Afronesia (Em Andamento)
Yvi
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 18/10/21 01:56
Editado: 21/10/21 23:21
Gênero(s): Drama Fantasia Mistério
Qtd. de Capítulos: 4
Cap. Postado: 18/10/21 01:56
Cap. Editado: 18/10/21 02:03
Avaliação: 9.78
Tempo de Leitura: 7min a 9min
Apreciadores: 5
Comentários: 5
Total de Visualizações: 280
Usuários que Visualizaram: 13
Palavras: 1184
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Afronesia

Esta obra participou do Evento Academia de Ouro 2021, indicada na categoria Mistério.
Para saber mais sobre o Evento e os ganhadores, acesse o tópico de Resultados.

Uma Imperatriz do Massacre

A sala era modesta, apenas duas poltronas de couro preto, separadas por uma luminária desnecessariamente grande, um tapete branco fofinho e alguns poucos quadros abstratos espalhados pelas paredes. A única janela ficava no sentido oposto da porta de pinho de riga, mas a paisagem era tão desinteressante quanto a dos quadros. Do lado de fora, apenas um mar desértico de grama mal cortada e semimorta.

Em uma das poltronas estava uma mulher de cabelos curtos e loiros, mastigando a tampa de uma caneta com sua boca pintada de vermelho. Seus olhos cor de mel vagavam pela caderneta de folhas encardidas, estava intrigada com o que lia. Antes que pudesse trocar de página, a porta atrás de si se abriu e dela vieram dois homens altos e fortes, vestidos de brando, e uma pequena mulher, que usava um lindo vestido ciano, de alça e decote em v. A jovem de cabelos esverdeados sentou-se na poltrona vazia e observou enquanto seus acompanhantes deixavam a sala, trancando a porta e deixando as duas completamente sozinhas ali.

— Meu nome é Liv, e eu vou só te fazer algumas perguntas, todo bem? — Falou, trocando a caderneta por uma prancheta de acrílico.

— Tudo bem, não é como se eu tivesse alguma outra coisa para fazer.

— Você poderia me dizer o seu nome?

— Imperatriz, Imperatriz do Massacre. É assim que todos me chamam no inferno e em algumas outras dimensões.

— Mas você possui outro nome, certo?

— As fadas me conhece como Yvi. — Fez uma pequena pausa, colocando a mão no queixo. — Flávia. É, alguns ainda me chamam assim, mas eu prefiro ser chamada de Imperatriz, okay?

— Claro, sem problemas.

— Obrigada.

— Poderia me contar um pouco sobre você?

— Só o meu nome não é suficiente para você saber quem eu sou? Não fez o dever de casa, senhorita Liv?

— É claro que eu fiz, mas gostaria de ouvir da própria lenda viva.

— Se insiste.

Imperatriz endireitou-se na poltrona, buscando a posição mais confortável que conseguisse encontrar, parando apenas quando estava com as pernas dobradas em cima do estofado. Liv apenas observou em silêncio, sem anotar nada.

— Eu sou e não sou, sabe? Nasci do caos e me torneio o vazio. No início não foi fácil, mas depois que o tio Diab me encontrou, eu comecei a entender mais do mundo e me tornei a melhor e mais insana criatura da noite.

A jovem ostentava um sorriso invejável, enquanto Liv permanecia séria, anotando tudo que julgava ser importante para sua “matéria”. Se tinha alguém que lhe intrigava, era a Imperatriz. Já havia ouvido várias histórias sobre os feitos grandiosos da primeira sobrinha do Diablair, mas aquela era a primeira vez que estava frente a frente com ela. Estava eufórica, mas não podia demonstrar, então concentrou-se ao máximo para absorver tudo.

— Tio Diab. Está falando do Diablair?

— Bom, aí depende de qual Diablair você se refere. Nós preferimos chamar ele de Tio Diab justamente para evitar confusões com o True, uma criaturinha muito perigosa, que já me deu muito trabalho. Quase morri por causa daquele infeliz, e olha que eu nem sou de morrer facilmente.

