O amor da minha alma (Em Andamento)
ThaiDragomir
Usuários Acompanhando Nenhum usuário acompanhando.
Tipo: Romance ou Novela
Postado: 09/01/23 01:44
Editado: 09/01/23 23:43
Qtd. de Capítulos: 2
Cap. Postado: 09/01/23 23:43
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 12min a 17min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 22
Usuários que Visualizaram: 1
Palavras: 2079
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
O amor da minha alma
Capítulo 2 Começo Complicado

Sarah adentrou em um enorme cômodo indicado pelo servo que Hades tinha designado para acompanhá-la, ficou um pouco surpresa, o quarto era enorme, não tinha pensado que o imperador do submundo iria dar-lhe um aposento digno de uma rainha, em tons frios podia-se ver uma enorme cama em frente a uma janela que ia do chão ao teto, uma cortina preta e branca cobrindo a janela, ao lado da cama uma enorme cômoda onde pode ver que tinha inúmeras joias e objetos femininos por cima, um sofá de um branco puro acrescentava um ar sofisticado ao recinto.

— Hades-sama disse-lhe que pode fazer as mudanças que quiser, precisa de algo senhorita? — o servo perguntou para si, com a negação ele faz uma reverência a deixando sozinha, estava encantada com o espaço não podia mentir, mas sentiu-se curiosa sobre os objetos femininos no local, correu os olhos pelo lugar tentando notar mais alguma estranha quando sentiu um arrepio pelo corpo, ao virar-se deu de cara com Hades que estava olhando-a com curiosidade.

— Parece que gostou do quarto — ele fala olhando-a intensamente ao observar ela afetada em sua presença.

— Esse é o quarto de alguma amante sua? — Sarah perguntou entre dentes

— Por que a pergunta? — ele pergunta divertido

— Pelos objetos femininos espalhados em todo espaço, não acredito que foi capaz de me colocar em um cômodo desse! — a bruxa fala furiosa para o deus que com graça chega perto de si para falar

— Então você está na categoria de amante? — a voz dele saiu extremamente rouca que a fez ficar arfante e ficando irritada com a situação ela retruca

— Como se eu fosse deitar-me com você! — a fala dela o fez aproximar ainda mais de si para falar baixo

— Este quarto foi feito para você, eu tomaria cuidado ao dirigir-se a mim, bruxa.

— Eu não tenho medo de você — Sarah fala o fazendo pegar pela mão a guiando por uma porta, curiosa o seguiu em silêncio, ficou encantada com o enorme closet que virá ali, convencido ele pega o seu queixo para fixar o olhar para si

— Vista-se o jantar irá começar — petulante a bruxa vira o rosto para o outro lado sentindo uma enorme raiva dele, no entanto, perguntou

— Quão longe é o alcance dessas correntes?

— Não poderá sair do submundo sem mim, aqui, no entanto, é livre para ir onde quiser, apenas saiba que eu saberei se tentar algo — o imperador do submundo fala dando-lhe as costas.

Apesar da fala dele ficou feliz em saber que não ficaria grudada a ele, tinha sentimentos incomuns por ele, o que a deixava extremamente nervosa, esquecendo-se disso entrou em outro cômodo com uma enorme banheira que mais parecia uma piscina, o lugar era todo com pedras negras dando um ar mais sombrio ao local, após um longo banho foi escolher a roupa para o bendito jantar, colocou um vestido roxo com o busto no tom de roxo mais claro com mangas da mesma cor, sentia-se uma rainha com ele, resolveu deixar os longos cabelos negros soltos, seguindo as orientações de um servo chegou a sala de jantar, em uma enorme mesa estava Hades esperando-lhe.

— Ficou magnífica — a fala dele foi dita com uma voz sensual, sentindo o corpo todo reagir a ele pergunta arrogante

— Imperador do submundo costuma ser assim com todas ou esse é um tratamento especial?

— Quer mesmo saber? — ele retruca olhando-a com intensidade o que a fez revirar os olhos de raiva

— Por quanto tempo ficarei aqui? — pergunta o fazendo olhar atentamente para ela, antes de responder

— É perigoso deixá-la livre, portanto ficará tempo indeterminado aqui — ele fala suavemente tomando sua taça de hidromel a olhando meticulosamente vendo que a bruxa ficava cada vez mais vermelha de raiva

— Não podem me matar, então resolveu deixar-me presa? — Sarah perguntou entre dentes furiosa fazendo com que a mesa voasse longe com seus poderes e olhando insolente ela pergunta

— Se eu resolver o matar? — sorrindo atrevido ele responde com uma pergunta

— Acha mesmo que pode me matar?

