Sentido
Shizu Devastir
Tipo: Lírico
Postado: 19/12/20 23:14
Editado: 06/02/21 15:11
Avaliação: 9.2
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 8
Comentários: 7
Total de Visualizações: 447
Usuários que Visualizaram: 12
Palavras: 427
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Sentido

Andei pensando,

No quanto faria diferença

Se tivesse usado aqueles pontos de ação

Em momentos convenientes

E é nestes devaneios que me perco

Em um céu azul marinho com cacos de vidro

Que cortam e fatiam minha alma

deixando pedaços por todos os lados

Sendo somente nesta rua de buracos infinitos,

Dos perdidos e reprimidos,

Que consigo ver!

O quanto insignificante é o pouco que deixo de mim em meus líricos,

Quanto idiota é da minha parte imaginar

Que nesses versos vou conseguir entender o que aconteceu comigo.

É só nestes momentos que percebo

Os levianos pontos de minha esperança

E a ignorância de minha inocência,

Mas eu paro e questiono-me de novo,

A trigésima vez somente hoje,

Por que?!

Guardo meu silêncio para chorar como uma criança mimada e insuportável que sou

Para no fim, pisar em falso caindo sem controle ao fundo dos meus pesadelos

Encontrando-me olhando nos olhos de meu anjo da morte

Que me sorri estranho, como quem diz:

"Lhe aguardo no momento certo"

Virando fumaça quando quero perguntar de tudo um pouco

E talvez entender o motivo de meu... viver

Quando volto aos arredores comuns de meu antro lar de monstros, nada mudou.

Eu continuo com minha escandalosa confusão,

Que você, leitor, pode não estar a entender o que lhe escrevo.

Mas essas são minhas verdadeiras metáforas

Que serão interpretadas de forma errônea por longos anos

Até que eu volte aos meus velhos escritos

E ao reler estes digo o que muitos pensaram só que não fizeram por pena ou falsa bondade:

"Que bosta!"

E vai ser neste momento de vergonha

Que vou lembra desta época calma de sons barulhentos e pensamentos alucinógenos

O quanto a vida diária era simples e aconchegante!

Eu andei pensando

Em milhares de ditados motivadores para os momentos de amargura,

Mas eu sinto que me encontro sempre aos pés do findado túmulo de meu amado

Um alguém que eu nunca conheci,

Mas sinto sua falta a cada noite de suspiros reprimidos e toques imaginários.

Toda vez uma viúva deixada de lá

Perante os afagos de seu marido

Agora falecido sem rosto, corpo ou sorriso...

Mas não importa o quanto pense

Em amor, morte, sentimentos, ações ou gritos

O simples fato de eu não quer me mover para o abismo central

Deixa-me em situações arrepiantes

Enquanto corro na direção oposta aos demais

Mergulhando de tempos em tempos em um cansaço grudento

E é lá, por mais incrível que pareça,

Aonde tenho as inspirações para continuar a escrever

Versos que só farão sentindo em meus miolos corroídos pelos vermes.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Sentido, talvez nenhum AHHAHAHH~

Apreciadores (8)
Comentários (7)
Comentário Favorito
Postado 22/01/22 20:46

Realmente, tem dias que estamos assim, sem rumo, sem meta, fugindo, procrastinando, se perdendo em devaneios...

E tudo bem, as vezes a alma precisa dessa pausa, pra fazer a faxina, colocar para fora a desordem e depois aos poucos ir iluminando a casa...

Faz parte e nessa desordem também pode haver arte! O sentido, quê importa?! O importante é sentir...

Obrigada por compartilhar conosco!

Postado 08/02/22 00:29

Seu comentário é tão poético que me deixou de boca aberta, dando-me mais sentido a minha obra, Monise, você é uma fada?

Eu amei o trocadilho do final hahahahah

Muito obrigado pelo comentário, me deixou imensamente feliz, ♥

Postado 20/12/20 00:54

Me fez muito mais sentido do que a senhorita imagina e minh'alma consideraria insenta de dor e pesar compartilhados, Guro-chan.

Bosta no fim e em suma sou eu, minha amiga. Creia-me. Não estas tuas linhas. Jamais. Não para mim.

Parabéns... E sinto muito, de todo o modo...

Atenciosamente,

Um ser que por muitas vezes sinceramente não vê de fato um sentido para a (prôópria) existência, Diablair.

Postado 10/02/21 17:31 Editado 10/02/21 17:47

É aconchegante saber que tenha se conectado aos versos e visto sentido nestes, me deixa feliz! Mas ao mesmo tempo triste por trazer sentimentos tristes tal como se de ser "bosta", de longe deveria pensar isto.

