Fortuna
Lucia
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 17/10/20 18:14
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 5min a 7min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 73
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 943
[Texto Divulgado] "Mais uma noite" "Cá estamos novamente, eu e os meus demônios, prontos para mais uma noite..."
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Notas de Cabeçalho

I'm bigger than my body

I'm colder than this home

I'm meaner than my demons

I'm bigger than these bones (Control - Halsey)

Capítulo Único Fortuna

As pernas tremiam em frente à grande mansão que ela foi obrigada a ir. Seu gato odiado ronronava aos seus pés. Era uma mentira.

Ele era mais um cúmplice.

Os sussurros convidativos imploravam para que ela desse mais um passo à frente, em direção a grande escadaria que marcaria o seu fim e a felicidade do maldito gato e das vozes.

Foram dezoito anos de tortura e aliciação, onde ela não sabia se eram alucinações, se o gato realmente existia ou se a brisa sobrenatural realmente a empurrava sempre que pisava em direção contrária à maldita mansão.

O orfanato não permitiria que ela morasse mais lá, era muito estranha. Muito "peculiar". As famílias que vinham vê-la, pareciam que viam cobras no lugar do cabelo preto escorrido, tal o horror. As crianças que moravam lá, tinham medo dela e ela sabia que não era infundado. Sussurros corriam por suas costas, implorando para que ela parasse algo que não estava fazendo.

"Por favor, pare. Você está me assustando"

Os sussurros de promessas e a brisa quase gentil a empurraram para a grande mansão. Seu primeiro passo nos degraus degradados, rangeu. O arrependimento pesava em seus ombros.

Seu gato miou, o desgraçado.

A voz prometia uma fortuna, longe de ser ouro. Prometia um lugar para pertencer. Foram dezoito anos de promessas que ela não deveria acatar, mas quando se viu completamente só, apenas com seu gato, as vozes e a brisa...

Ela não resistiu.

A porta rangeu alto quando foi aberta e o falso pertencer a atingiu como uma marreta. Seu gato já não estava mais ao seu lado, só a brisa que a empurrava para pisar através da soleira. Sabia que seria um caminho sem volta, mas que escolha havia mais? Eles arruinaram tudo desde o começo.

Os corredores escuros abrigavam os fantasmas - reais ou alucinações, ela não sabia. As sombras se mexiam incontrolavelmente, os monstros moravam com ela há muitos anos.

Ela não sentia vontade de explorar a mansão e as vozes a comandavam em direção a um único quarto, onde ela sabia que o desgraçado de seu gato esperava.

Escrito na porta entreaberta, com grandes garranchos, estava seu nome.

"Briena"

E como esperado, seu gato estava sentado na cama, aparentemente preparada para ela. O único quarto da mansão que estava limpo.

Deitou-se na cama entorpecida, arrependida de ter cedido às vozes, a brisa e ao gato que se aconchegava na curva de sua cintura.

- Eles estão vindo para mim, não é?

As lágrimas escorriam por seus olhos e os olhos dourados de seu gato a encaravam, com um brilho perigoso de conhecimento.

- Isso tudo só pode ser imaginação, não existe brisa, não existem vozes, você não deveria existir. Eu sou apenas alguém que deveria estar passando por um tratamento, certo?

O gato continuava a olha-la fixamente. Apoiou sua pata no peito esquerdo dela e uma chama abrasadora corroeu seu coração.

Seus olhos se fecharam e as costas arquearam, quase impossivelmente. Envolta de seu coração, as chamas consumiam e as extremidades de seu corpo estavam azuis devido a falta de calor.

Seu gato cravou as unhas mais profundamente e sibilou um cântico profano que apenas ela podia ouvir.

Seus ossos apertavam e expandiam de forma esporádica e a cada movimentação ela sentia que estava cedendo mais de sua sanidade e consciência para as vozes e o vazio que se aproximava.

Quando abriu os olhos, não conseguiu ver nada. O cântico do gato era ouvido ao fundo, junto com as vozes que cantavam em outra harmonia. Tudo estava fora de ritmo, apenas seu coração seguia as batidas dos dois cânticos.

