As Presas Que Rasgam Minha Carne
Maycon Guedes
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 23/06/22 17:04
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 15min a 21min
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 79
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 2521
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Capítulo Único As Presas Que Rasgam Minha Carne

Samanta acelerou o passo no exato momento em que viu o portão do cemitério aberto. Ela não tinha outra escolha a não ser entrar naquele local macabro para fugir de seu agressor. Seu marido a perseguia ferozmente e, sabendo dos danos que sofreria, Samanta não hesitou em se esconder na escuridão daquele lugar fúnebre. Permeada pelo sono eterno dos mortos, sentindo o calafrio percorrendo todo o seu corpo marcado pela violência, a pobre vítima refletiu que, por mais assustador que aquele lugar demonstrava ser, não era mais assustador que a vida fora dali; era muito melhor estar entre os mortos naquela madrugada fria. Um grande jazigo velho de grades enferrujadas chamou a atenção de Samanta - ali seria o local de seu refúgio. Com facilidade ela abriu as grades, sentindo a ferrugem úmida grudar em suas mãos e, em silêncio e imóvel, ela se camuflou entre as velhas coroas de flores que estavam ali dentro.

O agressor parou bem próximo ao jazigo onde Samanta estava escondida, movendo sua cabeça para todos os lados à procura de sua esposa. Ele estava sedento por abusos físicos; praticá-los, deixava aquele ser desprezível com uma enorme sensação de poder - em êxtase profundo. Tristes lembranças se apoderaram da mente de Samanta naquele momento; todos os abusos que sofrera no passado - e os do momento presente - passavam como um filme em sua mente dilacerada, fazendo com que ela não pudesse segurar as lágrimas, desabando em um choro alto o suficiente que poderia ser ouvido do outro lado do cemitério. A gargalhada de seu marido era maléfica e demonstrava toda a euforia que ele sentiu ao encontrar o local onde ela estava escondida. Samanta, em estado de choque, apenas pôde observar seu marido tentando abrir aquelas grades, quando de repente, um vulto surgiu do nada e arremessou o algoz para longe do jazigo, fazendo com que ele batesse a cabeça vigorosamente em uma das lápides, deixando-o desacordado. Samanta agora tinha duas preocupações: seu marido e aquele ser obscuro.

O limitado brilho da Lua era suficiente para ela notar que aquele vulto era na verdade um homem, vestido de preto, de rosto muito pálido e lábios rubros. Aquele ser se aproximou do marido desfalecido de Samanta, e então, do bolso de seu sobretudo ele tirou uma bolsa de sangue. Samanta achou aquilo muito estranho e tentou inclinar seu corpo, buscando uma visão melhor para entender o que o homem de preto pretendia fazer com seu marido. Um barulho vindo do jazigo fez com que aquele homem, fugazmente, corresse para o esconderijo de Samanta e arrancasse, com apenas um braço, aquelas grades enferrujadas, encontrando a moça assustada, juntando os cacos do vaso de flores que ela tinha derrubado. “Por favor, não me mate!” — suplicou Samanta — “Por mais que eu tenha me sentido morta durante todos esses anos ao lado daquele homem, e que a vida que eu vivo hoje, que é uma vida que está acabando com a minha própria vida, eu sinto que as coisas vão melhorar. Eu acredito e preciso de uma segunda chance!”

Samanta segurou a mão gelada daquele homem assim que ele a estendeu para ajudá-la a se levantar. De forma impulsiva, ela o abraçou fortemente, como se jamais fosse soltar e começou a chorar. Sem saber o que fazer, o homem a conduziu até um túmulo de granito onde eles se sentaram para poder conversar. “Diga-me por quais problemas você está passando” — disse o homem demonstrando afeto, com seu timbre de voz rouco, porém, muito suave.

— Há muito o que dizer, mas se me permite resumir, sofro horrores nas mãos desse.. Carrasco!... É isso o que ele é — Samanta apontava furiosa o dedo para seu marido estirado no chão — Sofri por muitos anos, e eu não posso mais suportar esse tipo de horror em minha vida.

