Melanofobia
Zycrys
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 10/05/16 18:44
Gênero(s): Cotidiano
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 395
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 545
[Texto Divulgado] "O Livro da Sina" Histórias lindas que poderiam ter tido um fim mais amistoso, se o mês não fosse Outubro...
Não recomendado para menores de catorze anos
Notas de Cabeçalho

Escrevi este texto alguns anos atrás, foi o primeiro conto que escrevi na vida. Sei que, provavelmente, não está tão bom quanto poderia, mas não quero "corrigi-lo" pois sempre que o leio me faz lembrar da sensação que tive ao escrevê-lo pela primeira vez, aquele senso de novidade e realização. E aproveitando esta pequena-grande nota de cabeçalho, gostaria de dedicar este primeiro conto (e todos os que hão de vir) à minha amiga Lúcia, ela é minha coragem e minha inspiração.

Espero que gostem deste conto tanto quanto meu eu mais novo gostou de escrevê-lo.

Capítulo Único Melanofobia

Lá estava eu, um cara normal, voltando da academia com minha calça sem bolsos, camisa simples e tênis que deveriam ter sido trocados meses atrás, não sei se foi por preguiça ou por falta de interesse que não o fiz... mas isso não vem ao caso, voltando ao assunto, estava andando por um caminho que eu não conhecia muito bem, meu cansaço me obrigara a dormir no ônibus me fazendo parar três pontos depois do que eu deveria descer, sem mais dinheiro minha única opção era largar a preguiça e andar até em casa. Maldita seja a hora em que decidi ir à academia de noite, os postes de luz da rua estavam em sua maioria quebrados ou fracos demais para dar qualquer luz significativa, haviam só dois ou três funcionando um deles acima de um carro cuja cor não consegui identificar, alguma coisa entre vermelho e roxo, o outro um pouco mais longe me permitiu ver algo passando por ele, uma pessoa aparentemente inofensiva, alta, magra vestia uma bermuda e uma camisa mas por algum motivo fiquei apreensivo ao vê-la , não entendi exatamente o porquê mas depois percebi, ele era negro. Eu nunca tive qualquer problema com negros, tinha um ou dois conhecidos negros os quais nunca tratei diferente de qualquer outra pessoa, porém a televisão nos faz sempre ter a imagem de que o negro é o bandido, ver ele ali, chegando cada vez mais perto de mim, naquela rua escura e deserta me despertou um medo terrível, vejo-o vindo em minha direção na calçada imaginando todos os tipos de cenário, roubo, assassinato, estupro, todo tipo de crime imaginável, vi vultos negros se movendo pela rua — é só minha imaginação — pensei, — estou ficando paranóico —, continuei a andar e pensar nas mais terríveis coisas, mas sem a certeza se aquilo iria acontecer ou não, então me veio a ideia mais estúpida que já tive e que por algum motivo pareceu sensata na hora. Atravessar a rua. Se ele quisesse fazer alguma coisa, atravesaria também ai eu teria certeza e fugiria correndo como um desgraçado de um velocista, caso não apenas seguiria meu caminho, então o fiz, atravessei olhando discretamente para o lado espiando para ver se ele atravessava também, não o fez, fiquei aliviado por precaução me escondi atrás do carro cuja cor eu ainda não tinha descoberto, um ato estúpido eu sei, mas me fez sentir seguro quando o vi virar a esquina, tive certeza de minha segurança e na hora que me virei o destino me puniu por ser um desgraçado racista, ao que parece aquele vulto que vi mais cedo não era minha imaginação, era um cara correndo para se esconder atrás do carro, e mais ironicamente era um branco, ele apontou uma arma para mim e disse — Me dá tudo que você tem ai — eu lhe mostrei minha calça sem bolsos, meus sapatos vergonhosos e minha camisa que não tinha nada de especial ao que parece isso o deixou bastante nervoso pois no momento em que ele percebeu que não tinha nada para roubar-me o bastardo atirou em meu peito. Agora estou aqui, um espirito cuja entrada no céu não foi permitida porque a ultima coisa que pensei antes de morrer foi — Negro Filho da puta —. Maldito seja meu racismo.

❖❖❖
Notas de Rodapé

P.S.: Não sei escrever sinopses.

Apreciadores (2)
Comentários (1)
Postado 18/11/17 20:20

Antes de mais nada, quero salientar que sou negro. Logo, gostei bastante dessa obra pelo simples motivo da veracidade visceral que ela escancara. Vivemos em uma sociedade preconceituosa, apavorada e apavorante. Todos os seres humanos (creio eu), ao menos uma vez na vida fizeram um julgamento equivocado sem muita ou qualquer base que mais tarde se provou, no mínimo, equivocada.

Junta-se isso à era ultra-violenta, apática e destrutiva em que vivemos e temos o cenário perfeito para a paranóia e a ignorância, onde é cada um por si e "Deus" por... Ninguém.

Minha única ressalva é o formato de parágrafo único do texto, que gera um efeito negativamente cansativo à leitura e me é estetica e estruturalmente inviável. No mais, meus parabéns! Excelente crítica! Um verdadeiro murro na nossa cara, com toda a certeza!

Atenciosamente,

Um ser negro que não vai para o Céu nem f..., Diablair.

#ad01-082/188