É ou não é, meu filho?
Shizu Devastir
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 28/03/22 22:07
Editado: 11/04/22 23:54
Gênero(s): Aventura Comédia
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 4
Comentários: 2
Total de Visualizações: 219
Usuários que Visualizaram: 6
Palavras: 523
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dez anos
Notas de Cabeçalho

Esse mês no projeto, Oneshot Per Month Project, o tema foi músicas nostálgicas. Eu acabei ficando com Billie Jean do Michael Jackson, não posso dizer que ficou incrível como a música, mas espero que possam rir um pouco com minha obra ♥

Capítulo Único É ou não é, meu filho?

A campainha tocava incansável, fazendo acordar no pulo e atender a porta, um homem de cabelos bagunçados e olhos semi-serrados.

—Olá, esse bebê é seu filho. Fique com ele hoje e eu nunca mais te perturbo — a mulher entregou a criança aos braços do pai e sumiu como um fantasma.

Seria aquilo uma piada? Um trote de final de ano? Alguma brincadeira sem graça?

O homem ficou ali parado por algum tempo, sem acreditar. Olhou o menino, olhou o corredor vazio, fechou a porta e volta a cama. Quando estava pegando no sono, pensou rindo: “Meu filho!? Quer me matar de rir?

— ... — engoliu seco. — Poderia ser mesmo meu filho? — levantou suando frio.

O bebê dormia no sofá da sala, tranquilo.

— Mas é muito feio, o menino — sussurrou baixo o dito pai do feinho.

***

Já na cozinha com os pensamentos ligados no 220V, esquentava o leite para o bebezinho: — Se eu fosse feio daquele jeito, nem duvidas teria a princípio — aquele meio sorriso foi sumindo de seu rosto ao ver o menino brincando quietinho. — Mas ela disse que eu sou o pai do monstrinho...

O dia passava corrido, balançando o bebê, ele resmungava franzido a testa: — Poderia ter se enganado?! Poderia...? — caminhou até o espelho. — É... Não somos parecidos! Claro que não é meu filho!!

Dançou, rindo com o pequeno menino. A criança achando tudo muito divertido, gargalhou de tudo aquilo.

— ... Você fica muito fofinho rindo assim-m — apertou a bochecha rosinha da criança.

***

Enquanto o bebê dormia ao seu lado, ligou a quem poderia lhe ajudar um pouco: —Alô, Mamãe? Eu era feio quando bebê?

— Oxi, meu Filho, toda mãe acha seu bebê bonito...

Aquilo não ajudou em nada, quem poderia dar uma resposta verídica? A mãe da criança tinha sumido como iria encontrá-la? Poderia nunca voltar. Se o menino era mesmo seu filho somente um teste poderia provar...

A campainha tocou, não era deliver.

— Olá, de novo, aonde está meu bebezinho? — era mulher daquela manhã.

— Ele está dormindo.

A estranha adentrou a casa e agarrou o menino, enchendo de beijos e carinhos.

— É mesmo meu filho? — lhe escapuliu.

Ela olhou séria e começou a rir: — Claro que não, vocês não são... nem um pouco parecidos. Tudo que eu precisava era de alguém para ficar com ele hoje, obrigada.

— Você deixou seu filho com um desconhecido?

— Desconhecido não, nós conhecemos das aulas de yoga e já dormimos juntos uma vez.

Dito isso, ela pegou a criança e foi embora, sem explicar mais nada ao “falso pai do dia”. Aquele dia estranho e angustiante deixou uma certa tristeza — “não teria sido tão ruim se o menino fosse meu filho” — pensou distraído.

***

Toda aquela história tinha mexido consigo, saiu para beber com os amigos.

Entre muito papo furado, alguém disse: — Vocês se lembram da Clarisse?

Todos assentiram, mesmo que não lembrassem quem era a mulher.

— Disse e insistiu que o menino era meu filho...

Até aqui essa história de filho teve que o seguir? — suspirou cansado.

— Se enganou, o menino não é meu — riu.

O homem enloqueceu, poderia aquela mulher também ter se enganado? Ela disse que não era seu filho, mas seria ruim se fosse...

❖❖❖
Apreciadores (4)
Comentários (2)
Comentário Favorito
Postado 18/04/22 11:17

O Chamado do Herói não poupa nem o pai mais solteiro, nem o solteiro menos pai do universo.

A maternidade e a paternidade são inócuas no espírito do hominídio saudável, e ai daquele que pensa não as ter gravadas na própria lápide não-ascentada.

Do Filho com mais Pais no Multiverso,

Sjow

Postado 29/04/22 21:49

De fato, eu acho muito triste pessoas que não desejam vivenciar a paternidade/maternidade. Ser pai ou mãe é experimentar a forma de amor mais pura, doar-se sem pedir nada em trocar.

Agradeço sua presença e comentário, Sjow.

Obrigada.

Postado 16/06/22 19:04

Que nenhuma mulher tenha o azar de engravidar de mim ou de acreditar que eu teria um bom coração, se bem que transpiro indiferença. Não serviria nem para tomar conta de um animal, seja este posse minha ou não.

Postado 29/06/22 12:29

Hahahahahahhahah!

Eu acho que é muito uma questão de vivência, as vezes pensamos que não servimos para algo e quando vê é algo super "fácil".

♥️