Águas Profundas (Em Andamento)
Esfinge
Usuários Acompanhando
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 18/06/22 15:54
Editado: 19/06/22 21:22
Qtd. de Capítulos: 19
Cap. Postado: 18/06/22 17:39
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 9min a 12min
Apreciadores: 1
Comentários: 1
Total de Visualizações: 52
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 1465
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Águas Profundas
Capítulo 8 Capítulo 8

Na mansão, Rute montava guarda ao lado do irmão. Todo o ambiente estava saturado de feromônios e ela sentia o cheiro doce se espalhar. No lado de fora das grades, o número de alfas cresceu e eles olhavam para eles como lobos salivando.

−Que cheiro doce, eu não imaginava que uma puta daquelas bestas podia cheirar tão bem, minha virilha arde −Um deles disse colocando a mão na frente das calças num gesto obsceno.

Seu colega ao lado olhava para o ômega no chão sem piscar, prestes a perder o controle, mesmo sendo um guerreiro conhecido por disciplina. Ele chegou perto das grades e as segurou com força ofegante.

− Ei cara, fica frio.

Ele olhou para o carcereiro.

− Abra a porra da porta.

O carcereiro engoliu em seco.

− O líder deixou ordens para não tocarmos neles.

− Depois de Raiden e Katsuo, eu sou o terceiro em comando. Raiden me deve pôr todas as vezes que eu arrisquei minha vida por ele e eu sei muito bem que ele andou fudendo com aquele ômega.

Rute ofegou. "Eles estão falando de qual ômega?" Ela não podia sequer cogitar a ideia de que seu irmão tinha sido abusado daquela forma.

O homem foi até o carcereiro e arrancou as chaves da cela à força. Ele abriu a grade e Rute posicionou-se na frente de Rinne.

− Saia da minha frente! −Ele usou sua força para jogá-la na parede e ela caiu inconsciente com a força do impacto.

− Oye, Cael! Se controle cara. − Os outros homens correram para tentar segurá-lo, mas a força de cultivo dele era superior e logo sua energia fez todos serem jogados no chão, assim como um forte feromônio opressor.

Rinne olhava tudo do colchão sem poder fazer nada. Todo seu corpo estava sensível e sua cabeça estava zonza com o calor. Aquele cheiro o deixou com vontade de vomitar.

O alfa caminhou até ele o pegando no colo e saindo com ele para a rua. O vento bateu em Cael e ele sentiu sua razão voltar, mas agora era tarde, ele estava com o ômega em seus braços. Seu quarto ficava num pavilhão atrás da casa e por ser o terceiro em comando nenhum dos guardas o parou.

Chegando em sua habitação ele deixou Rinne em sua cama e começou a tirar suas próprias roupas para o horror de Rinne, que nesse momento tinha perdido todo pingo de coragem que tinha.

Ele sempre tivera o sonho de que sua primeira vez fosse com seu irmão mais velho, por mais remota que fosse a possibilidade, mas ele nunca imaginou que seria abusado dessa forma.

O alfa foi até o ômega tirando suas calças.

− Seu desgraçado! Me solte! − Rinne chutou sua cara com tudo que tinha, mas o homem nem se moveu, subindo em seu corpo.

Rinne o olhou com raiva, mas uma sombra negra no teto chamou sua atenção, o assustando com a súbita aparição. Cael sendo um caçador, também pressentiu o intruso sem nem precisar vê-lo.

− Mas o quê...− Antes que ele terminasse sua frase, seu pescoço foi atravessado por uma ponta negra. O sangue salpicou em Rinne o deixando paralisado. A coisa que atravessou o pescoço do homem foi usada para jogar o corpo agonizando no chão. O olhar de Rinne foi para a ponta afiada com sangue e em seguida para a criatura empoleirada. Ele tentou identificar o que seria aquilo, mas seu cérebro não conseguiu raciocinar "Um pássaro?" Mas a cauda que foi usada como arma não parecia ser feita de penas.

− Não me diga que você é... − A porta do quarto foi aberta com um chute e Rinne reconheceu o homem que levou Aydan arrastado.

−Que merda é essa!? − Ele viu o corpo no chão em uma poça de sangue e a besta negra no teto. − Homens!

Raiden puxou uma adaga e fez um selo de mão, fazendo a arma voar.

O pássaro usou a cauda longa mais uma vez para ricochetear a faca. Se transformando em uma sombra negra e escorrendo pela janela.

Os homens de Raiden chegaram na porta.

− É um pássaro-dragão do abismo, chamem reforços. − Raiden correu até a janela e pulou. Parte de seus homens os seguiram e o resto foram buscar reforços, deixando Rinne de boca aberta na mesma posição.

− Isso realmente aconteceu? − Ele não sabia se tudo aquilo foi um delírio coletivo.

− Rinne! − Aydan surgiu da porta e seus olhos caíram em Rinne sujo de sangue e um corpo no chão. −Pelos deuses.

Aydan foi até ele e examinou seu corpo, vendo que Rinne ainda estava vermelho pela febre e sem a calça.

-O que fizeram com você? O que aconteceu?

−E-Eu entrei no cio e esse alfa queria me estuprar. −A realidade bateu nele e ele caiu no choro abraçando Aydan.

−Tudo bem, ele está morto. Foi você que o matou? Eu ouvi gritos.

