É cada ins'piração'...
Monise
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 22/01/22 19:11
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 2min a 3min
Apreciadores: 3
Comentários: 1
Total de Visualizações: 129
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 375
[Texto Divulgado] "Luna Nostra" Um trilionário terráqueo visita velhos amigos de outro mundo em busca de socorro.
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Aos amantes de miojo, meus sentimentos, mas detesto... Prefiro ficar com fome. Cada um com suas preferências... Rsrs

Capítulo Único É cada ins'piração'...

Lá estava eu, era uma noite chuvosa e escura como breu, o vento fazia estranhos barulhos pela janela e aquela fome!

Havia chegado tarde da viagem, exaustivas horas naquele ônibus lotado e mal podendo conter os estranhos sons que meu estômago teimava em produzir no seu showzinho particular...

Mas finalmente iria dar um jeito nesse ser.

Me dirigi a geladeira... Nada! O leite nem quis sair da caixinha... Lixeira... Fazer o quê?!

Fui ao armário, situação ainda pior...

Açúcar, temperos diversos, feijão (levaria um século para cozinhar) e lá estava ele, filho único naquele armário vazio, sombrio... Bem naquele cantinho escuro, sobra do final de semana com os sobrinhos...

Estendi a mão na direção dele, um raio riscou o céu e um enorme trovão tremeu as vidraças! Mau presságio, sem dúvida, mas o estômago teimava em entoar forte a sua ode...

Coloquei água na panela, mas minha mente martelava: "Não acredito que terei de comer isso!!! Desgosto..."

O estômago já estava cantando uma ópera, mas minha razão me condenava impiedosamente...

O cheiro característico da água me indicou que era hora de deixar o drama e as divagações e proceder ao próximo passo...

Abri a embalagem, coloridinha, graciosa até, com os personagens da turma da Mônica para seduzir pequenas criancinhas...

A água saltava, borbulhando loucamente, quebreio-o em quatro partes e coloquei na panela, seu odor foi subindo e me lembrando da infância, quando ele tinha status real ao invés da "persona no grata" de hoje, entretanto naquela época já não o aceitava tal qual era!

O saquinho prateado sempre encontrava o rumo da lixeira e em seu lugar iam cebola, tomate e cenoura raladinhas e para completar sal e pimenta e um molhinho de tomate; até que não era tão terrível assim...

Mas hoje, para meu terror, nada de legumes, somente o saquinho... Ai, ai...

Misturei o tempero mortal, despejei o conteúdo da panela no prato e me sentei.

Primeira garfada, mal conseguia acreditar naquele martírio...

Soprei uma, duas... dez vezes e levei aquilo a boca... cruel, meu estômago doía; mas aquela textura e aquele sabor me enjoavam numa intensidade que quase "chamei o Juca"...

Por fim desisti, joguei aquilo na pia e fui dormir, para mim melhor dormir com fome do que enfrentar um miojo!

❖❖❖
Notas de Rodapé

Para quem quiser ler direto no Facebook, segue o link...

https://www.facebook.com/mocaepoesiaoficial/posts/4706844259405745/

Apreciadores (3)
Comentários (1)
Postado 07/02/22 15:13

Meu Deus sashashaohsoahsoiahj o melhor e único texto anti-miojo que já li na vida, toda a cena de tortura é plausível, parabéns, dei muita risada e pude sentir todo asco através das palavras, talvez eu não coma mais miojo depois disso, oh não...

Outras obras de Monise

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Reflexivo