Hipocrisia Poética
Sabrina Ternura
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 31/08/17 21:32
Editado: 31/08/17 21:56
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 2min
Apreciadores: 10
Comentários: 6
Total de Visualizações: 365
Usuários que Visualizaram: 14
Palavras: 342
[Texto Divulgado] "O Fracasso do Êxito" Como poderia alguém fracassar tendo êxito? Eu sei, o título parece um tanto quanto contraditório. Mas acredite, fará sentido à medida que definirmos alguns conceitos...
Não recomendado para menores de dezoito anos
Capítulo Único Hipocrisia Poética

Palavras e suas capacidades de distorção do espaço-tempo em nosso âmago. Transparecem tamanha importância, porém nutrem sentimentos temporários de pouca eficácia e alto teor de destruição. Seria o ser humano, uma falha sentimental corrompendo o sistema das emoções? Seríamos produtos rotulados por defeitos?

A peculiar falta de sensibilidade é o estereótipo dos frios. A grosseria são as vestes de um mau humorado. A arrogância é um privilégio dos que possuem amor próprio em demasia. A tristeza é a preguiça do incapaz. A falta de atenção é o escudo do ser maduro e moldado pelas machadadas da vida. A incredulidade é a religião daqueles que não acreditam mais que sentimentos bons podem salvá-los. Nossa lacônica visão só nos permite ver aquilo que convém. O idealismo egoísta enraizado, exclui os que não favorecem nossas concepções de primoroso ser humano.

Até quando os defeitos serão as vestimentas de nossas almas? Não deveríamos vislumbrar a capacidade de alguém amar e odiar?

Palavras aniquiladoras tornaram-se a definição de nossa essência. Nem o sábio imaginaria que simples conjuntos de letras seriam o ponto final para tantas vidas. O pré-julgamento é um cordão umbilical que, quando não é arrancado, pode morrer e apodrecer conosco até o fim dos tempos. Nos auto denominamos deuses de um mundo que não nos pertence: o campo emocional do próximo. Invadimos e destruímos sem restrições, pois o que não nos fere, fortalece nosso ego.

O que nos difere dos ladrões e assassinos? Roubar a esperança de alguém como se não significasse nada e matar com palavras, não deveria ser um crime hediondo?

Derramamos um balde de defeitos em recepientes que transbordam qualidades, porque não é suportável enxergar alguém que pode nos superar. É difícil para nossa alma egocêntrica ser deixada em segundo plano. Nos tornamos aquilo que desprezamos: um bando de hipócritas distribuindo definições como uma puta dando sua alma numa esquina qualquer.

Contudo, sou apenas um ser com o coração quebrado, pois as mesmas palavras que servem-me de enfeite nos poemas, são também as que me destroem todos os dias, um pouco mais.

❖❖❖
Apreciadores (10)
Comentários (6)
Comentário Favorito
Postado 31/01/18 14:52

Poucos são aqueles que moldam as palavras com tanta facilidade que conseguem passar um turbilhão de sentimentos por elas até chegarem em seus leitores. Estou tão maravilhada que chego a estar sem palavrar pra te descrever o quão bela essa obra bem escrita foi pra mim.

Arrancou-me lágrimas, admito. Parabéns pela crítica tão bem escrita e pelo dom de ter a facilidade de nos tocar com alguns poucos parágrafos. Com certeza, Brina, você é uma das melhores escritoras que já conheci.

Postado 31/01/18 22:39

Obrigada, Vic ❤

Postado 31/08/17 22:32 Editado 07/09/17 02:47

Ah, a hipocrisia... Velha conhecida da Humanidade, fonte de toda a arrogância por ela propagada desde que conseguiram estabelecer uma comunicação entre si e para si. Este texto é um doloroso, poderoso e glorioso murro na nossa cara, descrevendo de uma forma muito mordaz, visceral e inegável essência que permeia muita coisa dita por muita gente por muito tempo. Ora, quem nunca foi (ou é ou será) hipócrita nesta vida e mundo esgraçados e desgraçantes?

É impressionante (para não dizer trágico) o quanto cada uma destas linhas complementam o texto da Srta Joy acerca do que dizemos (ou achamos dizer) e vice-versa! De fato, quando não se fala bobagens, ilusões, desaforos ou algo do tipo... Ainda existe a hipótese da hipocrisia. Quiçá a certeza dela. Oh, Satan! A senhorita me fez delirar com esta rica e devastadora obra de arte!

