Engraçado
True Diablair
Tipo: Lírico
Postado: 12/03/19 20:12
Editado: 12/03/19 20:15
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 6
Comentários: 4
Total de Visualizações: 626
Usuários que Visualizaram: 11
Palavras: 225
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Livre para todos os públicos
Notas de Cabeçalho

Intimista(?)

Que graça teria se (não) fosse?

Capítulo Único Engraçado

É engraçado

Quando seu melhor

Simplesmente não basta:

Na verdade, pelo jeito,

Nem chega perto.

É engraçada

A relativa facilidade

Com a qual te descartam

Quando antes diziam

Que você era especial

Ou ao menos significava

Algo a mais em suas vidas.

É engraçado

Quando te excluem

Em detrimento de outros

Que nunca estiveram lá

Quando elas estavam chorando

Ou até mesmo pelas mesmas

Pessoas que as fizeram chorar.

É engraçado

Quando você percebe

Que se importou demais

E hoje provavelmente

É a única pessoa

Que se lembra disso.

É engraçado

Pensar no quanto

Você tentou entender

E que isso não foi recíproco.

É engraçado

Quando você agradece

Ou demonstra interesse

Por sentimentos expressados

Em tantas conversas

Mas, quando é sua vez

De fazê-lo do melhor jeito

Que é capaz,

Simplesmente duvidam

Da veracidade

Ou mesmo da existência deles.

É engraçado

Ficar pensando

Ficar lembrando

De tudo isso

Sendo que, ironicamente,

Os alvos de tais reflexões,

Não o fazem.

Não por você.

Talvez por outros e outras

Mas não por você.

(Por que deveriam, não é mesmo?)

É engraçado

Perceber só agora que,

No teatro da vida,

Você protagonizou

Tantas e tantas vezes

O papel de TROUXA

E no final de cada temporada

Nunca houve aplausos,

Apenas memórias

E indagações dolorosas

É engraçado

Não é?

Deve ser. Ou ter sido.

Para os demais, pelo menos.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Haha

Apreciadores (6)
Comentários (4)
Comentário Favorito
Postado 14/03/19 22:56

Em algum momento, passado ou futuro ou até mesmo presente, todos nós vivenciaremos isso. E aqui o sentimento foi tão expressado que nos resta rir da própria desgraça. Sim, achar engraçado aquilo que nada tem de engraçado.

Trouxa é uma palavra banalizada com um significado tão pesado. Tão marcante que por mais que a pessoa se sinta inútil, ao menos carrega consigo um apelido bem significativo.

Talvez sejamos todos apenas adesivos ambulantes. Somos encontrados, usados por um tempo e depois descartados em algum lugar aleatório. Às vezes, não saímos do lugar, somos apenas esquecidos.

De qualquer forma, gostei bastante do seu texto. Creio que ele merece ser bem apreciado e divulgado, pois expressa pura realidade. Muito obrigada por compartilhá-lo conosco!!!

Postado 26/03/19 04:33

Me faltaram palavras para expressar minha concordância e gratidão pelas suas presentes neste impressionante e visceral feedback, Srta Vazia... E pelo visto ainda faltarão mesmo agora...

Muitíssimo obrigado, de todo o meu desgraçado e trouxa coração!

Postado 18/03/19 11:54

A ironia do eu-lírico me comoveu imensamente! Identifiquei-me com os sentimentos dele, e gostei de refletir sobre o uso da palavra "engraçado" nesse contexto.

XOXO,

KM

Postado 26/03/19 04:36

A vida, seja por si só ou somente no aspecto social atual (ou provavelmente até bem antes disso tudo) me é de uma ironia miserável... Literalmente.

Muitíssimo obrigado pela sua leitura e review, Srta KM! Gratíssimo!

Postado 24/08/20 19:34 Editado 24/08/20 19:36

Quando a gente lê um texto desse tipo, é tão inevitável ficar pensando e se lamuriando pelos erros do passado. Ler um texto desses, vindo de você, fez com que memórias horríveis voltassem quando eu achei que estava conseguindo enterrar elas. Você sabe. Tem coisas que a gente promete que vai se perdoar, mas no final não consigue evitar de sempre reviver a atrocidade, afinal, parece que estar na merda e revirando o lixo faz parte da existência de pessoas tão lastimáveis como eu.

Mas para falar a verdade, eu com meu imenso pessimismo sempre acabo pensando que nenhum de nós escapa ileso dessa vida, quero dizer, de ser jogado fora, descartado. E também não escapamos de fazer papel de trouxa. A diferença está que às vezes as pessoas não fazem isso com nós, elas apenas são covardes para enfrentar seus próprios demônios, e quem acaba sofrendo é o outro, que se sente abandonado e rejeitado. Infelizmente a vida é uma desgraça.

A única coisa que me conforta é saber que às vezes, nem que seja um pouquinho, quando nos apercebemos das cagadas que fizemos, conseguimos reunir toda as migalhas de coragem do nosso ser, e conseguimos expressar o quanto sentimos muito. E o quanto estamos arrependidos. Saber que podemos ser, pelo menos um pouco, perdoados pelos erros do passado, já é algo que me faz ter forças para seguir em frente.

Todos no mundo deveriam ler esse seu texto, para sentirem na pele as lembranças tanto das vezes que foram abandonados, quanto (e principalmente) das vezes que abandonaram alguém. É preciso sofrer para passar pelo processo de perdão.

Atensiosamente, uma criatura toda fudida, mas que está tentando trilhar um caminho de perdão,

Meiling.

Postado 26/08/20 19:33

Pelo visto e por mais que tenha sido dito... Parece que há um longo e pesaroso caminho a ser percorrido.

Eu sinto muito, Meiling... Mais do que consigo expressar. Você sabe.

Postado 23/01/22 12:52

Cirúrgico, doloroso, mas muito, muito verdadeiro!

Sempre me pego nessas situações acho que por ter uma natureza muito paciente e compreensiva...

Tenho nos últimos tempos aprendido a falar não, sem muitas explicações, pois de fato, elas não são ouvidas, se quer necessárias, pois o julgamento já está traçado, independe dos motivos...

Gostei demais do seu poema!

Assinado um ser com quase doutorado em ser trouxa...

Postado 17/06/22 16:11

Srta Monise, seu feedback foi de fato tão conciso e visceral que me roubou as palavras, pois contra fatos não existem argumentos, não é mesmo?

E pensar que ganhei um Oscar neste papel de trouxa também...

Brindemos.

Muitíssimo obrigado! Gratíssimo!

Outras obras de True Diablair

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo