Yin e Yang
Lady Lótus
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 01/08/21 21:54
Editado: 01/08/21 21:54
Gênero(s): Ação Crônica Fantasia
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 6min
Apreciadores: 4
Comentários: 2
Total de Visualizações: 228
Usuários que Visualizaram: 5
Palavras: 768
[Texto Divulgado] ""
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Mochi, mochi, chegando com mais um texto do OPMP.

Este mês o tema proposto era escolher um dos 7 pecados ou uma das 7 virtudes (ou um de cada) e escrever sobre.

Acho que irei fugir do tema com o texto abaixo, mas que “What else?”

Vamos falar um pouco sobre a AMBIÇÃO?

Espero que gostem e apreciem, sem moderação.

Capítulo Único Yin e Yang

Algumas histórias começam por: era uma vez, e muitos esperam que o final seja algo feliz e duradouro. Mas esta história não tem pontos totalmente felizes ou quiça duradouros, afinal existem poucas certezas na vida e a felicidade não é uma delas.

E é assim, com poucas certezas de um futuro que o rei, daquele país tão (tão) distante anuncia o nascimento de seus filhos, no mesmo dia, ao mesmo tempo, filhos de suas preciosas concubinas. Fazia frio e nevava, alguns dizem que nascer em noite de lua cheia é atrair um destino trágico, mas quem ousaria dizer isso para um pai que tinha em seus braços os primogênitos tão desejados para suceder a sua coroa?

Ninguém diria isso, mas a rainha sabia. Por isso pediu para ter sob sua tutela a guarda e educação das duas crianças, que os sucessores fossem criados sem favoritismo e por alguém da realeza, capaz de ensinar tudo o que precisassem para serem bem sucedidos. Mas conforme eles cresciam as diferenças se acentuaram, eles tinham personalidades totalmente opostas, eram como Yin e Yang e a rivalidade sempre fora constante e até incitada entre os irmãos.

Na juventude essas diferenças não importavam, mas quando o rei foi ficando mais velho e doente o povo passou a clamar pelo nome do sucessor, e é aqui que a nossa história propriamente acontece. Ambos eram fortes candidatos, eram bem queridos pelo povo e conselheiros, como ser justo na escolha de um nome?

Um tinha a personalidade mais contida e uma timidez que por vezes o fazia ficar à sombra do irmão, enquanto o outro era ousado e altivo. Mas se lembrem caro leitor, ambos tiveram a mesma educação, mesmos professores, mesmos ensinamentos, mesma mãe de criação, como poderiam ser opostos?

Mas eram.

O príncipe Yin, o nosso ousado e altivo pretendente era ambicioso e após certa idade passou a fazer e a jogar o jogo da sucessão pelos corredores do palácio. A ambição uma vez instalada no coração é como uma erva daninha que entrelaça as suas raízes no ser e conforme se deixa o tempo passar ela se instala sem possibilidade de ser arrancada mais, e sem volta era o momento que ele se encontrava.

Tal sentimento era tão potente em seu ser que não se importou em levantar a espada ao seu irmão Yang, o doce e medroso, mas não menos competente espadachim.

Yang buscava não se sobressair, afinal conhecia o coração e a ambição do seu adorado Yin, e temia aquele caminho obscuro, sabia que não poderia morrer por aquela espada, o reino e seu irmão dependiam de si, e mesmo com medo ele iria lutar pela sobrevivência de todos.

A neve cobria tudo novamente, como naquela noite de lua cheia que iniciaram a vida e seria numa noite fria de lua cheia que iriam trilhar o destino ao qual estavam destinados. As espadas reluziam e vibravam quando se encontravam, seus oponentes dançavam a melodia da morte, ambos tremiam, um pelo medo do futuro, o outro pela raiva que o consumia, e nenhum deles estava disposto a desistir apesar da incerteza do desfecho daquele confronto.

Banhados pela lua rodopiavam no ar, se encontravam e se repeliam com a mesma intensidade e força, nenhum dos lados iria desistir do objetivo, até que … o inevitável aconteceu e o vermelho manchou a neve branca.

— E fim da história, hora de dormir mocinho.

— Isso não é um final decente, o que aconteceu com os irmãos?

— Lógico que é um final bem decente, de onde você tirou isso, Luca, tu só tem sete anos!

— Você falou isso no filme do Aladdin.

— Eu me rendo, entendi o que você quer dizer.

— Então, qual dos irmãos ganhou a luta? Foi o malvado Yin ou o bondoso Yang? Vai mãe, me conta, conta, conta.

— Ahh tá bom, tá bom… eu conto melhor.

— Eba!!!!!

— Na verdade eu não contei que o Yin era malvado e nem que o Yang era bondoso.

— Não???

— Não, e nessa luta não tem vencedor ou perdedor, é uma luta constante com quem nós somos com quem nós desejamos ser. Uma luta conosco mesmo entre os nossos mais obscuros desejos e nossa consciência do que é certo.

— Ahh? Ainda não entendi, quem ganha?

— Aquele lado que você fortalecer mais, lembre de sempre lutar pelo que é certo meu filho, tudo bem.

— Tudo bem mamãe, mas essa história não é boa, amanhã eu escolho o que você vai contar, está bem?

— Combinado campeão, durma com os anjos.

Talvez a história pode ter um novo recomeço ou um final melhor, não é mesmo?

Depende do lado que você escolher.

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (2)
Postado 02/08/21 12:47

ai ai, esse chamado pra evolução <3

Postado 08/08/21 19:53

Simmm, Obrigada Jadi

Postado 15/08/21 20:12

Eu só fiquei igual o Luca, querendo a continuação da história ;-;

Mas a continuação tem que ser em um dorama, por favor!

Brincadeiras a parte, é um ótimo ensinamento, de que ganhará a parte que fortalecermos mais...

Ótimo texto <3

Postado 31/08/21 21:55

Ohh Mei, obrigada pelo carinho e pelo comentário. Quem será que vai topar produzir esse doraminha hein????? kkkkkkkkk

Outras obras de Lady Lótus

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Fantasia