A sociedade que mata.
Centeno
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 04/09/21 11:58
Gênero(s): Cotidiano Crítica Poema
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 23seg a 31seg
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 1011
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 63
Livre para todos os públicos

Esta obra participou do Evento Academia de Ouro 2021, indicada na categoria Crítica.
Para saber mais sobre o Evento e os ganhadores, acesse o tópico de Resultados.

Capítulo Único A sociedade que mata.

Seu corpo é cheio de curvas

Curvas belas que atormentam

Perturbação de cabeças ocas

Que de nada acrescentam.

Pensamentos cheios de convicções

Convicções nada interessantes

Desventurado com sua vida

A vida dos outos aniquila.

Você é deslumbrante do seu jeito

Jeito este atraente

Valorize a si mesma

desconsidere o insciente

Sociedade que magoa

Absorve até o extremo

Erga sua cabeça

Seja você mesma.

❖❖❖
Apreciadores (2)
Comentários (1)
Postado 17/10/22 19:01

A crítica que permeia esses versos é potente e essencial, principalmente nos dias de hoje. Entender de que cada um de nós possuímos nossas individualidades e nos amarmos por elas, é o primeiro passo para vencer essa sociedade que mata.

Obrigada por compartilhar conosco!

Parabéns ♥️