Avaliação: 9.67
Tempo de Leitura: 14min a 19min
Apreciadores: 11
Comentários: 9
Total de Visualizações: 692
Usuários que Visualizaram: 16
Palavras: 2301
Este texto foi escrito para o concurso "Challenge Musical" A proposta do “Challenge Musical” é simples: vocês terão que escrever uma obra com base na interpretação de uma música. Ver mais sobre o concurso!
Livre para todos os públicos

Esta obra participou do Evento Academia de Ouro 2020, indicada na categoria Fantasia.
Para saber mais sobre o Evento e os ganhadores, acesse o tópico de Resultados.

Notas de Cabeçalho

Inspirado na Música "Wisdom Cries - Aurora".

Link da obra de arte: https://www.youtube.com/watch?v=iyfQRU0I_b0

(foi o único link que achei da música legendada em Português, sugiro que leiam enquanto ouvem...)

Capítulo Único A Sabedoria Chora

Multidões de elfos e fadas lutam nos campos através das terras, nesta noite tão tão sanguinolenta... A bruxa odiosa de olhos de diamante e poderes de fogo, está possuída de furor, atira qualquer um que tenta salvar a Rainha, ao chão - por sangue frio, a bruxa inexorável gargalha enquanto as jovens fadas e elfos combatentes, já estão sem força e choram em uivos abafados, desesperados.

Todo tipo de criatura das trevas brota de ranhuras profundas e quentes, do chão, das árvores, caem do céu, como pode ser possível que esta bruxa seja tão poderosa? Raios de ira e devastação estão propelando de todos as direções, matando o vento, a chuva, o tempo...

As chuvas ácidas do poder que brotam das mãos da bruxa, queimam a pele de nossos amados guerreiros, nossos sonhos de futuro cada vez mais perdem o brilho! O que faremos agora? Estamos vivendo este trágico destino, o que será de nossa sábia Rainha?

Lá está ela, paralisada entre as nuvens, mesmo assim, continua transparecendo paz para nós outros, seu poder de luz, pouco a pouco é sugado para dentro do peito da bastarda, que cada vez mais se torna gigante, brilhante, indomável...

- Lutem contra esta Imperatriz da Morte! Lutem! - O general grita quase emudecendo em meio a tantos corpos que brilhantes, se desentegram no ar... Num piscar de olhos, não há mais tantos de nós, e as criações-malditas se multiplicam incessantemente, como um vírus.

- Lutem, lutem! Salvem a Rainha!!! - o general insiste até que, um raio escarlate atinge-o bem no meio do peito, sua pele então se incha e rasga como uma cigarra explodindo, ele então, se junta às demais criaturas que, já sem alma, se encontram sem vida - quanto mais ela os elimina, mais forte se torna.

- O General... Está morto...! - exclamamos, invisíveis entre a pouca flora que resta, estamos cinzas de medo...

Nossas cabecinhas aflitas, olham para o céu, o brilho da Rainha está quase se apagando, mas... Não temos mais força... As poucas de nós que restam, estão com os corações estão devastados!

Há poucas horas atrás, a vida parecia comum, rotineira, os animais viviam, os rios corriam, os ventos abraçavam todo o vale e as fadas e elfos, levávamos nossas vidas de sempre, trabalhando, sorrindo, amando... A Rainha Fiama, sempre governou com tanta sabedoria... Seu poder e conhecimento era compartilhado com todos, geração após geração, a biblioteca da realeza era aberta à população, todas as criaturas viviam em paz, serenas... Num piscar de olhos, como se fosse apenas uma tempestade, raios rasgaram o céu e ela surgiu.

A ladra das virtudes...

Nenhum de nós acreditamos quando ela surgiu... Pois o ódio, era incomum nestas redondezas... Em poucas horas, tudo virou cinzas, nossas casas, o Palácio de Cristal, A Árvore Mãe, as bibliotecas, os animais e a vegetação, tudo que era bom, agora não passa de uma mancha marrom, a Rainha, tão forte e sábia, foi tomada de nós como um sopro, nos deixando sem luz e forças, não somos seres mágicos sem ela... O que faremos?

