Karina.
Alenz07
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 05/09/20 00:56
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 5
Comentários: 4
Total de Visualizações: 339
Usuários que Visualizaram: 13
Palavras: 651
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Capítulo Único Karina.

karina folheava casualmente um pequeno livro, sentada em sua canga, sem saber que atraia olhares masculinos.

Também o biquíni azulado e esverdeado com laços brancos combinava estupidamente com sua pele morena.

A tatuagem na costela esquerda em homenagem a mãe, era um charme a mais. Assim como o piercing em seu umbigo que deixava sua cintura mais acentuada.

Os homens passavam olhavam, alguns tentavam chamar, mas ela não se importava e continuava lendo, até que um. Maliciosamente jogou areia em sua canga, com os pés.

— Me desculpe. — ela ouvia um tom de voz cortês, e bastante, convidativo.

Karina não havia percebido a maldade, fechou o seu livro e respondeu: — Não tem problema.

Assim que se movimentou para tirar à areia da canga, vislumbrou um moreno recém iniciado na meia idade. Definitivamente bem distinto, dos caras que conhecia.

— Claro que tem. — ele insistia, limpando a canga. — Seu nome?

— Karina. — respondeu rindo enquanto levantava. Ao vê-la de pé, ele sorriu, fazendo a barba mover-se.

Karina por sua vez, embora desprovida de estatura, era dona de generosas coxas que sentada, passava despercebida.

— O seu nome? — era a vez dela de perguntar. Ele prestou-se de pé para ajudar a sacudir a canga.

Mas a verdade era que, gostou de olhar os olhos esmeraldas daquela jovem: — Hugo.

— Pelo menos você pede desculpas, quando joga areia. Tente pisar na areia e não afundar nela.

Ele ria com o conselho de Karina, enquanto a mesma voltava a sentar-se.

— Vou tentar. Está lendo, auto-ajuda? — Hugo perguntou folheando o livro.

— Não é bem isso, é uma historia bonita...

— Não como a dona do livro. — ele interrompia-a, com um sorriso no final. Era largo, os olhos de Hugo quase se fechavam, no entanto, ele não deixava de enxergar nadinha.

— O que é isso? — Ela perguntava tomando o livro para si. — Uma cantada usando o livro de auto-ajuda?

— Prefiro que veja como, um flerte.

Hugo rebatia indo embora com um aceno de mãos. Karina deu um meio sorriso, entretanto ao olhar para o chão, percebeu o celular do homem, largado em sua canga.

Ela pegou a canga novamente, dessa vez para amarrar em sua cintura e com o telefone em mãos, deu uma pequena corrida para chamar: — Hugo!

Ele a via oferecendo o telefone, seu movimento natural foi tentar achar o aparelho em seu próprio bolso, mas por fim, agradeceu com a cabeça.

— Será que eu posso pegar o número da minha heroína? — Hugo perguntava, vendo a garota sorrir.

Karina ficou nas pontas dos pés, apoiou-se nos ombros do novo amigo e respondeu, ao pé do ouvido dele: — Só dou se me pegar.

Depois disso, ela saiu correndo em direção a água e de canga e tudo, mergulhou, perfurando uma onda no processo.

Hugo não hesitou e também correu, quase repetindo o mesmo estilo de mergulho, quando voltou para a superfície, recebeu uma enxurrada de água salgada no rosto.

A culpa era da risonha Karina, que sem perceber tinha a cintura agarrada pelas mãos de Hugo, ela fez um movimento natural de laçar as costas dele com as suas pernas.

Apenas Hugo estava em pé, a água cobria até seu peito e a jovem flutuava até chegar meio palmo de distância.

Karina revirou os olhos ao tocar o volume do short de Hugo com o meio de suas pernas, que só estavam protegidas por seu biquíni.

— Você gosta? — ele perguntou vendo-a responder que sim com a cabeça e começar a boiar.

Hugo passou uma das mãos pelas costas da amiga e a trouxe para si, no entanto, graças a esse movimento ela ergueu-se um pouco e quando abaixou, foi como se sentasse.

— Nossa. — ele suspirava sentindo a pressão nas roupas. —Que maravilha.

Karina limitava-se a arfar e a mexer os quadris para se esfregar mais, todavia, de uma hora para a outra. Ela afastou-se.

— Chega. — a menina falava risonha. — Vou te dar meu telefone, se o seu ainda funcionar, depois de mergulhar.

❖❖❖
Apreciadores (5)
Comentários (4)
Comentário Favorito
Postado 07/09/20 16:06 Editado 07/09/20 16:08

SR. ALENZ!!!

QUE TEXTO MAIS MARAVILHOSO FOI ESSE???????

Mas você escreve essas cenas eróticas com toda a maestria do universo!! Os leitores podem se deleitar durante a leitura ao imaginar cada linha sendo real!!

Você é um autor muito bom nas cenas de ação e pancadaria, mas olha, vou te dizer que nas cenas calientes você consegue ser melhor ainda!! Esse seu texto foi estupendo demais <3

Muitíssimo obrigada por compartilhar essa história que fez o clima ficar quente aqui, rs.

Um grande abraço <3

P.S. olha o que o fogo no rabo não faz, o cara mergulhou de celular e tudo huahauhuhauhaa, sortuda mesmo foi a Karina hahahahahha

Postado 07/09/20 18:20

Eu gostei da piadinha no fim, mas escrever isso com familiares na sala, não é facil. Mas eu não vou ingressar nos hot não. Necessito de muito clima para isso.

Postado 08/09/20 00:07

Seu textos me fez lembrar dos tempos de criança quando eu não fazia ideia do porque dos casais irem ao "fundo" haha!

Bem, além de sensual, achei muito romântico e refrescante seu texto. Pude imaginar claramente os persoagens de tão bem caracterizados em seus gestos e falas (alguns com partes do conto haha~).

Agradeço por compartilhar essa volta na praia (obra), parabéns! Ficou muito legal!

Assinado alguém que não deveria pisar na praia, <3

Postado 08/09/20 03:28

Sao 3 da manhã e eu vou pro pc escrever pq sonhei com a karina

Postado 08/09/20 13:58

Hmmmm que texto mais quente, que delícia, ui, adorei o modo como vc foi descrevendo tudo, muito bom viu, e a piada do final também foi bem engraçada kkkkkk, texto bom demais, parabéns *_*

Postado 22/10/20 11:05

Nada como começar o dia com uma leitura picante como esta... Suas descrições e narrativa fluiram de modo agradável e estimulante, deixando tudo bem natural e provocante...

Muito bom trabalho, Sr Alenz07!

Atenciosamente,

um ser que mergulharia no mar de fogo do Inferno para agarrar uma certa Imperatriz das Trevas, Diablair.