Samanta “abriu seu coração” para aquele estranho, aproveitando a única oportunidade que ela tinha de poder relatar para alguém os terríveis fatos de seu relacionamento abusivo. No túmulo onde eles estavam havia uma vela em chamas, iluminando a foto do falecido que estava enterrado ali. A iluminação da vela clareava muito bem os dois desconhecidos durante a conversa, fazendo com que Samanta pudesse acompanhar com clareza o olhar daquele homem que, minuciosamente, observava sua encantadora clavícula, seu ombro e seu pescoço; até mesmo a pequena tatuagem do Totoro que ela tinha escondida atrás da orelha ele pôde examinar, mantendo sempre seu olhar penetrante. Assim que ela concluiu sua história, tomada por curiosidade, não hesitou em perguntar: “Você é um vampiro?”

— Eu não acredito em vampiros. Eles só existem na literatura e no cinema, mas você não está totalmente errada; digamos que eu sofro uma maldição idêntica a de um vampiro.

— Você é ou não? — Ela perguntou novamente.

— Vou tentar explicar. Há mais ou menos trinta anos eu fui atacado por um ser indescritível. Naquela mesma noite eu acordei em um beco, sentindo uma fome imensa como eu nunca senti antes; a fome era tanta que revirei latas de lixo à procura de algo para saciar a fome. Um morador de rua despertou e reclamou do barulho que eu fazia, e em questão de segundos, sem entender muito bem o que estava acontecendo, eu me vi em cima daquele pobre homem, observando seu pescoço barbudo derramando muito sangue. Em seguida, senti gosto de sangue em minha boca; era um gosto horrível que foi se modificando e ficando cada vez mais agradável ao meu paladar. Minha fome cessou naquele instante. Senti-me extremamente satisfeito. O Sol começava a surgir, e o pouco daquela claridade que ainda estava se formando me incomodava muito, deixando-me desorientado, com a visão embaçada e a pele em estado de formigamento intenso. Sem pensar muito levantei a tampa de um bueiro e me escondi no esgoto, permanecendo ali até o próximo anoitecer. Como você pôde notar nesse meu relato, dá pra dizer que sou um vampiro, não é mesmo? Mas vou te explicar por quais motivos eu não me considero um: eu não posso voar, eu não me transformo em um morcego, eu não tenho presas pontiagudas, posso entrar em qualquer ambiente sem ser convidado, o alho e a cruz não me incomodam nem um pouco, não durmo durante o dia, na verdade, estou acordado há trinta anos sem nunca ter dormido durante todo esse período. Necessito de sangue humano para sobreviver, mas não sinto prazer em matar, é uma questão de sobrevivência. E por mais que o Sol me incomode, ainda não sei se ele é capaz de me fazer entrar em combustão. Consegue entender agora porque eu não me considero um vampiro?

— Eu continuo achando que você é! E mesmo assim eu não consigo sentir medo de você; sinto-me muito segura. É tão estranho. Eu sempre vivi isolada, sem muito contato com outras pessoas, e talvez esse seja o motivo de eu me sentir tão conectada a você, como se eu já te conhecesse há anos. Engraçado que, a pessoa mais estranha que eu já conheci em toda a minha vida é a pessoa em quem mais confio no momento, enquanto que a pessoa mais íntima que esteve ao meu lado durante anos é a pessoa que eu mais temo. — Havia algo naquele homem que tranquilizava Samanta, e ele era capaz de gerar muita atração nela.

— Não me estranha você não sentir medo de mim. Como eu disse anteriormente, eu não sinto prazer em matar, não sou uma ameaça.. Não mais… Aliás, posso te explicar por qual motivo eu tenho uma bolsa de sangue no meu bolso. Você vai achar tudo muito estranho, mas tudo bem. Depois de pegar bolsas de sangue do hospital da cidade, eu venho até o cemitério para exumar algum defunto recentemente enterrado; faço uma pequena abertura em seu pescoço, de tamanho suficientemente grande para que eu possa embutir a bolsa de sangue naquela abertura, sem fazer muito estrago, e então, eu cravo meus dentes no pescoço do falecido, até conseguir perfurar o plástico da bolsa, fazendo com que o sangue se espalhe por toda aquela região enquanto eu sugo todo aquele líquido, como se eu realmente estivesse bebendo o sangue do pescoço de alguém. A sensação de beber sangue humano é muito intensa e prazerosa, até mais do que um orgasmo, por isso vale a pena todo esse trabalho; melhor do que beber sangue diretamente de um plástico.