No campo de batalha, nós, criaturas mágicas, nos tornamos apenas moribundas.

- É uma emergência! - uma das fadas chorava inconsolável, ela apontou com os dedinhos trêmulos para a Rainha que agora queimava em agonia.

- Não!!! - todos urramos, nos colocando de joelhos, rasgamos as roupas, afundamos as faces no chão... Não era possível!

- Sim... Agora é hora da vingança! Esta terra - e até mesmo você, Fiama querida, irão ver que todo o meu sacrifício para renascer das cinzas valeu a pena, é a minha NOVA ERA, e eu sou GLORIOSA!!! - a última fala estrondosa da Bruxa, fez a Rainha estremecer e por fim, sucumbir.

...

Todos nós, demoramos a perceber o que acabara de acontecer.

Uma fraca e transparente luz começa a valsar levemente, ela partiu dos olhos de sol da Rainha, e agora, está prostrada bem de fronte a nós...

As últimas palavras de uma vida...

- Raios Caem, a Sabedoria Chora... Emergência, amados, emergência... Fiquem conscientes desta noite, não mais se surpreendam... É uma emergência... A Sabedoria Chora... Sabedoria, chora... - a pequena faísca proferiu tais palavras como um canto de luto... Sua nectarina voz, oscilou por quilômetros, até desfalecer ao longe.

Neste momento, a terra tremeu, a abóbada celeste foi sufocada por um manto ainda mais soturno, a Rainha por fim, explodiu no ar como se explode um diamante, e toda sua vitalidade foi magnetizada pela Perversa, que subiu ainda mais nas alturas e fervilhou de poderes.

- Curvem-se! Diante de sua nova sábia!!! - as poucas árvores restantes desmoronam e todas as criaturas do mal, voltam para seus buracos, em menos de meio segundo...

Não conseguimos dizer nada.

Nem um só som.

Tudo isso está bem diante de nossos olhos...

O silêncio, é mortífero.

Como um vendaval, a bruxa desapareceu.

É como um pesadelo.

- Aonde ela está...? - esquadrilhamos o horizonte... As que tem forças para voar, saem em busca da megera, o resto de nós, permanece escondido, acorrentado em medo... Nosso sorriso foi brutalmente levado e nossos corações, agora estão famintos, somos órfãos...

...

Dias se passaram desde o Armagedom... Sinto em informar que realmente perdemos. Até o momento, a "nova Rainha", ainda não apareceu, nos deixou com nossa pilha de destroços, o silêncio parece matar e ferir mais do que qualquer um daqueles raios.

- Já se passaram dias! Precisamos fazer algo!!! - Kahla, que antes era musicista, já havia gastado suas cordas vocais de tanto que chorou e lamentou.

- Infelizmente, Kahla, nem nossas lágrimas são mais mágicas, se ainda fôssemos, pelo menos as lágrimas fariam a fauna e a flora renascerem... Não nos restou nada... Ela veio até aqui apenas para matar a Rainha e depois se foi... Não consigo crer...! - eu ainda chorava, desde aquele dia... Na verdade, nem sabíamos mais em qual dia estávamos... Quantos dias haviam se passado, afinal, o sol nunca mais nasceu, nem a lua... O plano celeste era apenas breu, todas as estrelas caíram do céu e morreram, agora, vivíamos sem luz alguma.

- Eu não me importo... Eu... Eu... Eu não sei o que fazer! - ela me abraçou, mas nossos braços estavam tão doloridos, que logo deixamos de abraçar e apenas voltamos a prantear.

- Aonde está a chuva...? Aonde está o vento...? Estamos trancados neste clima opressor...! Não há saída!!! - Stiff, o elfo que antes era um Protetor, agora só sabia tremer, soluçar...

- Vejam só o que ela fez de nós... Não possuímos mais talentos, dons ou poderes, irmãos... Somos apenas nada. - uma das anciãs mais sábias do reino, sussurrou com dor.