Ela sentia, em seus ossos, que tudo mudaria. Eles foram reformados, ela sabia. Seu coração também não era mais o mesmo.

Um espelho apareceu em sua frente, apenas para a confirmação. Os cabelos pretos e escorridos continham manchas cinzas e se eletrizavam toda vez que ela mexia a cabeça. Sobre o peito esquerdo havia uma tatuagem que ela nem conseguia começar a entender o significado.

Seu punho foi direto para o espelho e o grito que ecoou pelo vazio parou todos os cânticos.

- Eu não sei que porra é essa, mas eu nunca quis isso. Eu odeio todos vocês!

Quando ela abriu os olhos novamente, para o quarto, o gato deitado em seu peito falou:

- Você não deveria ter medo, te oferecemos o que muitos desejam, você entenderá o que provem de ter-nos.

- Acha que me engana!? Vocês me controlam há dezoito anos, nada vai mudar.

- Briena, você está e sempre esteve no controle. Nós somos você... - o gato abaixou a cabeça, para olhar diretamente para ela. - Você é seu próprio monstro.

X

Briena sentiu as amarras apertarem seus pulsos. Sua cabeça se mexia de forma esporádica, as mechas cinzas se levantavam, como se quisessem atacar o próximo enfermeiro que entrasse.

O gato estava deitado no canto da sala e a encarava com uma mistura de nojo e paciência.

- Não aceitar o que vocês me oferecem não vai adiantar, não é? Você disse que fazia parte de mim.

- Você está certa, não aceitar algo que é parte de você só a fará se encaixar nos moldes que eles querem que você acredite. Nós somos você, Briena. Não aceitar isso é quebrar, para sempre, algo que não poderá ser concertado.

Seus olhos se fecharam e as amarras se soltaram.

X

Briena escreveu tudo o que seu gato ofereceu como seu grimório. Os monstros dormiam com ela, mas ela era seu próprio monstro pessoal.

- Como é seu nome?

O gato a olhou de forma desdenhosa e soltou um miado de nojo (ela ainda não conseguia entender como sabia diferenciar)

- Meu nome? Garota tola... Meu nome é Fortuna.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (3)
Postado 18/10/20 13:27

Lúcia...

Se antes eu estava lúcida, agora já nem sei mais quem sou! Que conto incrível! Me faz querer devagar por cada canto da mansão, habitar cada pelo na cabeça sabida e assustadora do Fortuna... Me faz querer abraçar Briena e dizer que tudo vai ficar bem...

Que visões magníficas este conto me proporcionou, todas dolorosas e assombrosas... Mas, magníficas, perfeitamente equilibradas entre o que é real ou não, assim como os monstros se tornam a garota, no conto, você faz o leitor se tornar ela também!

Me instiga a querer conhecer mais deste doce e sombrio mundo que ela habita, solitária com as vozes...

Como sempre, querida Lúcia, você me desperta energia, emoção e inspiração, ao findar a leitura de mais uma obra digna de ser filmada!

Obrigada por postá-la aqui, comecei meu domingo mais que bem!

Parabéns pela sua genialidade e por tamanha perfeição!

Postado 18/10/20 16:50

Essa obra tem a capacidade latente de despertar os sentimentos mais intensos, conflitantes e devastadores em nós, leitores. Ela é cirurgicamente construída e destrói o leitor com um enorme soco na cara. Essa protagonista é do tipo que queremos trazer para perto e dizer que vai ficar tudo bem...

Obrigada por essa obra incrível e bem escrita, que eu tive o prazer de ler antes de ser postada e reler agora!

Parabéns, Lucinalva ♥

Postado 21/10/20 23:02

Eu sempre acho que tudo isso é uma trama sinistra, protagonizada por esse gato. Tipo, ele armou tudo para deixar a protagonista pirada das ideias. É tudo uma obra do gato, com a finalidade de dominar o mundo. Uma pessoa de cada vez!

Tá, parei com a viagem. O seu texto é maravilhoso, Hyu. Combina super bem com a música.

Parabéns!

Outras obras de Lucia

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Fantasia

Outras obras do gênero Mistério

Outras obras do gênero Sobrenatural