— Surpreende-me toda essa sua criatividade, mas devo dizer que isso é muito nojento.

O marido de Samanta continuava desacordado enquanto ela se envolvia em uma conversa intensa com aquele (vampiro?) Eles permaneceram cerca de oitenta minutos sentados naquele túmulo, falando sobre diversos assuntos, regados por muitos sorrisos, entusiasmo, conexão e… excitação. A cada minuto que passava eles se sentiam mais íntimos, e durante o bate papo, Samanta fez um pedido inusitado:

— Quero ser igual a você. Se você me mordesse, poderia…

— Não me peça uma coisa dessas. Já disse, não temos certeza de que sou um vampiro; eu poderia te matar. Nenhuma das pessoas que eu suguei o sangue se transformou.

— Você é um chupador de cadáver! É claro que eles não vão se transformar, estão mortos! E as pessoas que você matou no passado só não se transformaram porque você não deu seu sangue para elas beberem. É assim que se transforma alguém em vampiro.

— Dá pra você parar de achar que sou um vampiro?!

O clima começou a ficar tenso. Samanta apanhou um punhado de rosas que estavam dentro de um vaso de flores, e com os espinhos, começou a arranhar toda sua clavícula e pescoço, fazendo pequenas gotículas de sangue surgirem em sua pele, deixando o estranho homem afobado. Ele avançou para cima de Samanta, cedendo aos desejos da mulher, mas ainda assim, contendo-se para não mordê-la. Samanta se deitou no túmulo, trazendo consigo aquele homem junto ao seu corpo. Beijaram-se, acariciaram-se e começaram a se despir. Ela tirou o sobretudo do homem e em seguida começou a puxar sua camiseta; ele desabotoava com rapidez todos os botões da camisa xadrez de Samanta. Quando o homem viu toda a nudez da parte superior de seu corpo, desde seu umbigo, seios e até a clavícula com pequenas marcas vermelhas, causadas pelos arranhões dos espinhos, aquele homem aos poucos ia sentindo uma imensa vontade de provar o gosto de Samanta. Em questão de segundos eles estavam completamente nus em cima do túmulo, e o homem continuava bloqueando aquela vontade imensa de devorar sua jugular. Enfim, ele pôde sentir Samanta, deslizando com facilidade para dentro dela, apreciando seus tímidos gemidos, seu cheiro, todas as linhas que compunham seu corpo e admirando todos os seus detalhes, desde as pintinhas espalhadas em sua pele, até as estrias na lateral de suas coxas, onde ele deslizava suas mãos e se encantava com toda a naturalidade daquele corpo feminino. O único detalhe que ele não podia admirar, e que não era natural de seu corpo, eram os hematomas impostos por seu marido. Aquela era a primeira vez que Samanta se deitava com outro homem que não fosse o seu marido. Ela nunca teve nenhum outro tipo de experiência, e naquele momento se sentiu livre para poder explorar todas as suas fantasias, pois sempre precisou manter para si mesma os seus fetiches, por serem altamente obscenos e vulgares aos olhos do marido. Ela não era mais a submissa, ela podia comandar também aquele momento a dois, podia conduzir o ato e ficar por cima quando bem entendesse; os dois se entendiam e desfrutavam de todo aquele prazer compartilhado.