E o silêncio perdurou, por mais tempo, dias? Semanas? Anos?

Não foi possível saber.

Minguadamente, retomamos nossas vidas - mesmo na escuridão. Comemos raízes, bebemos nossas lágrimas, alguns de nós desistiram de viver, outros de nós, nem conseguíamos mais nos lembrar se algum dia, viemos a estar vivos...

Realmente tudo havia mudado, logo se pôde perceber da forma mais ardente possível.

Até que um dia, ela retornou.

Rasgou o céu que, novamente sangrou mais uma vez, as estrelas pareciam úlceras, o Sol e a Lua pareciam-se mais com precipícios infindos... Como duas esferas sem alma... Se pareciam com nossos corações...

Trituramos-na com nossos olhos inchados de ódio - agora, conhecíamos bem este sentimento, ela pigarreou e começou a cuspir palavras:

- Servos! Vocês reconstruirão o mundo para mim! É um novo começo para todos nós! - a meretriz parecia confiante em sua roupa de rubis.

- Não há como, vossa alteza... Quando a Rainha Fiama se foi, nossos poderes se foram junto com ela... - um de nós respondeu, timidamente, mas, a bruxa, não o ignorou, rachou-lhe ao meio com um raio.

Mas, nem nos surpreendemos mais.

Passamos a trabalhar como escravos, como nossos antigos pais haviam sido, na antiga era das trevas, antes de todos sermos salvos... Era como voltar no tempo, de uma forma magnanimamente ruim...

Depois de longas jornadas de trabalho, aquela criatura assassina, surpreendentemente, nos permitia descanso; com as costas cansadas e os ossos moídos, íamos em grupos descansar dentro das árvores petrificadas pela batalha.

Assim que estávamos todos reunidos, decidi que eu finalmente deveria proferir algo sábio:

- Bom, não pode ficar pior... - eu ri com amargura - entre tantas coisas boas a serem ditas, escolhi as piores palavras.

Eles não perdoaram:

- Voltamos no tempo, por causa daqueles olhos de diamante... Olhe para nós, Rinna... Somos vermes agora... Não aguento mais andar... Minhas asas se petrificaram...! Você não fez nada! De que serviu sua posição durante todos aqueles anos? De que serve nossa vida agora??? Minhas asas... Minhas asas Rinna... Sinto que logo elas vão cair... Você consegue dormir de noite?! - Kahla todas as "noites" chorava pelo mesmo motivo, nos tornamos todos tão fracos que nossas asas se tornaram pó... Era um pesadelo para todos, mas, principalmente para Kahla, minha melhor amiga... Me culpando como se eu fosse responsável pelo caos.

- Eu queria poder ter feito mais, Kahla, você sabe que sim... Mas como...? - respondi engolindo em seco.

Nossas noites baseavam-se em orações e planos conspiracionistas...

Sempre que falhávamos, o resultado era mais mortes dos nossos, e mais poder para a "nova rainha"...

Os dias eram iguais demais...A esfera nunca mudava, era sempre negro, fosco, fosse dia ou noite, a nova era da derrota, do ódio e da solidão, venceu, afinal.

- Ainda é uma emergência, Rinna... Não podemos nos esquecer das últimas palavras da Rainha, precisamos continuar conscientes! - o elfo Sven bradou comigo certa noite, como se eu fosse culpada... Eles amavam fazer isso. Todos eles.

- Você era a conselheira mor da Rainha... Rinna, você precisa nos dizer o que fazer!!! - como se fosse combinado, todos eles retumbaram, nervosos.

- Ela não está mais aqui... Era uma emergência mas... Agora é o que somos... Não há mais salvação, irmãos... Nossa salvação será aguardar pela morte, ou, se tivermos sorte, por um raio daqueles que ela solta pelos olhos.

Dei de costas para todos eles e contemplei minha derrota.

De repente, senti quente em minha face... SPLAT! - Kahla me desferiu um golpe.