Oh~~ obrigado e agradeço por ler, <3

Atenciosamente, Shizu.

Postado 22/12/20 04:05

Ai você acaba me dando sentido para escrever, andei meio triste, pq tirei minhas historias do site, pois pretendo vender na Amazon, não sei se fiz bem, mas as "dúvidas" ecoavam em meu coração e esse texto maravilhoso é um alento, é por isso que eu amo uma vampirinha haha

Postado 10/02/21 17:34 Editado 10/02/21 17:47

Não fique triste siga com seu plano! Fico feliz em saber que está correndo atrás de teus desejos/sonhos! Desejo muita sorte e criatividade a você, :D

E ficou extremate alegre em saber que mimha obra te trouxe conforto e motivação!! <3

Agradeço o elogio e o comentário, <3

Atenciosamente, Shizu.

Postado 06/01/21 16:00

O impacto desses versos equivale a um soco na boca. É impossível ler e não se identificar. Conforme a leitura foi sendo feita, vi muito de mim nessas palavras e, por incrível que pareça, me senti super acolhida no meio dessa escuridão. Esse final me deixou sem ar, porque foi perfeito!

Obrigada por compartilhar conosco!

​Parabéns, Shizu ♥

Postado 10/02/21 17:38 Editado 10/02/21 17:47

Fico feliz em saber que se sentiu acolhida!! E tenha gostado do final, :D

Agradeço pelo comentário, me deixou feliz.

Atenciosamente, Shizu.

Postado 23/01/21 00:10

Identificação total com o seu texto... foi isso que senti durante a leitura.

Olhei a classificação livre, a caveira, o gênero comédia, e vim ler pensando encontrar algo para rir, mas saí da leitura chorando, isso sim, pois as frases são tão fortes, que entram na alma do leitor.

Principalmente do leitor que se sente um pedaço insignificamente de poeira cósmica carcomida pelo tempo, já em estado de decomposição...

Obrigada por me proporcionar essa leitura tão valiosa, Shizu <3

Abraços para a senhorita <3

Postado 10/02/21 17:46

Ficou muito emocionada em saber que se sentiu indentificada com a obra!

Espero que a troca da capa tenha dado um pouco mais de informação/identidade a obra AHAHA.

Aos leitores "já em estado de composição" espero que encontrem uma mensagem legal ao final do texto para reverterem a situação :D

Aahh~~ eu que agradeço seu comentário, me deixou alegre!

Atenciosamente, Shizu.

Postado 03/02/21 08:05 Editado 03/02/21 08:07

Talvez a mente humana seja de forma inerte condenada a sempre reviver os detalhes do passado, não é?

Alguns dizem que não passa de um mindset limitante ou algo assim, mas... prefiro acreditar que inerte é na verdade nossa vontade de fazer melhor, de dar mais, de ser mais. É um sentimento conflitante e tortuoso que não cessa, não se vai.

Mas, de alguma forma, é justo a agonia das ações que sim ou não poderiam ter sido "mais" que tanto refletem a progressão de seres ilimitados como cada um de nós, fadados a sempre crescer, evoluir.

Me apego a isso quando os fantasmas do passado insistem demais no tormento diario. Just... think about it, girl.

Postado 10/02/21 18:34

Acredito que sim, pois por mais que viva "o agora" em algum momento vai vir a pensar no que não foi... Só que muitas vezes não percebemos é que esse ato de pensar no passado possar ser muito mais frequente fique notamos! HAHA

Este é um excelente pensamento e esse conflituoso pensamento já houso assombrar minha mente, mas sempre preferi analisar aonde e como eu poderia tornar eventuais acontecimentos muito mais amenos/passificos/benéficos...

Obrigado pela dica, estarei pensando sobre quando eu vou a pensar no "terrível" passado AHHAHA

Agradeço seu comentário, me deixou feliz <3

Atenciosamente, Shizu.

Postado 22/01/22 20:46

Realmente, tem dias que estamos assim, sem rumo, sem meta, fugindo, procrastinando, se perdendo em devaneios...

E tudo bem, as vezes a alma precisa dessa pausa, pra fazer a faxina, colocar para fora a desordem e depois aos poucos ir iluminando a casa...

Faz parte e nessa desordem também pode haver arte! O sentido, quê importa?! O importante é sentir...

Obrigada por compartilhar conosco!

Outras obras de Shizu Devastir

Outras obras do gênero Comédia

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Poema