Esperança à tiro-peito
Renato Franklyn
Tipo: Lírico
Postado: 13/04/22 23:21
Editado: 13/04/22 23:23
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 36seg a 48seg
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 68
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 97
[Texto Divulgado] "Luna Nostra" Um trilionário terráqueo visita velhos amigos de outro mundo em busca de socorro.
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Esperança à tiro-peito

Sinto-me preso à queda

Que à tiro-peito me desce o soluço

Sou luto do que precede o nascer

Vida, que limite, posterga absoluto

Mordo o vento que me quebra o queixo

Sopro a saudade que me arranha a face

Sou teu, saber concreto que me aguarda

Venho do céu, lugar o qual me deixaste

E se acaso a dor que me espera for o silêncio

Prefiro agonizante permanecer em queda

Pois, se o fim é a ilusão de se viver

À tua espera, trago o perpétuo da morte

E finto o tortuoso caminho que hei de ter.

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de Renato Franklyn

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Fantasia

Outras obras do gênero Poema