Solidão
Azurisky
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 13/06/16 17:30
Editado: 18/06/16 22:54
Gênero(s): Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 5min
Apreciadores: 9
Comentários: 7
Total de Visualizações: 1127
Usuários que Visualizaram: 20
Palavras: 704
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Notas de Cabeçalho

Apenas um texto muito antigo que fez sucesso um tempo atrás.

Capítulo Único Solidão

Sinto-me preso, embora não haja correntes. O ar está rarefeito e meu corpo pesa. Vejo meus olhos vermelhos e o sofrimento continua. A felicidade momentânea que a droga proporcionou foi tão rápida que nem tive tempo de aproveitar. Após o primeiro gole, sinto o sabor da deliciosa bebida seguido da sensação de calor e agonia que o álcool presente em abundância proporciona. Brindo aos poucos momentos bons. Não vivo num deserto, mas me vejo sempre sozinho. Não vivo num hospício, mas me sinto e me pergunto se sou louco.

Talvez sim já que esse sofrimento eu mesmo quem causo. Egoísmo não é certo, mas de tanto chegar ao abismo resolvi me afundar em solidão e viver em meu próprio universo. Trancado em meu quarto eu continuo vivendo e sorrindo para os outros que não percebem que estou a ponto de explodir. Às vezes eu só quero que alguém diga: “Você está triste”. Trancado no quarto eu continuo olhá-los fingindo, não tão bem quanto eu, serem felizes. Observo-os fingindo se preocupar, observo-os dizer: “Eu te amo”, observo-os fingindo e fingindo.

Por que diabos os humanos mais fingem do que vivem? Continuo sobrevivendo e me questionando enquanto vejo a vida me levar. Me sinto um tronco sendo arrastado pela correnteza. Me sinto o próprio desperdício. Podemos observar bem, pois eu sou o exemplo vivo do que a tal religião azul diz: “O inferno é aqui”. Como posso continuar a suportar o peso desse objeto que carrego em meu anelar esquerdo?

O silêncio faz barulho. O silêncio perturba. O silêncio incomoda. O silêncio me permite ouvir o som das lágrimas caindo. Eu posso ouvir meu coração bater, meu sangue viajar pelo meu corpo, minha respiração arrastada, meus ossos rangendo, meus olhos piscando, engolindo a saliva... Esse silêncio maldito me deixa desocupado e com isso eu agonizo sempre que seguro um copo, quando aceno, quando escrevo... Ah! Por que eu nasci canhoto? Nem nisso essa maldita mulher me perdoa! Por que ela não me deixa esquecer? Eu não tive culpa! É verdade acredite em mim! Ela estava me traindo...

Ela fingia me amar, fingia cuidar de mim, fingia não se importar com nada além do nosso amor. Sinto que estou ficando louco! Eu vejo vultos, sombras e ouço vozes nesse momento. Eu estou ficando louco! Preciso correr! Preciso ouvir vozes! Preciso, necessito, exijo ver humanos. Eu quero me sentir vivo, mas essa solidão está me afogando!

Eu achava que eu suportaria viver estaticamente até morrer. Ledo engano! Sinto desespero, medo, anseio. O oceano agora invade minha mente, antes, que já não era lúcida agora mergulha completamente na loucura. Solitário e solidão. São minhas únicas companhias.

Acordo e cumprimento a loucura. Vou arrumar o cabelo e cumprimento o ego. Vou tomar café e cumprimento a solidão. Vou para o trabalho e cumprimento o vazio. Converso com as pessoas e cumprimento o fingimento. Pego o ônibus lotado e cumprimento o egoísmo. Volto para casa e cumprimento minha namorada. Uma linda Jericó me aguarda sobre a mesa sensualmente. Há tempos ela me seduzia, mas agora resolvi oficializar o relacionamento.

A arma que nunca falha é mais do que perfeita para mim. Ora, ela é tudo que preciso. Tudo que necessito é de um caráter que nunca falhe. Ela diz em meus ouvidos tudo que quero ouvir: “Você está certo”. Tomo-a em minhas mãos e sinto sua textura fria. Sinto o peso e o poder que ela me dá e gosto disso. “A solidão não me acompanhará no inferno” penso eu.

Sento no chão e miro na origem disso tudo e como qualquer covarde: “A culpa não é minha!” esbravejo na tentativa de espantar o medo que me acomete repentinamente. Olho para a minha namorada e ela me aguarda silenciosa. Aproximo o dedo do gatilho e xingo tudo o que vivi desde que nasci:

– Solidão, oh terrível solidão. – Pela primeira vez em semanas ouço o som da minha própria voz enquanto observo minha namorada sentir as batidas do meu coração.