Eu a fitei com pesar, ela retribuiu a dor que encontrou em meus olhos, piscou profundamente, deixando uma lágrima brilhante escorrer em seu rosto machucado.

Nossa Anciã - agora a última que havia restado, desde a segunda volta da usurpadora de tronos, enfureceu-se com nossa discussão e veio em nossa direção, pisando firmemente, carrancuda.

- A Sabedoria ainda chora, crianças! Não podemos desistir! Precisamos descer! - a voz rouca da anciã ecoou como maldição.

Todos ficamos boquiabertos.

- D-descer?!?!?! - indagamos a ela, surpresos, atordoados.

- Nós devemos mesmo descer, Mãe Anciã... Devemos descer novamente??? - eu indaguei, ainda mais assustada do que antes.

Descer, consistia em desistir de nossas próprias almas para reviver algum antigo membro da realeza, alguém mais sábio e capaz de derrotar a fera.

Restaram apenas sessenta elfos e fadas. Antes éramos milhares... Descer, significa fazer uma regressão astrológica, atravessar teias de realidade e nos conectar com os mortos. É de fato uma magia mortal e antiga... Por mais estudados que sejamos, neste milênio, nenhum grupo de fadas e elfos tentou algo de tal grandeza.

- Anciã... Se isso não funcionar, corremos o risco de nos extinguirmos para sempre... O que será do Planeta Terra sem Elfos e Fadas? Deixaremos tudo a mercê dos humanos??? - as peças em minha mente ainda não haviam se encaixado.

- Melhor do que deixarmos a Terra à mercê dela. - Kahla, ousadamente, respondeu pela Mãe Anciã.

Por fim, e com muito pesar, concordamos que seria o melhor a ser feito.

Todos nós, um a um, recolhemos o que precisávamos, para fazer a Poção da Troca - nossos olhos e almas em troca de uma vida mais valiosa, capaz de derrotar o mal. Os ingredientes necessários para poção são: sangue de fada petrificada, gotas de raios de sol, um broto de árvore e a primeira flor a secar na troca das estações; com isto, poderíamos abrir o caminho para descer...

Quando tudo já estava pronto, nos pusemos em círculo, na calada da noite - a hora mais ardente se iniciou.

A Anciã bateu seu cajado de ossos três vezes no chão, fazendo nascer dele um som oco.

- Agora, queridos, todos precisamos arrancar nossos olhos. - a Anciã o disse em tom sutil, como se isso não fosse grande coisa.

- Arranquem seus olhos com o dedo indicador, façam a bola pular para fora... Mas não apenas desta forma, tenham em seus espíritos todas as cenas de morte, todas as cenas vividas, todas as almas e vidas que já adentraram suas casas...

Cada um de nós temia este momento. Nossas Poções da Troca estavam prontas.

- Agora, antes de arrancarmos nossos olhos e presentearmos o eterno, cantemos a última canção de nossa época... - ela fechou seus olhos marinados de vida e começou:

"Vamos voltar no tempo, tempo

Através de olhos de diamante...

Nós vamos correndo

de volta no tempo

Através dos olhos de diamante

Temos que voltar para o início

Voltar até estarmos de volta em casa

Temos que voltar para o início

Voltar até estarmos de volta em casa

Onde está a chuva?

Nós devemos descer novamente?

Nós descemos...

Raios caem

A sabedoria chora

É uma emergência, emergência

Consciente durante toda a noite

Ninguém está surpreso

Contanto que nós... Emergência

Emergência, emergência

A sabedoria chora".

Enquanto entoamos esta canção, um a um, arrancamos nossos olhos e derramamos no lugar, a Poção da Troca.

Nossos corpos flutuaram, afundamos em um rio branco e pastoso, à medida que nos afogamos, nossas almas se libertaram, até não sobrar nenhum de nós...

Quem seria o escolhido pelo destino a ser ressuscitado? A Poção daria certo?

Nosso suicídio daria fim ao legado das fadas?