— Oh, desculpe a confusão. Mas, então, me conta um pouco sobre o teu tio.

— Ah, o tio Diab é a melhor criatura que já habitou o inferno. Nem a Deusa, maldita seja!, consegue superar o meu tio. Ele é o atual líder das Hordas Infernais e comanda o inferno com garras de ouro.

— Ouro? Não seriam de ferro?

— Algumas criaturas não podem com ferro, então eu preferi adaptar.

— Certo, continue, por favor.

— O tio cuidou de mim a pedido da deusa. Ele me treinou, me ajudou com os meus planos divertidos e até me deu alguns bichinhos de estimação. Quando ele não é o True, é uma ótima criatura.

Liv anotou cada detalhe. Seus olhos brilhavam a cada nova informação obtida. Ela precisou pedir uma breve pausa para a Imperatriz, afim de conseguir mais papel para sua prancheta, pois tinha medo deles acabarem em algum momento importante da entrevista. Depois que um de seus ajudantes trouxe o papel, Liv arrumou sua jaqueta branca e voltou a falar com a Imperatriz, que parecia perdida em pensamentos, enquanto olhava fixamente para um dos quadros da parede.

— Gosta do que vê?

— Não. Me lembra a grande guerra. É perturbador.

— Posso pedir para tirarem, se preferir.

— Não, pode deixar aí. É uma boa lembrança.

— Bom, eu sei que você tem uma afilhada. Gostaria de me contar?

— Claro! O nome dela é Tortura e ela é a melhor afilhada que alguém poderia ter. Eu e ela formamos uma dupla perfeita, até no escuro. Imagine só, certa vez enganamos o próprio Narciso.

— E como foi isso?

— Fingimos cegueira, capturamos e matamos. Acabamos levando o corpo para a mansão e, bem, o estrago aconteceu. Acredita que aquela alma do capeta destruiu toda nossa casa? Pelo menos eu tinha pacto com fadas e elas salvaram a minha coleção de olhos.

— Coleção de olhos? Dessa eu não sabia.

— É minha marca registrada, Liv. Eu guardo os olhos de todos os que mato. Durante a grande guerra, consegui até mesmo olho de ciclope. Foi um dia épico.

Imperatriz voltou seu olhar mais uma vez para o quadro a sua frente, nostálgica. Lembrava, com detalhes, como tudo tinha acontecido durante a guerra, como ela ergueu seu domínio e subjugou todas as criaturas da noite que foram ao seu encontro, como ela foi possuída pelo duende....

— Aquele maldito!

Liv percebeu uma mudança abrupta no comportamento de sua entrevistada. Ela conseguia sentir uma fúria emanar da jovem que estava sentada a sua frente e sabia que poderia ser perigoso, mas queria ver até onde a história poderia ir, então lançou todas as suas fichas no incerto.

— Está falando sobre o Duende?

— De quem mais poderia ser, sua burra? Ele quase matou toda a minha família! ELE QUASE ME FEZ MATAR ELES.

Imperatriz deu um pulo da cadeira e avançou no pescoço de Liv, que não teve como evitar o golpe.

— Está assustada? Só com isso? NÃO É NADA, PERTO DO QUE AQUELE MALDITO ME OBRIGOU A FAZER.

Liv estava assustada, mas ainda assim não pediu ajuda, apenas manteve a calma e olhou bem no fundo dos olhos da Imperatriz, buscando algum motivo para justificar os atos violentos.

—Você pretende tirar o meu sangue também, não? Você me trouxe aqui para me controlar e me fazer matar a minha família? Eu sinto em te informar, mas isso não é mais possível! EU NUNCA MAIS VOU SER CONTROLADA POR NINGUÉM!