Cerca de três segundos antes de apagar não cheguei a ver, mas pude sentir o líquido escarlate mudar a cor das paredes. Achei que atirar no coração fosse tão rápido quanto atirar na cabeça, mas agora vejo que morrer não é tão...

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obg, Pam! Pela capa! <3

Apreciadores (9)
Comentários (7)
Comentário Favorito
Postado 18/06/16 22:18

Eu tô tipo, sem palavras, sem reação, sem chão. Eu tô a procura de uma inspiração. Mais do que isso, eu almejo um fim pra esse vazio emergido da solidão.

Woooow, Joylícia, que texto magnífico foi esse? Moça, você realmente leva a sério a frase brincar com palavras, porque é isso que você fez. Você brincou com as palavras, construiu uma história fantástica com um jogo na qual é difícil de imaginar a formação. Oras, a solidão está de fato sempre presente, juntamente com a loucura que se aproxima cada dia - ou segundo - a mais; todavia, nunca antes eu li uma interpretação assim.

Porque você, Joice, sabe transformar as ideias em algo demasiado significativo e reflexivo. Uma mistura perfeita de metáforas, comparações e realidade.

No decorrer do texto a dúvida que te faz companhia é o porquê. De onde veio esse sentimento? Por que ele ficou dessa forma? Seria a bebida constante que o fez ficar assim? Seria a namorada a causa de sua loucura? Bem, ledo engano. A surpresa se encontra quando a namorada é a sua arma, nesse caso, a sua salvação da solidão. Ou talvez, a passagem para o vazio eterno.

Cada frase, cada parágrafo, é totalmente impactante! E vale ressaltar a genialidade existente na personificação dos males da humanidade. A loucura, o ego, a solidão, o vazio, o fingimento... São males que convivemos diariamente, uma em maior proporção que a outra, algumas menores que passam de maneira despercebida. O fato é que convivemos com ela.

E chega um momento em que essa convivência nós remete à loucura plena.

O nosso protagonista soube disso. O fingimento o esgotou, e a solidão o tirou tudo; cegou-o durante a sua vida. Uma vida destinada à uma caverna obscura e solitária.

Esse é um ótimo texto, Joy. Parabéns! ♡

Postado 27/06/16 22:40

Ainda não encontrei palavras para te responder adequadamente, mas resolvi escrever algo só pra tu saber o quanto esse comentário me fez feliz...

Obrigada de verdade, Pamaravilha <3

Postado 15/06/16 10:50

Sensacional!

Nossa!

Esse texto está muito incrível!

Postado 15/06/16 22:23

Obrigada! :D

Postado 18/06/16 16:38

Pobre dessa alma. Só loucura para se levar a algo assim.

E discordo dessa parte: " Egoísmo não é certo ". É a coisa mais certa, isso sim! Haha.

Enfim, belíssimo texto. É triste ver um fim assim, de uma alma tão transtornada.

Postado 18/06/16 19:01

Hahahaha

Não esperava tua apreciação no conto :v

Sinal que ainda que tenha discordado, foi do seu agrado xP

Escrevi isso faz mais de um ano e acho que ta bem diferente do que costumam ver hehe

De qualquer forma, obrigada!

Postado 19/06/16 01:12

Magnífico. Sem reação pra descrever algo assim.

Postado 19/06/16 16:40

Muito obrigada! :D

Postado 21/06/16 14:52

Tia Joy lacrando, como sempre!

A parte do silêncio chegou a fazer meus olhos brilharem! *-*

Postado 27/06/16 22:37

Obg, Flá <3

Postado 23/06/16 23:28

Atualmente estou fazendo um trabalho baseado no "Elogio da Loucura.", por algum motivo, esse texto me lembrou tanto, mas tanto, esse livro. :c

Postado 27/06/16 22:37

Vou deixar anotado aqui pra ler hehe

Obg <3

Postado 25/07/16 20:49

Nossa! É de tirar o fôlego... Cada palavra nesse texto é carregada de tamanho sentimento que, colocadas todas numa frase e num parágrafo, surgiram em meus olhos como bombas explodindo e espalhando sensações soturnas e profundas em mim... É uma incrível reflexão sobre a condição de um solitário, e eu não pude deixar de me identificar. Todo o texto é uma sublime construção de ruínas que descamba no trágico fim _ finalizado com maestria, a morte pintada magnificamente com a sutileza das reticências...

Gostei muito! Parabéns!

Postado 26/07/16 01:34

Rapaz! Que ótimo comentário! Gratíssima pela leitura e seu comentário! <3