Não podemos saber, apenas acreditar...

Se a sabedoria cessasse de chorar, poderíamos ao menos, libertar nossos destinos...

À vista disto, com uma única e última batida de nossos corações febris tudo ficou escuro, para sempre, veio o fim (?)

Cálido...

Infinito, vivo.

Sim, mais inteso...

Oh, mais poderoso.

Brando... E nublado,

Nunca haverá nada como a morte...

Seremos pois, eternos, como o recomeço de tudo...

❖❖❖
Notas de Rodapé

Eu realmente queria ter sido capaz de escrever algo melhor para um concurso tão lindo... Mas não fui capaz.

Queria ter feito jus ao concurso e a esta música que é divinamente triste. Sempre que eu ouço "Wisdom Cries", penso em fadas de luto, pela morte de sua rainha, tentei aqui, trazer esta interpretação à vida... Espero que vocês amem isso, mais do que eu.

Obrigada por descerem novamente, conosco.

Apreciadores (11)
Comentários (9)
Postado 17/08/20 10:21

Sua criatividade e esforço sempre me surpreendem, ana. Você tem escrita maravilhosa e sabe colocar muito bem diversas situações em textos criativos.

Eu te admiro muito <3

Postado 17/08/20 13:54

Fico feliz que você tenha gostado do texto, pois eu detestei kkkkk

Obrigada pelo apoio, amor <3, você que é admirável!!!

Postado 17/08/20 21:41 Editado 17/08/20 21:45

PARA TUDO, EU NÃO CONSIGO ACREDITAR QUE VOCÊ NÃO GOSTOU DESSE TEXTO!!!

Menina do céu, toda essa história que você criou foi completamente fantástica!! Estupenda ao nível máximo!! <3 <3

Sinceramente, por mais que a senhorita diga o contrário, eu afirmo que essa história é 100% merecedora do 1º lugar do concurso!! Porque... MEU DEUS, você descreveu todo esse cenário incrível, nos mais minuciosos detalhes!!

E o melhor de tudo, pelo menos para mim que adoro me sentir assim, é que eu consegui me sentir parte da história!! A narração da fada foi totalmente perfeita e envolvente. Dava para sentir na pele todos os sentimentos ali retratados!!

E que sentimentos... A angústia, a tristeza, a morte, a desolação, a importência, a violência, a lástima! Pelos demônios do inferno, eu pude sentir cada minuto dessa enorme tragédia!! E isso foi fenomenal <3

Sua qualidade narrativa é maravilhosa, e o desenvolvimento de tudo ocorreu no tempo certo, muito bem pensado e organizado!! Eu amei cada um dos acontecimentos que foram se passando rumo ao final, por mais horrível que fosse toda a situação, eu só pude amar, pois a história está maravilhosa!!

E por falar em final......... ESTOU EM EXTASE PURO COM ESSE SUICÍDIO COLETIVO!!!!!!! AAAAAAAAAAAAAAA ESSA IDEIA FOI GENIAL DEMAAAAAAAIIISSSSS!!!!!! *------------*

Essa poção da troca foi a mais bela cereja do bolo que já vi em toda minha vida!! A angústia e o medo de cada fada e elfo era palpável, mas eles foram corajosos e seguiram em frente!!

E a descrição dessa cena??? Perdoe o palavrão, mas foi do caralho!! Putaquepariu foi bom demais!! Ter que tirar os olhos foi a ideia mais incrível, nossa eu fiquei até arrepiada enquanto ia lendo!! <3

E com tudo isso ainda me deixou com um gostinho de quero mais, porque eu vou ficar me corroendo eternamente de curiosidade em saber quem é que foi ressuscitado... Em saber como foi a batalha épicamente foda desse ser contra a bruxa... E em saber quem ganhou no final... se o legado das fadas iria desaparecer para sempre ou se teria uma bela continuação...