O sexo foi ficando cada vez mais intenso, fazendo com que os dois caíssem em uma cova de terra que estava ao lado do túmulo de granito. Continuaram o ato ali mesmo, sem nem se importar com a terra da cova que se espalhava para todos os lados. Samanta olhava fixamente para o homem e de vez em quando soltava um - “Morda-me”. Ela não iria ficar satisfeita enquanto ele não a mordesse. Era o que ela mais queria naquela noite. A lascívia daquele homem era tremenda e ele já não podia mais controlar seus instintos. Samanta foi mordida! O sangue escorria quente de seu pescoço indo de encontro com a terra frígida daquela cova. Ela não esperava que aquilo pudesse ser tão doloroso, e por um instante, quase se arrependeu. A sensação voluptuosa do homem amenizou e, voltando à sobriedade, ele afundou os dentes em seu próprio pulso, despejando todo o sangue nos lábios de Samanta. “Espero que isso dê certo”” — Disse o homem temendo o pior.

Samanta sentiu um mal-estar, uma sensação de morte, temia que o pior acontecesse. O homem entrou em desespero ao ouvir os berros de Samanta, que agonizava contorcendo seu corpo, espalhando a terra da cova e derrubando a cruz de ferro que nela estava cravada. Ele sabia que aqueles berros podiam não só acordar seu marido, mas também o coveiro Tavares que vivia ali mesmo, em um quartinho no meio do cemitério. Os gritos da mulher cessaram, e por alguns segundos, ela permaneceu imóvel, como se estivesse morta. Em menos de três minutos ela despertou. De joelhos em cima da cova, e com seu olhar voltado para seu marido que se encontrava um pouco mais a frente, ela comunicou o quão faminta estava, e apressadamente, deslocou-se até o corpo do marido, arrancando um pedaço caprichado de sua garganta, e enquanto o sangue do marido escorria de sua boca e ia deslizando até o meio de seus seios, ela permaneceu extasiada.

O vampiro (Agora podemos chamá-lo assim, pois está comprovado de que ele é um) cobriu o corpo nu de Samanta com seu sobretudo, e às pressas, tentou carregá-la para dentro de um túmulo aberto, pois o Sol estava prestes a nascer. Mas antes de se esconder do Sol, Samanta feriu seu próprio pulso e deixou o sangue escorrer, inundando a boca de seu marido com aquele líquido vermelho. Terminado isso, ela correu para junto de seu parceiro vampírico para dentro do túmulo, entrando por um buraco que havia no cimento.

— Você é maluca? Transformou seu marido em um de nós! — Disse o vampiro furioso.

— Escute bem o que vou te dizer. Vampiros são melancólicos e suas vidas não tem muito sentido. Mas, a nossa vida pode ter algum sentido; podemos vagar pela noite à procura de agressores, estupradores e qualquer um que se assemelhe a isso. Podemos livrar pessoas de todo esse mal, e assim, podemos nos alimentar deles; ou você prefere continuar sendo um chupador de cadáver?

— Eu abomino todo o mal praticado contra pessoas indefesas, e acho sua ideia muito interessante; realmente isso faria algum sentido em minha vida, ainda mais estando ao seu lado, mas o seu marido ficaria entre nós, pois você teve a brilhante ideia de transformá-lo em vampiro, e logo ele vai despertar.

De dentro do túmulo, Samanta observava seu marido agonizando entre as lápides, prestes a se transformar em um vampiro. Então, um enorme sorriso se formou no rosto dela. Samanta se virou e disse para o vampiro que também estava observando a transformação de seu marido: "Você tinha curiosidade em saber se seu corpo entraria em combustão com a luz do Sol, certo? Então… aprecie o espetáculo!"

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (1)
Postado 24/06/22 10:26 Editado 24/06/22 10:27

Um verdadeiro conto vampiresco com tudo que se tem direito, adorável.

Adorei as notas do narrador, muito divertida e um maravilhoso alívio cômico.

Fico pensando quem será que transformou ele? Tipo, foi tão horrível que ele não lembra? Que doideira.

Grata por compartilhar sua obra, adorei.

Assinado uma pequena vampira, ♥️

Postado 27/06/22 16:26

Obrigado! Fico feliz que tenha gostado :)

Outras obras de Maycon Guedes

Outras obras do gênero Erótico ou Adulto

Outras obras do gênero Mistério

Outras obras do gênero Reflexivo

Outras obras do gênero Romântico