Gratíssimo, Srta Ternura! Bravíssimo! Bravíssimo!

#ad01-036/188

Postado 07/09/17 01:48

Lendo essas palavras visualizo um sublime resumo da obra acima. É gratificante para uma escritora iniciante como eu, notar que as palavras ficam claras e passam com sucesso a mensagem que gostaria de transmitir.

Como sempre, tu faz comentários além da minha capacidade de resposta. A única coisa que posso dizer é: Obrigada, Diab!

Postado 03/09/17 23:25

Esse texto entra com toda a certeza do mundo na minha lista de favoritos. É uma obra com uma crítica intensa e que muitas vezes - para ser mais sincera, em praticamente todo momento - não refletimos e não medimos palavras. Porque toda situação é semelhante a uma moeda: há duas faces, tão distintas uma das outras, mas tão interligadas quanto necessitam.

E por que palavras não são assim? Aliás, sempre acreditei que as palavras têm poder, um poder tão descontrolado quanto cruel quando não medidos em equilíbrio. Uma palavra de conforto mas diferença, assim como um "bom dia" de manhã ou uma "boa noite" para dormir.

Todavia, quase nunca refletimos o outro lado das palavras. Um poema que remete ao amor é fofo para muitos, mas para aquele que perdeu o seu é uma faca no peito, uma dor excruciante no coração, onde cada memória revivida é um lembrete de algo que não volta mais. É enlouquecedor.

A hipocrisia é um pouco de cada coisa; cada coisa têm sua hipocrisia. E a poética é justamente essa que você nos faz refletir: as palavras tão distorcidas do real sentimento daquele que lhe dá vida, e que perda a mesma a cada criação enfeitada.

Belíssima obra, Brina. Meus sinceros parabéns!

#ad01-038

Postado 07/09/17 01:58

Senhorita Pãozinho Doce, como sempre presenteando-me com palavras enaltecedoras e uma nova perspectiva sobre o que escrevi. É uma honra saber que este texto foi para tua lista de favoritos. Tu não faz ideia do quanto meu coração se alegra!

Agradecida, agradecida!

Postado 05/09/17 22:17

Eu vim aqui na caixa de texto antes mesmo de terminar o texto (comecei agora, na verdade), só para dizer que a primeira frase já me conquistou por completo!

Agora eu cheguei no final do texto e... A última frase é tão perfeita que eu queria muito estampar ela em todos os lugares! *---*

Eu não consigo fazer comentários tão maravilhosos quanto os das criaturas ali em cima, então vou só te parabenizar e agradecer por esse texto maravilhoso! <3

#ad01 - 041/154

Postado 07/09/17 01:59

Fico muito contente que tenha gostado do começo ao fim! Sua presença e comentários são sempre surpreendentes, Flávia das Facas.

Obrigada!

Postado 20/11/17 13:29 Editado 20/11/17 13:31

Senhorita Sabrina...

As palavras tem um poder incrível... e esse seu texto tem palavras fortíssimas...

Você conseguiu escrever um texto tão complexamente maravilhoso!

Essa pergunta: "Seria o ser humano, uma falha sentimental corrompendo o sistema das emoções?" - Estou com vontade de pixar essa frase em alguns muros por aí, só para mais pessoas poderem ler e refletir sobre isso...

Ah mocinha, você tem um dom incrível com as palavras, e uma sensibilidade tocante...!!! <3

"Roubar a esperança de alguém como se não significasse nada e matar com palavras, não deveria ser um crime hediondo?" - Essa com toda a certeza foi minha frase preferida! Pois bateu na minha cara, arrancou um pouquinho de sangue, e me fez erguer a cabeça, com um sentimento misto de raiva e tristeza... Raiva por saber que isso acontece a todo momento... Tristeza por pensar que talvez isso nunca vá mudar... Acho que sou muito pessimista... Infelizmente.

Querida senhorita Sabrina, muito obrigada por ter escrito esse texto!! Você é sensasional, mais do que sensasional!!! <3

Um grande abraço, Meiling!! <3

E ah, esqueci de falar, eu amei a capa! Ficou perfeita!!! *-----*

Postado 31/01/18 22:39 Editado 31/01/18 22:40

Obrigada, moça ❤

Postado 07/02/18 21:19

Magnífico, sem mais.

E, te digo: vai que o mundo é teu.

Postado 08/02/18 11:54

Obrigada, mana!

Outras obras de Sabrina Ternura

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Reflexivo