Aninha do meu coração, você merece todos os parabéns do mundo por essa história incrível que você escreveu!! <3

Um enorme abraço para a senhorita <3 <3 <3

P.S. essa cantora é maravilhosa, e a música totalmente perfeita!!!

Postado 28/08/20 20:42

AAAAAAAAAAAAAA MEI! Eu nem sei como responder a tantas coisas lindas sobre minha obra, obrigada por me ajudar a amar ela assim como você amou!

E... Aurora né? Rainha.

Obriagada pelo apoio aaaaaaaaaaaaaaaaaa

Postado 18/08/20 00:01

Que mundo lindo, eu adorei o jeito que vc criou a história desse texto, foi tudo tão bem desenvolvido, e é muito triste, nossa, é de cortar o coração, mas também é bonito pq todos amam a rainha, e nossa senhora esse final foi muito triste, eu nunca teria imaginado algo tão triste assim, e foi muito bom viu, deu o clime perfeito pro final da história, sério,muito bom mesmo, parabéns *_*

Postado 28/08/20 20:43

Ai Vamp, você é tudo para mim, vem sempre me trazer alegria, inspiração e esperanças! Muito obrigada, DE VERDADE!

Postado 18/08/20 07:41 Editado 18/08/20 07:42

A Srta Meiling expressou exata e intensamente TUDO o que eu penso e sinto acerca desta obra. Só me resta então acrescentar uma pergunta:

Se uma obra desta magnitude, preciosidade e primor foi odiada e repudiada por sua genial criadora, que surpresa excelsa e indescritível nos aguardará quando surgir o texto que ela ame e se orgulhe de ter concebido para participar do concurso?

Huldra, eu te reverencio com todo o ardor, respeito e admiração de meu íntimo pois seus textos são pura magia, deleite e aprendizado para nós, meros mortais que tem o privilégio de sorver tamanha riqueza e beleza literária.

Sem dúvida, criaste uma obra-prima digna do primeiro lugar com toda a certeza e facilidade! Meus mais sinceros, impressionados e incessantes parabéns por ser tão incessantemente FODA PRA CARALHO como autora (e como qualquer outra coisa que seja além de pessoa e mulher; ainda creio que tens um belo buraco nas costas)!

Atenciosamente,

Um ser totalmente encantado com esta obra, Diablair.

Postado 28/08/20 20:45

Eu juro que nem sei COMO e com QUAIS PALAVRAS te agradecer, de verdade... Qualquer elogio vindo de você, o ser mais místico e um dos mais talentosos desse site, já me enche de felicidade! Muito obtigada, querido Hulder, de coração!

Postado 18/08/20 19:49

Criar um mundo nunca é uma tarefa fácil, mas tudo que toca a sua criatividade maravilhosa consegue se tornar extraordinário, não importa o que seja. Eu entendo bem esse sentimento de insuficiência, de parecer que nunca conseguimos escrever algo a altura, mas, Ana, quero te dizer que você ultrapassou a estratosfera de todos os universos existentes com esse texto. Não digo isso por ser sua amiga ou uma grande fã somente, mas também por saber o quanto você se esforçou para escrever cada uma dessas palavras.

[Enfim, depois de um pequeno puxão de orelha, vamos ao comentário]

A narrativa flui como o mais suave rio de águas cristalinas. Ela consegue levar o leitor por cada linha sem que ele se assuste com o tamanho do texto. A maré narrativa é palpável e visível graças a tantas descrições e explicações acerca deste universo tão bem desenvolvido e elaborado.

As personagens são cativantes e gentis, quase pegam na mão do leitor para conduzi-lo a essa aventura. Toda a trama me lembrou muito a história de escravidão e sofrimento dos elfos em The Witcher, onde há essa atmosfera de adoração seguida de uma opressão repentina que leva à morte. A diferença é que a sua história possui um final tão trágico e intenso que deixa os leitores arrepiados.

