Novos heróis. (Em Andamento)
Alenz07
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 14/09/20 16:08
Editado: 22/10/20 13:32
Qtd. de Capítulos: 13
Cap. Postado: 16/10/20 23:55
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 4
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 433
[Texto Divulgado] "Dia 17...." Dia 17, dia tão comum, mas ainda sim tão especial... dia de reatar laços de sentir de novo.
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Novos heróis.
Capítulo 11 Confronto - parte 2

— Vai embora! — Isac ordenava levantando. — Estou esperando o prato principal!

— Olha para você, não aguenta nem a entrada! — Justiceira rebatia.

— Cala essa boca!

Isac ordenava evocando o poder em suas mãos e sem hesitar, fazendo um rombo no convés e posteriormente, a embarcação afundar.

O bandido ria, mas quando olhou para onde Justiceira estava, arregalou os olhos. Ela havia desaparecido

— Para onde ela foi?! — Isac procurava Justiceira, afobada-mente.

— Estou aqui. — ela chamava-o. — Bem aqui.

A heroína estava no píer com os dois braços cruzados e há cinco metros do bandido.

— Lutou bem, para alguém sem poderes!

Isac gritava e voava a meia altura do chão, para matar a mulher, no entanto, ela se esquivou ao se abaixar e em um movimento rápido, jogou o bandido contra o chão.

Catarina treina artes marciais desde muito cedo e por isso, foi capaz de usar o peso de seu adversário, contra ele mesmo. As costas de Isac beijam o chão.

Ela sentou sobre seu tórax e disse: — Acabou. — a heroína cobriu a boca do bandido com a mão direita enquanto enfiava uma agulha no pescoço dele, com a esquerda.

Isac tentou se desvencilhar, mas seu corpo desfaleceu tanto a ponto de ele, perder completamente os sentidos em dez segundos.

Justiceira ouvia inúmeras largas passadas em sua direção e quando se deu por si, estava cercada por marinheiros e policiais.

— Está presa por fazer justiça com as próprias mãos! — um deles ordenava dando a voz de prisão com arma em punho.

Nove pessoas cercavam a heroína, mas a tensão no ar era grande, Justiceira tinha uma recompensa de setenta milhões, viva ou morta e outra de trinta, por sua identidade.

— O alto comando militar está criando mutantes. — Catarina contava, com um dispositivo que deixava sua voz metálica.

Ela jogava fotos aos pés dos policiais, como se fossem cartas: — Esse que está aqui é apenas mais um de suas inúmeras experiências nefastas. Seu alvo era Vingador.

Todos hesitaram ao ouvir a mulher, até que ela continuou: — O mutante que escapou da base deles recentemente foi uma forma de testar o herói. Estão se armando.

— Eu poderia matar todos vocês, mas valemos mais vivos do que mortos. Aqui, peguem esse pendrive, tem toda a investigação detalhadamente.

Justiceira terminou levantando e calmamente indo embora, mal ela sabia, era que César arfava aliviado ao assistir tudo pela televisão de sua casa.

O jovem de nenhuma maneira se desvencilhou de seu avô e de Roberta.

— Estranho. — o idoso comentava. — Essa tal de Justiceira nunca aparece assim, age na surdina e o que será que houve com aquele outro herói? Dia de folga?

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Alenz07

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Aventura

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Cotidiano