— Tenho plena certeza disso — ela responde convencida

— Se você quer lutar por sua liberdade eu aceito, mas saiba que mesmo que use todos seus poderes, não ganhará de mim.

— Se eu ganhar, terei a minha liberdade? — ela pergunta convencida o vendo assentir e ele retruca ousado

— No entanto, ficará para sempre no submundo se perder — a bruxa engole a seco a resposta do deus e ele sorriu presunçoso ao perguntar

— O que foi bruxa, está com medo de perder para mim?

— Vou fazer você sangrar — ela diz com raiva saindo da sala com extrema frustração pelas palavras do deus.

O imperador do submundo a viu sair e sentiu-se revigorado pelo embate que iriam travar, a colocaria no seu lugar, estava ansioso para isso, na verdade, não entendia, mas não queria que ela fosse embora e se numa batalha justa a fizesse ficar de bom grado ele agradecia, no entanto, o que ele tinha dito é a verdade, os deuses não podem contra os poderes dela, nem mesmo o deus da morte poderia levar sua alma, entretanto ele e Hécate podiam contra os poderes que ela possui, não a queria morta, mas queria que ela respeitasse ele como um deus, via o olhar de desprezo dela em sua direção, chamando um servo ordenou que fosse feito os arranjos na arena de valhalla, mandou que organizassem tudo para a manhã seguinte, pretendia acabar com aquilo rapidamente.

Sarah estava andando em círculos, carrancuda, como em nome de Hécate tinha tido a coragem de desafiar o deus do submundo, o próprio tifão tinha curvado-se para o deus, não estava com medo da morte afinal sabia que não podia morrer, no entanto, ela sabia que não teria chances contra ele, sua liberdade era algo que deveria esquecer, no entanto, não pretendia entregar-se facilmente a Hades, se ele achava que iria ganhar dela sem nem suar... ela faria ele provar seu próprio veneno, ouvindo uma batida na porta foi ansiosa atender quando se deparou com um dos servos de Hades.

— Meu senhor ordenou a luta para amanhã na arena de valhalla — ele disse essas palavras e a deixou ali encarando a parede como uma tonta, entrou no quarto decidida a fazê-lo pagar por sua arrogância.

Pediu que os servos trouxessem leite e o colocassem na banheira, fazendo uma prece a energia da lua cheia, misturando hortelã e rosas-vermelhas na banheira recitando encantamentos para fortalecer seu espírito, autoconfiança e poder de sedução, iria usar todas as armas disponíveis para si, ficou submersa na enorme banheira por horas, saindo quando já era perto da meia-noite, fez suas preces à deusa Hécate como sempre e foi deitar-se sentindo o corpo extremamente relaxado.

Com a chegada do amanhecer Sarah já se encontrava em pé, suspirando foi colocar sua roupa para a batalha contra o deus, um vestido preto com as laterais da coxa aparecendo, um cinto com ossos negros prendendo na cintura e com tecido indo até os pés, no meio do cinto uma pedra vermelha sangue, um rubi que servia para fortalecer, aumentar a vitalidade e abrir os caminhos para atingir as suas metas, fortalecer a motivação, mente, desperta o amor pela vida e da sensação de confiança, tudo que a bruxa precisava para o confronto com o deus. Armou a parte de cima do vestido com uma armação de pedras negras, pois tem a capacidade de lidar com as energias densas, servindo como proteção, suspirou ao pegar seu cetro quando uma batida suave fez presente, entrando após a autorização da bruxa no quarto entrou uma mulher com cabelo azul-escuro chegando até a cintura, pele pálida e os olhos de um verde-esmeralda penetrante, fazendo uma breve reverência ela apresentou-se

— Sou Brunilde a primeira das valquírias, fui mandada pela Hécate para acompanhá-la até a arena.

— Prazer em conhecê-la Brunilde — Sarah respondeu sorridente a valquíria

— Hécate disse-me sobre você, olhando-a agora consigo reconhecer sua alma, era uma das poucas deusas que lutava pela sobrevivência dos humanos— Brunilde fala gentilmente ocasionando em um sorriso no rosto da bruxa.

