Você deve ir Ana
Viajante do Tempo
Tipo: Lírico
Postado: 11/12/16 20:54
Gênero(s): Poema Romântico
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 4min a 6min
Apreciadores: 3
Comentários: 2
Total de Visualizações: 280
Usuários que Visualizaram: 8
Palavras: 748
[Texto Divulgado] "Em tempos de Corona" Olá leitor, espero que esteja tudo bem por aí (ademais, são tempos de quarentena). Falando nisso, vamos falar do título "Em tempos de corona..." - significa dizer que foi escritório prioritariamente em função dos últimos acontecimentos relacionados à pandemia mundial. Bora refletir sobre o que os últimos acontecimentos podem nos dizer? Abraços virtuais bem de clima de pandemia!
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Você deve ir Ana

Você deve ir Ana

Você mentiu,

Fez o que mais detesto

Em apenas uma semana

Você logo disse que me ama

Eu sabia muito bem,

Que cedo demais,

Meu coração ficou tão feliz

Que mesmo eu não querendo

Do mesmo jeito te deixei feliz,

E disse o mesmo

Você que gostava tanto de mim

Fez tantas promessas e mesmo eu falando

Não faça promessas que não se pode cumprir,

Mesmo assim você continuou

Até o final de nossas vidas você jurou

E eu com cuidado apenas disse que iria até o fim

E todo dia você dizia

Eu te amo meu amor

Você com tanto medo ficou que me enganou

Falou que achava legal eu ser meio maluco e tal

Falou que não se importava

Em eu ser geek e achava legal

Mesmo não gostando das coisas que eu gosto

Você enganou e mentiu

E toda a construção em cima da mentira

E no final tudo ruiu

Mas antes disso, eu lembro que você me abraçou

Eu me encurvei, você disse

"seu coração escutei"

Fui na sua casa não esperava entrar

Com seu pai grandão

Coração com medo na mão

Eu não ia propor

Estava desempregado

Você na cidade vizinha

Como ia pagar para ir te visitar?

Nossos pais ficarão conversando

o seu e o meu

você acordou

seu pai estava na mesa

a gente tirou foto juntos

ele surtou, logo me interrogou

ele no final disse bem-vindo

Mas eu não iria namorar, não desempregado

Como as coisas iria pagar

Tenho minha honra, não iria mendigar

No outro dia fui consertar, sozinho a gente ficou

Não iria te beijar, não quando seu pai

Surtou quando fotos a gente tirou,

No café ele me provocou, ficou louco

Quando soube sobre o que meu livro se tratava

Fez filosofia barata, me provocou

Mas não retruquei pois não queria deixa-lo sem graça

Na própria casa, pouco tempo sua família foi na minha

Ele não tirava o olhar de mim

E eu apenas acariciava seu cabelo

Você queria que eu te beijasse

Eu também queria

Mas fazendo o certo, quando fosse oficial

Seu pai viu meus desenhos, mas o olhar dele não foi agradável

Dias com mensagens continuaram, até que um dia você

Fala o nome de seu amigo, que gostava de você

Fiquei com ciúmes claro, dias depois você me revela

A mentira, revelou que não gostava das mesmas coisas que eu

Que na verdade você tinha princípios, contra as coisas que gostava

Me assustei de verdade pois são apenas entretenimento

Mas princípios? Isso foi novidade,

Pois me julgaram infantil pela minha idade

No mesmo dia disse, que estava pensativa

Pois você não gostava do seu amigo

Do mesmo jeito que gostava de mim

E disse que iria conversar com ele

Manifestei que não gostei

Mas você mandou eu relaxar

E no final para você se abrir

Eu cantei, mesmo não gostando de fazer isso

Você gostou, e foi dormir, mandei o poema da madrugada

Como sempre fiz, e na manhã seguinte, você disse que queria tempo

Que não sabia mais o que queria, você me magoou

Te dei uma semana para pensar, para a gente não se falar

Mas você veio me procurar pois estava com saudade,

Tentei voltar a falar, mas não tinha assunto,

Você mal me respondia, eu percebi que estava preso

A algo que me fazia mal, e que não iria para a frente

Perguntei se tínhamos acabado

E você disse que achava que não

Então acabei, não sofri com o término

Mas afinal nem tínhamos começado

No outro dia, você falou que sua mãe mandou

Você me bloquear

Eu disse ok

E você não fez,

Fiz por você, bloquei,

Na face deixei de seguir, mas vi sua foto

A foto com o amigo que você não gostava

Depois lembrei

Que era o mesmo que você conversou

No dia em que me deixou de lado

O seu amor era tão grande

Que em pouco tempo começou a namorar

Ana você nunca soube o que era amar

Mas continuou me procurando

Sem noção, falou com minha mãe

Perguntando de mim,

No final você terminou com ele,

Que bom que não me procurou,

Você foi pelos seus pais,

Nossa piada revelou a eles

Minhas brincadeiras você contou

De ridículo passei

Que bom que você se foi

Pois não se constrói nada com mentiras,

Nem mesmo com coisas fúteis,

Pois plásticos como alicerce são inúteis

Assim são as mentiras em um relacionamento

No final elas quebram.

Eliézer Viajante do Tempo

❖❖❖
Notas de Rodapé

Baseado em fatos reais. :/

Apreciadores (3)
Comentários (2)
Postado 12/12/16 21:37

Se esse poema não ganhar eu choro, faço protesto e tudo (brinks - acho que exagerei). Nesse texto tão pleno vi algo mais precioso que as obras em museus. Sério. Um talento natural, uma escrita sutil e um sentimentalismo profundo. Não sei se foi o fato de ter participado de uma situação parecida ( e meu nome ser Ana), ou se foi a característica de puxar o leitor para dentro do personagem e fazê-lo sentir "na pele". Só sei que foi genial!

Enfim, um belíssimo texto, amei, sério. E desejo uma boa sorte no desafio!!!!

Postado 12/12/16 23:29

Nossa! Muito obrigado! De verdade! Fico feliz por ter gostado tanto e torcer por mim, obrigado, fico realmente feliz de ter conseguido puxar tudo o que quis passar!

Abraços.

Postado 09/09/17 20:07 Editado 09/09/17 20:08

Que triste... Que triste... Muito triste...

~Choro~

Gostei bastante da linguagem da obra, pareceu-me calma, braba, chateada, desanimada... e relaxada. Impressionante... Achei fofas as rimas colocadas na obra. (Realmente, namorro a destância é difícil... Mas tem casais que estão, temporariamente, longe amam-se mais que casais próximos).

Eu adorei essa parte do final:

"Que bom que você se foi

Pois não, se constrói nada com mentiras

Nem mesmo com coisas fúteis"

Porém, não posso deixar de dizer que em alguns momentos estão confusos e existem alguns erros de digitação. Pesso que cuide isso em suas próximas obras.

Agradeço por compartilhar sua obra baseada em fatos reais, HAHAH.

#ad001 (046-022)