Imperatriz apertou com mais força o pescoço de Liv, forçando a cabeça da loira contra o estofado da poltrona. Sem muitas opções restantes, Liv acionou um pequeno botão que ficava na lateral do braço da sua poltrona e logo em seguida dois enfermeiros invadiram a sala, separaram as duas e sedaram a paciente.

— Fascinante! — Liv disse, eufórica, passando a mão no pescoço.

— Como pode dizer algo assim depois de quase ter morrido?

— Ela ficou tão louca quanto os pacientes que trata, Rainar.

Os enfermeiros colocaram a falsa Imperatriz em uma cadeira de rodas e saíram da sala, deixando Liv e sua fascinação para trás.

❖❖❖
Apreciadores (5)
Comentários (5)
Comentário Favorito
Postado 02/07/22 20:05

Antes de mais nada, mil perdões pela demora. Para ser bem sincero, eu quase desisti de tudo envolvendo não só a AC (principalmente) como textos em geral. Mas, promessas são dívidas, então... Cá estamos.

Eu me recordo de haver comentado sobre esta obra com a senhorita em off, todavia se faz necessário deixar publicamente registrado o quanto a proposta e a narrativa desta obra me surpreenderam e me cativaram, é uma abordagem interessantíssima da/sobre a Família Infernal! E se tudo fosse apenas um delírio coletivo e conectado entre todos os indivíduos envolvidos? Algo de errado não está certo e eu vou adorar descobrir mais e mais a cada nova postagem (felizmente há mais)!

Um adendo/agradecimento pelo modo afetuoso com o qual descreveu o Tio Diab, bem como o respeito pelo advento envolvendo o True... Acredite, significou muito para mim...

Meus mais sinceros parabéns por esta obra já nascida prima, Srta Yvi! Tenho imensas expectativas quanto ao desenrolar dela e com certeza a lerei com muito prazer!

Atenciosamente,

Um ser que foi enforcado ano passado até além do limite, Diablair.

Postado 16/07/22 21:03

2025 tu descobre o fim disso aqui! kkkkkkkkkkkkkkkk

Acredite e confie!

Tá, parei!

Muito obrigada! <3

Postado 18/10/21 15:18

Não é Halloween se não tiver a Imperatriz do Massacre! Que história incrível Ivy, muito obrigada por compartilhar ela aqui! Parabéns por mais uma obra de arte do massacre ❤️

Postado 18/10/21 20:20

Muito obrigada! <3

Postado 26/10/21 21:22

Cara, essa obra pretende ser o maior surto coletivo da história (talvez não tanto quanto aquela obra que você sabe, mas que só existe na nossa cabeça).

A Imperatriz é uma personagem intrigante demais para não ser analisada. Gostaria que houvesse sangue no final? Sim, mas percebo que Liv é tão louca quanto toda a família Infernal.

Obrigada por compartilhar conosco.

Parabéns, Flavinha ♥

Postado 26/10/21 22:39

Todos somos loucos! E é isso! kkkkkkkkkkkkkk

Obrigada! <3

Postado 26/10/21 22:55

Quando a Brina me contou dessa insanidade, vim correndo ver.

A família Infernal sendo "tratada" por alguém tão louca quanto eles... Fascinante.

Congrats, Flávia!!!

Postado 27/10/21 02:27

Agora o mundo acaba! Blake, Philip, Jake comentando um texto meu... Socorroooo! kkkkkkkkkkkkkkkkkk

Obrigada! <3

Postado 03/11/21 00:41

parafraseando o meme do Leonardo DiCaprio "o título teve minha curiosidade, agora o final do capítulo despertou minha atenção". Estou tentando ser mais presente no site e já encontrei uma narrativa fluente no primeiro texto e um ótimo gancho para um próximo capítulo. muito bom!

só uma pergunta, a história tem elementos de fanfic? percebi nomes conhecidos.

Postado 03/11/21 20:02

Muito obrigada! <3

Não. Os nomes foram escolhidos ao acaso, mas, parando para pensar, realmente parece kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk.