A promessa.
Leonardo
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 30/08/20 16:37
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 4
Comentários: 4
Total de Visualizações: 627
Usuários que Visualizaram: 10
Palavras: 429
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos

Esta obra participou do Evento Academia de Ouro 2020, ganhando na categoria Comédia.
Para saber mais sobre o Evento e os ganhadores, acesse o tópico de Resultados.

Capítulo Único A promessa.

A luz fria da manhã adentrava o ônibus pela vidraça riscada e quebradiça, escolhendo categoricamente as pequeninas gotículas de poeira e lhes oferecendo o contorno para que fossem vistas ao bailar no ar. Pessoas exalavam vapor, pessoas dormitavam em seus bancos e pessoas silenciosas lançavam uma saraivada de olhares inóspitos aos poucos falantes do veículo. Era de se esperar que estivesse cheio por estarmos no famoso “horário dos trabalhadores”, mas diria, como um exímio frequentador desse ônibus, que excedera o limite. Nunca peguei um banco, evidentemente, mas podia saborear um tanto generoso de espaço ao ficar de pé. Não era esse o caso naquele dia tão mórbido. Nunca desprezei calor humano, mas como poderia aproveitar dele sentindo-me como uma sardinha? Mexer-me uns passos era pedir por confusão, então tentei ficar o quão confortável minha posição estática permitia. Quando me ajeitei, meus olhos acabaram por pousar sob uma moça. Poucos centímetros nos separavam, então tentar não reparar nela mostrava-se um esforço infrutífero. Reparei nos cabelos longos e escuros como a madrugada de insônia, em como era baixinha e no seu nariz pontudo e afiado. Na maquiagem discreta e nas suas caras roupas sociais, até mesmo em como parecia usar de um grande esforço para passar uma seriedade ao mundo. Nos seus olhos castanhos e reluzentes, grandiosos de maneira que, se olhasse muito a fundo, enxergaria todos os seus segredos. Quando notou que eu a encarava, acabou por corar e desviar seu olhar para baixo. “Vergonha?”, eu pensei, mas afastei essa pretensão. Devia estar cansada por correr para pegar esse ônibus. Se o perdesse, perderia também seu compromisso importante e isso acarretaria problemas. Mesmo assim, continuou a me encarar, como se em uma vingança para minha atitude indelicada. A tensão fora quebrada com um sorriso seu. Não era aqueles animados que mostravam os dentes, na verdade, era bem sutil e acanhado, mas foi o bastante para que eu tivesse uma vontade intensa de corresponder. Pensei em lhe dizer alguma coisa, puxar um assunto banal como comentar o frio repentino que assolou nossa cidade, mas ela foi mais rápida, tossindo para limpar a garganta e me dirigindo mais um de seus sorrisos contidos.

— Moço… — sua voz era quase um sussurro, ainda que doce de se ouvir. — Você está pisando no meu pé. Tipo, há muito tempo. — ela riu baixinho e eu direcionei minha atenção ao chão para obter a confirmação de sua fala.

Me envergonhei, me desculpei, me afastei e prometi que, mesmo que eu tivesse que andar o dobro, mesmo que nunca mais conseguisse ser pontual, jamais pegaria aquele ônibus novamente.

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (4)
Comentário Favorito
Postado 30/08/20 22:48

Quando o autor possui um talento extraordinário de escrita e uma criatividade formidável, textos como esse nascem! Seria eufemismo da minha parte dizer que gostei! Com toda certeza essa obra se tornou uma das minhas favoritas.

Desde o título até a descrição da cena em si, o leitor pensa que uma situação romântica vai se desenrolar. No entanto, quando os diálogos começam, percebemos o quão equivocada foi a nossa percepção. De forma genial, usando como pano de fundo uma situação cotidiana ao alcance de todos os leitores, o narrador nos mostra como as aparências nem sempre enganam, mas os nossos pensamentos, sim!

O constrangimento do garoto é extramamente compreensível. Acredito que o ser humano que utiliza os meios de transporte está propenso a passar vergonha, seja em qual escala for. Achei muito interessante você ter juntado todos esses elementos na construção do texto! Me surpreendeu demais!

Obrigada por compartilhar mais uma obra maravilhosa conosco!

Parabéns, mil vezes, Leo

P.S.: acabei de descobrir que fazemos aniversário no mesmo dia, aaaaaaa!

Postado 01/09/20 11:51

Caramba, me sinto honrado demais que seja uma das suas favoritas! Sério ♥♥♥. Dos que eu fiz, esse é um dos meus textos favoritos.

Sim!! É exatamente isso que eu quis abordar. E abordar numa situação que todos passem. As vezes, eu acabo escrevendo coisas que são tão de nicho que uma galera se afasta hehehe.

É impossível não passar vergonha no ônibus. Só que eu não podia me dar o luxo de não pegar mais igual o narrador hehehe. O pior é ter que encarar o mesmo povo todo dia depois de passar uma vergonha gigantesca.

Eu agradeço pelo seu ótimo comentário ♥♥♥.

Simmm! Nossa, que coincidência. Quando descobri, até quis te mandar mensagem para falar isso hehe. Acho que nunca conheci alguém que fizesse aniversário no mesmo dia que eu.

Postado 30/08/20 17:11

Eu fui ENGANADA!!!!

Sr. Leonardo, que modo mais magistral de enganar seus leitores hahaha

Pelo belo título e pelo andar da carruagem ao longo do texto, pensei que isso iria dar em uma doce história de amor!

O modo como ele descreveu a moça, a aparente vergonha dela, o clima, tudo! Tudo indicava que estava rolando a maior química de crushs de ônibus...

E nesse sentido pensei que "a promessa" seria de que eles voltariam a se encontrar KKKKKKKKKKKKKKKK fui totalmente tapeada, rsrsrsrs

Como sempre, seu modo de escrever está impecável, e eu amei o início com aquela imagem tão bela sobre a luz e a poeira no vidro! Foi lindo!!

Parabéns, Leonrardo <3

Um enorme abraço <3

Postado 30/08/20 18:09

Ah há! hehehehehe.

Isso que eu queria fazer. Descrever o mais fofinho possível, com toda a pompa do romance, e daí quebrar a expectativa no fim. Louco que "A promessa" dá a entender que é meio mágico/romântico kkkkkkkkkkkk

Poxa, muito obrigado <3<3<3. E nossa, eu fiquei muito tempo nessa cena kkkkkkkk então não sabe o quanto me alegra que tenha gostado.

Um abraço gigantesco pra você <3<3<3 Agradeço muito pelo seu comentário.

Postado 07/09/20 17:20

Muito muito muito!!! HAHAHAHHAAHHAH!!!

Começa muito fofo e romântico, rostinho cora e sorrisinho, o maior clima de borboletas e friozinho no bucho. Aí o clima é quebrado por descobrimos que é totalmente unilateral!! E invenção da cabeça do protagonista!!

Muito bem construido e escrito de forma impecável! Parabéns!

Amei sua história, agradeço por compartilhar sua história.

Assinado alguém que consegue lugar no ônibus, <3

Postado 21/09/20 16:38

Que triste e engraçado ao mesmo tempo... Me enganou direitinho!

Ônibus lotado é complicado mesmo, sinceramente é uma experiência bem paulista da qual não tenho um pingo de saudades...

Muitas vezes viajei pendurada na porta torcendo prá que descesse logo alguém nos próximos pontos e eu pudesse sair daquele perigo!

Obrigada por compartilhar conosco!

Outras obras de Leonardo

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Romântico

Outras obras do gênero Sátira