Rinne balançou a cabeça negando.

− Foi uma besta, eu não sei de onde ela veio.

−Uma besta mágica? Aqui? − Aydan não conseguia acreditar. Agora que ele sabia que essa era uma seita de caçadores, esse era o último lugar que ele imaginaria que uma besta viesse. Ele olhou para o cadáver nu e com um buraco no pescoço.

−Bom, pelo menos ela chegou na hora certa. −Aydan desejava que ela fizesse o mesmo com Raiden e os outros. −Vem, vamos voltar e trocar essas roupas.

Os dois voltaram e Rute estava sendo tratada pela mesma senhora que Aydan conheceu no outro dia.

− Aydan! Rinne! − Ela correu até eles os abraçando. −Está tudo bem com você? Rinne aquele maldito fez algo com você?

Aydan e Rinne contaram tudo que tinha acontecido naquela noite. A menina ômega voltou para cela junto com eles, mas ela estava inconsciente e Aydan sabia que era pela droga.

Rute não sabia com qual parte ficava mais preocupada, se com o plano dos caçadores ou com o ataque do alfa morto e a besta atacando a mansão.

− Esses desgraçados, então era para isso que fomos capturados. Eles irão atrair nossos companheiros para depois matá-los.

− Sim, eu vi tudo com meus próprios olhos e eles planejam nos matar assim que não tivermos utilidade. − Aydan confirmou.

− Mas se eles são caçadores, como essa besta entrou aqui? Elas não são seres irracionais. Impossível que ela não soubesse que eles são caçadores, ela se arriscou muito vindo aqui sozinha. − Rute falou pensando naquele ponto e olhou para Rinne que estava anormalmente quieto.

Os dois estranharam o silêncio de Rinne, normalmente ele estaria reclamando e xingando.

Rinne estava sentado um pouco longe deles com uma cara de bunda, ele ainda estava no cio, mas não estava se sentindo tão mal. Ele estava pensando na besta que viu e uma onda de indignação crescia. "Esse covarde! Fugindo daquele jeito sem me dizer uma palavra!"

− Rinne, será que ela era seu alfa? − Rute sabia como provocá-lo.

−E daí se for? −Rinne deu de ombros.

−Como "e daí?" Ele veio para salvar você. − Rute não entendia seu irmão.

− E depois fugiu sem nem olhar para trás. − Rinne deitou e virou as costas para eles.

− ...− Rute e Aydan o encararam com uma gota na cabeça.

− Claro, nem parecia que ele estava sendo perseguido por uma seita inteira...ele podia pelo menos ter te convidado para jantar. − Rute colocou a mão na testa. "Eu devo ter batido demais na cabeça dele"

−Aydan, eu queria saber. Aquele desgraçado fez alguma coisa com você? −Rute lembrou o que aquele alfa tinha dito.

Aydan engoliu em seco.

−Isso não importa.

−Como não importa?

−O que você disse, Rute? − Rinne se virou ao ouvir aquilo.

Antes dos dois começarem o interrogatório, um guarda chamou da porta.

−Aydan? O nosso mestre mandou levá-lo.

Aydan estremeceu. Sabia que Raiden o chamaria cedo ou tarde.

Rute o segurou pelas mangas.

−Aydan, por favor. Me diz que ele não fez aquilo com você.

− Eu já disse não importa, Rute! Estamos presos aqui a mercê deles. A única coisa que eu quero é ver vocês seguros! Vocês são a única família que eu tenho e eu já perdi nosso pai, não vou suportar se algo acontecer com vocês.

−Nós também não vamos suportar ver você sofrer. −Rinne gritou e tentou levantar, contudo, continuava tonto pelo cio

− Eu sou o mais velho e o mais forte, não é isso que vocês sempre me falam? Eu vou dar um jeito. −Aydan não quis falar mais nada na frente do guarda e soltou a mão da irmã de suas roupas, seguindo o guarda.

− Cuidem um do outro enquanto eu não estiver. − Ele saiu e seguiu o guarda.

❖❖❖
Notas de Rodapé

POR ESSA VCS NÃO ESPERAVAM! (づ ¯ ³ ¯) づ (Faz a dança do ragatanga)

um dia é o dia da caça, outro do caçador..E nosso primeiro alfa "assumido" chegou chegando!

*Pássaro-Dragão do abismo foi criado por minha pessoa :) no prox saberemos mais dele!

Bjus de purpurina ~☆

Apreciadores (1)
Comentários (1)
Postado 19/06/22 03:07

Ok. Eu fiquei os dois últimos capítulos sem comentar por que precisava terminar de devorar logo essa obra prima e entender tudo o que tá acontecendo.

C A C E T A D A. Só tenho isso a declarar, quero mais capítulos na minha mesa amanhã.

Meu deus, essas bestas cuidando de um filhotinho humano, agora essa aparição surpresa, minha nossa nossa nossa srta.Esfinge

Postado 19/06/22 19:41

Muito obrigada! ❤️ Fiquei muitíssimo feliz com os seus comentários. Seja bem-vinda nessa minha humilde criação. Sou nova nessa plataforma e postei uns capítulos para experimentar ☺️ atualmente essa história já tem os seus 50 capítulos e vou ir postando aos poucos.

Beijos de purpurina pro cê