— Hécate mandou-lhe isto — Brunilde fala dando-lhe uma joia num tom intenso de violeta — Ela disse para colocar no seu cetro — fazendo o que a valquíria disse juntou com a joia do seu cetro e ele transformou-se em uma arma divina e sorrindo virou para a Brunilde para dizer

— Ela não quer se meter diretamente, no entanto, não queria deixar-me lutar contra um deus sem um trunfo — Assentindo a valquíria inclina a cabeça para a bruxa segui-la, sabia que por mais magias usasse era tremendamente injusto lutar contra as armas dos deuses, Hécate tinha-lhe devolvido sua arma divina que tivera na outra vida, isso iria equilibrar a luta que iria acontecer, estava ansiosa para saber a reação de Hades quando desse por conta desse fato, seguiu a valquíria até a arena de valhalla ficando surpresa por encontrar a casa cheia de deuses, olhando para valquíria perguntou em silêncio o motivo daquilo

— Hera soube da luta e quis mostrar para os deuses sua derrota — Brunilde responde suspirando e sorrindo Sarah retruca

— Eu devia ter desafiado ela a luta, se bem que seria um massacre contra deusa, pensando bem não é uma ideia ruim — Brunilde contenta-se a sorrir para a bruxa dando a entender gostar da ideia.

O rei do submundo acordara tremendamente bem, tinha sentido a corrente ligando com a bruxa dando um puxão, no entanto, permitiu que ela fosse até a arena sem ele, queria dar a ela mais liberdade, vestiu seu traje de batalha e pegou seu bidente dirigindo-se a arena, suspirou ao ver todo o alvoroço que ocorria ali, Hera foi recepcioná-lo pessoalmente, estava tremendamente sorridente.

— Hades querido consegui algo que irá gostar — ela diz chegando com um frasco com líquido negro nas mãos e ofereceu ao deus que arqueou as sobrancelhas em uma pergunta muda do que seria aquilo.

— Sei que não podemos matá-la, no entanto, esse veneno a deixará em um sono eterno, assim ela não será mais uma preocupação — a deusa fala alegre ocasionando em uma onda de fúria do deus.

— Não pretendo usar de truques Hera! Eu vou ganhar de maneira justa dela e se eu souber que usou isso nela, eu mesmo vou matar você! — Hades fala com raiva ocasionando em um olhar de medo da deusa para si, que saiu rapidamente do local pisando duro, suspirando ele mandou chamar seu irmão mais novo para comunicar o ocorrido.

— Hera está em posse de algo perigoso, melhor você cuidar disso antes que eu me meta nisso — Hades fala seriamente para Zeus que sua esposa estava em posse de um veneno letal, em resposta o irmão assente, após informar seu irmão foi em direção a arena para a luta.

— Estamos aqui para luta em julgamento da bruxa Sarah que desafiou os deuses, ela não pode ser morta, pois ao nascer a deusa Hécate abençoou sua a vida fazendo com que o deus da morte não pudesse tocá-la, os poderes dos deuses não são eficazes contra ela, fez com que a bruxa tivesse a imortalidade dos deuses, o único deus que pode enfrentá-la além de Hécate é o deus Hades, Sarah desafiou o deus em uma luta pela sua liberdade, se ela o vencer está livre, no entanto, se perder ficará pela eternidade no submundo, Hades como um deus benevolente aceitou o desafio — Heimdall anuncia com emoção o começo da luta.

— O imperador do submundo, Hades aquele cujo até os deuses temem dizer seu nome—Heimdall fala apontando para o lado esquerdo onde surgia o deus do submundo, com a entrada do deus os demais deuses urraram em sua direção.

— A bruxa a desafiar o deus do submundo, Sarah — Heimdall fala apontando para o lado direito onde surgia a bruxa em toda glória fazendo a plateia vaiar em sua direção, ela revira os olhos pelas atitudes dos deuses.

— As regras são as seguintes sem mortes, mesmo que o deus seja o único que possa enfrentar os poderes da bruxa, ela não pode morrer, a luta será dada até a desistência do oponente, no entanto, lutem para matar! — Heimdall fala animado ocasionando em um revirar de olhos da bruxa.

— Pode vir com tudo, bruxa — Hades fala para Sarah que sorri em sua direção cravando o seu cetro no chão mudando o ambiente da arena, expulsando para longe Heimdall a bruxa fez surgir no chão um círculo com várias runas aprisionando ela e o deus dentro de uma redoma encantada, diversas chamas negras circularam ao redor, olhando sorridente para o deus a bruxa diz com ousadia

— Agora podemos começar, Hades.

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!

Outras obras de ThaiDragomir

Outras obras do gênero Mistério

Outras obras do gênero Romântico

Outras obras do gênero Sobrenatural

Outras obras do gênero Terror ou Horror