Todos os momentos são pontos altos na narrativa, mas o final consegue ir além de um mero clímax. Ele é o alcance exato da perfeição em sua personificação escrita. Há tantos sentimentos envolvidos que tudo o que o leitor consegue fazer é se entregar a este momento, juntamente com as personagens. O último ponto final soou como um suspiro de libertação audível aos ouvidos do leitor. É o ápice que somente uma escrita muito criativa e inteligente consegue alcançar/fazer.

A melodia da música parece uma trilha sonora perfeita para todo o texto. Ouvi enquanto lia e tive a certeza de que elas se encaixavam como se fossem uma só. Tenho certeza que o primeiro lugar será seu, pois essa obra incrível não merece menos do isso.

Obrigada por compartilhar conosco essa aventura trágica! Boa sorte no concurso, Aninha!

Parabéns, mil vezes ♥

Postado 28/08/20 20:46

Cê nem faz ideia de como esse comentário foi importante para a minha auto estima em relação a este conto kkkkkk

Você é perfeita e eu nem sei como te agradecer sem parecer uma macaca analfabeta, você é maravilhosa, muito obrigada Brina, por tudo, sempre. Você tem meu coração - e eu já te falei isso muitas vezes!

Obrigada mesmo!

Postado 24/08/20 00:02

Magnífico!

A dor, o sofrimento, a angústia, o medo são expressos com perfeição e beleza!

E a música, nossa, parece que sempre fez parte dessa história!

Parabéns por essa obra que traz deleite à nossa alma!

Boa sorte!

Postado 28/08/20 20:47

Te agradeço demais por todo amor! Você é genuinamente, maravilhosa!

Postado 12/09/20 23:50

Não tenho palavras o suficiente para descrever a magnitude dessa obra. Confesso que na hora que vi a quantidade de palavras acabei ficando um pouco receosa do texto acabar se perdendo. Mas você escreveu com tal maestria que a leitura se tornou rápida e prazerosa.

Você tem noção que criou um mundo próprio juntamente com sua população? Que nos forneceu uma interpretação diferente do porquê elfos e fadas serem seres místicos e não mais existente? É mais do que uma lenda, a maneira como descreveu cada parágrafo torna tudo real e insano.

A harmonia com a música é nítida, e usá-la como uma canção desses seres foi linda e muito, muito triste. O meu coração ficou apertado do começo ao fim, almejando o ressurgimento da Rainha ou uma luz para os que sobreviveram. Só de pensar no tempo que ficaram envolto das trevas, sem expectativas e tampouco felicidade, me parte o âmago.

Mas ver o sacrifício que fizeram em prol da Terra mesmo diante de tantas incertas, foi arrebatador e contagiante. Como se nos deixasse um legado de não desistirmos, de prosseguirmos e não deixarmos a sabedoria sucumbir.

Todo o contexto, os detalhes e sentimentos, foram muito bem redigidos. E eu não tenho palavras o suficiente para agradecer por essa linda participação no concurso.

Mas aqui deixo um simples - mas de coração - agradecimento. Obrigada, 6, por compartilhar essa brilhante obra ♡

Postado 12/09/20 23:52

Por onde eu deveria começar? Talvez pela criação de um universo totalmente incrível e completamente compatível com a melodia da música, ou pelo incrível fato de você ter conseguido ir além de qualquer expectativa.

Não existe um momento da leitura em que a melodia mórbida não combine. Todo esse cenário monocromático e triste é perfeito para a música escolhida. A sua criatividade foi ao extremo aqui, senhorita. Me vi totalmente imersa na angustia das personagens. Você conseguiu criar algo único e belo.

O modo como nos apresentou ao âmbito da música foi magnífico. A sua visão de fadas e rainhas, de elfos e lutas, de estar no meio de uma crise e não desistir, tudo isso fez as mais de duas mil palavras nem serem notadas. A leitura fluiu de forma leve e gentil.

Meus mais sinceros parabéns e muito obrigada por participar.

Postado 26/10/20 16:33

Como sempre, as suas capaz são divinas

Outras obras de 6 de Janeiro

Outras obras do gênero Aventura

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Fantasia

Outras obras do gênero Mistério