Puta
Renato Franklyn
Tipo: Lírico
Postado: 15/12/20 20:53
Editado: 15/12/20 20:56
Gênero(s): Crítica Drama Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 2
Comentários: 0
Total de Visualizações: 150
Usuários que Visualizaram: 9
Palavras: 164
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Notas de Cabeçalho

POEMA - Puta

Capítulo Único Puta

A vida é puta

Mas não é uma puta normal

É um verso pré-escrito mentalmente

É uma frase moral e imoral

As palavras são putas

O pensamento é uma puta

Pois o desejo, a moralidade,

O medo de não ser normal

Tudo isso é coisa de puta.

Então, nascemos,

Dentre um rapaz e uma moça

Um ato carnal horrendo

Que é bonito apenas no pré

E sempre irracional no pós

Pois somos condicionados a isso

A Natureza é a nossa cafetina

O sexo, a carne e a ereção

É uma puta, somente.

"Temos que viver em sociedade"

Dizem, com uma verdade absoluta,

Os intelectuais (não preciso dizer, né?)

Com os seus livros escritos por um merda

Declamam ídolos em artigos científicos.

Aristóteles é puta.

Depois eu vou para Durkheim.

O francês pra mim é puta.

Schopenhauer estava correto,

estamos presos à moralidade,

intelectualidade e, senão estes,

às prisões físicas.

Mas para que pombas estou eu,

Um merdalhão universitário,

Citando uma puta?

Eu sou puta.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Renato Franklyn

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Reflexivo