Mosca
6 de Janeiro
Tipo: Lírico
Postado: 11/12/20 15:03
Editado: 14/02/21 23:03
Gênero(s): Crítica Drama Reflexivo
Avaliação: 10
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 3
Comentários: 3
Total de Visualizações: 389
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 189
[Texto Divulgado] ""
Não recomendado para menores de dezoito anos
Notas de Cabeçalho

Bzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzzz

Capítulo Único Mosca

É bom me deixar entrar no banho,

Fervura em pele fina

Me deixar cozinhar por uns tempos

E matar cada mosquinha que pousa sobre os azulejos

As invejo pois elas são pequenas e tem asas

Mesmo assim preferem estar no lugar mais sujo da casa.

Fico pensando,

Se não faço o mesmo

Pequenina insana, com asas na mente:

Ainda me encontro no lugar mais sujo da casa

Não nesta casa de tijolos, não nesta rua, neste bairro, cidade ou universo

Ainda sou um pequeno e encantador ser de asas que suga ínfimas migalhas

E repouso sobre as escuridões mais putrefadas de meu ser.

Como sair deste labirinto de memórias?

Como saltar por cima destes muros cheios de carne amanhecida:

Carne que com mordidas arranquei as piores das melhores partes de mim?

Eu poderia roubar lambidas de um delicioso prato

Poderia me transmutar em borboleta

E refazer a história da biologia.

Poderia voar até a lua e destruí-la,

Mas ainda estou aqui com pés descalços que facilmente sangram...

Ainda estou aqui,

Sendo este artefato maligno que criei:

E a conclusão mais perpétua e tola

É que não sei o porquê.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obrigada por fugirem da polícia vegana comigo.

Apreciadores (3)
Comentários (3)
Comentário Favorito
Postado 14/12/20 11:22

Perdão, eu esqueci de comentar, mas aqui estou. Esse é daqueles textos que você lê e passa uma hora ou talvez o resto dia pensando nele. A analogia narrativa foi perfeita. Talvez sejamos como as moscas, temos asas mas ainda ficamos em lugares sujos. As divagações foram oportunas e bem escritas.

Obrigado por compartilhar <3

Postado 14/12/20 14:15

Caro Silva, agradeço de coração pela sua apreciação!

Seu comentário foi muito importante para mim! <3

Postado 22/01/21 21:13

Um poema tão belamente estruturado, falando belamente sobre a podridão da nossa alma, e isso foi realmente incrível!!

Somos todos moscas, eu diria "o homem é a mosca do homem", e isso foi muito genial no seu texto, senhorita Seis!

Abraços <3

Postado 14/02/21 19:16 Editado 14/02/21 19:17

Satã... O último parágrafo do texto doeu tanto que destrui-me por completo...

Esta obra me representa de uma forma tão absoluta que me faltam palavras, forças ou mesmo... Lágrimas o bastante...

Muito obrigado pela catarse, Huldra.

Atenciosamente,

um ser que arrancou as próprias asas e se atolou nas próprias e inúmeras fezes, Diablair.

#AD04