Cartas que nunca vou mandar - Ev. (Em Andamento)
Renato Franklyn
Usuários Acompanhando
Tipo: Antologia Poética
Postado: 25/06/21 09:34
Editado: 12/07/21 21:31
Gênero(s): Poema Romântico
Qtd. de Capítulos: 2
Cap. Postado: 25/06/21 09:34
Cap. Editado: 25/06/21 10:28
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 121
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 234
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Cartas que nunca vou mandar - Ev.
Notas de Cabeçalho

São coisas que eu realmente tenho vontade de escrever. Bem, não acho que seriam de bom tom hoje em dia (talvez, nem no passado). São clichês amorosos. Mas a intenção é justamente expôr a falta, ou a necessidade, que eu vejo que a sociedade tem em ser mais expressiva, mais melosa, melodramátrica. A falta do amor poético, do amor popular, do amor melódico, métrico, livre, escrito... Escrito. PRECISAMOS ESCREVER SOBRE ESSAS COISAS. E, MAIS AINDA: PRECISAMOS ACEITAR QUE ESSAS COISAS SÃO LEGAIS DE CERTO MODO.

Capítulo 1 Carta para Ev.

O que eu vi nos seus olhos

Eu vejo em todas as coisas

No azul benevolente do céu

E também no azul carnal dele.

Na terra vermelha e pura em que piso

E também na terra vermelha e nociva.

Mas também sempre vejo algo que chora

E é de uma imensidão de tristezas

E do mesmo jeito, eu vejo essa tristeza em tudo

E não posso deixar de dizer das horas felizes

Nessas horas, seu ohar me faz crer numa vida mais bela

Queria eu ter à vista, sempre, os seus olhos

Pois são neles que tenho os sonhos mais profundos e lúcidos de amor

Queria eu ter à vista, a todo o momento, seus olhos

Pois são eles que me fazem emaranhar a alma de ilusão...

Uma boa ilusão, daquelas que se tem quando se está apaixonado.

Seus olhos azuis me fazem fluir no imaginário

E me fazem querer chorar por não tê-los.

Seus olhos azuis, garota, me fazem querer clamar:

"Te amo! Te amo! Te amo!"

Mas também me fazem temer, daí me calo

E sinto no peito um suspiro profundo e vazio que não sai

Sufocando-me à medida em que te encontro

Porque não tenho os seus olhos azuis a me olhar

Não são espelhos, são janelas.

Você não me vê do mesmo jeito que eu te vejo.

PS.: está em versos porque, garota, você me faz querer escrever em versos.

❖❖❖
Apreciadores (3)
Comentários (2)
Postado 28/06/21 11:05

Amei o poema e a proposta!

Não acho que esteja meloso, muito pelo contrário...

Eu diria que está primoroso!

Não sei porquê mas me lembrou alguns versos de Fernando Pessoa...

Parabéns pela bela obra e já estou no aguardo dos próximos capítulos...

Postado 06/07/21 00:32

Uma pessoa essencialmente depressiva como eu, com certeza considera este poema um dos melhores, mais tocantes e verdadeiros que li nas últimas semanas, não me lembro a última vez que minha mente esteve sem vozeirões e tumultuos, não me recordo de um só dia ter tido paz em meu corpo, alma e mente, não me recordo ainda, dos motivos pelos quais sou assim, deve ser coisa de sangue... Deve ser DNA, mas Deus amado, quando ele chegou na minha vida, me senti exatamente como você descreveu e ainda me sinto.

Tem uma música que se chama Catalyst, da Anna Nalick, tem uma parte que diz " Você diz que o amor é simplesmente uma reação química, não posso dizer que concordo, pois a minha química fez de mim um lindo desastre, há amor em tudo que eu vejo".

É exatamente assim!

Nossa, acho que devaneei demais. Enfim, sua obra é formidável, muito, muito, muito obrigada por postá-la aqui!