O processo
Belmiro Maravalha
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 19/10/21 14:51
Editado: 19/10/21 14:52
Gênero(s): Cotidiano Reflexivo
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 0
Comentários: 0
Total de Visualizações: 20
Usuários que Visualizaram: 3
Palavras: 580
[Texto Divulgado] "Sutileza" Cumpriu sua missão e partiu, como se tivesse nascido apenas para salvá-las. Cheio de todas as faltas e falhas, havia até quem pudesse dizer que não valia nada, mas o bem que fez àquelas duas senhoras, ninguém jamais terá o direito de negar.
Livre para todos os públicos
Capítulo Único O processo

A audiência transcorria em um clima tenso. Os advogados das duas partes, juiz, reclamante, reclamado e escrivão, todos um pouco envergonhados pelas dificuldades que esses encontros virtuais causavam. Ali, ao vivo, na frente do computador, estavam obrigados a resolver pequenos problemas "informáticos" que surgiam durante essas seções, em uma velocidade sobre-humana. E isso, nos tempos pré pandemia, não era estritamente necessário. Sempre tinha o “depois resolvo”.

E simplesmente empurrava o que não se entendia para o lado, a espera da visita de alguém, um primo ou sobrinho que entendesse melhor dessa parafernália tão complexa.

Até mesmo o filho pirralho de 9 anos poderia tirar um indivíduo desse apuro tecnológico. Mas teria de esperar ele voltar do colégio.

A tensão e o nervosismo só aumentavam a medida que a defesa e a acusação discorriam suas contestações, reclamações e objeções.

Tudo se acumulando, aquela bolha cheia de bits, rams, píxeis, suor e impaciência.

O juiz também não escapava dessa condição. A confusão mental que tantas configurações e opções causavam, o tornaram naquele momento, um tanto circunspecto, pensativo e profundamente silencioso.

Deixara, a medida que a audiência avançava, as partes literalmente a vontade, sem interrupções, entretantos ou impedimentos.

Quem o conhecia poderia estranhar essa sua atitude, que não era corriqueira. Pelo contrário. Normalmente narcisista e arrogante ao extremo, era temido por todos os profissionais de direito que já tivessem tido alguma experiência com o dito cujo.

Porém, ali ninguém o conhecia. Advogados de primeira viagem. Escrivão iniciante. Requerentes e requeridos, todos irrelevantes.

Naquele dia, era a primeira vez de todos.

Para o juiz, a princípio, era a sua primeira vez no "tal" virtual.

Por vezes, enquanto mexia em algo, provável que botões e fios, franzia a testa e reprovava com a cabeça, dando suspiros intermináveis e cheios de inconformismos.

Fora deixado sozinho por seu assistente, que se sentindo indisposto, não conseguira parar de tossir e espirrar. Tentou protelar a audiência por algum tempo, esperando que ele se recompusesse, mas foi inútil.

Já os advogados, bem, esses simplesmente torciam para aquilo passar o mais rapidamente possível, já que eram suas estreias em todos os quesitos, virtual e convencional.

O requerente e o requerido irrelevantes.

Mas apesar de todos os problemas individuais, cada um tentava tirar o melhor de si.

Cada um ao seu turno, ou pelo menos imaginando que fora requisitado a se manifestar, sempre orquestrado e comandado pelo meritíssimo e recorrente juiz de direito. O mesmo a cada fala, assentia com a cabeça, sempre concordando.

Assim, tudo transcorreu até o seu final, apesar de ninguém saber quando era o final daquela audiência.

Os advogados de primeira viagem, os requerentes e os requeridos irrelevantes, esperavam impacientes que o juiz desligasse seu sinal de vídeo, já que todos imaginavam que seria assim que uma audiência virtual terminava, e todos poderiam voltar às suas vidas normais. Afinal, já haviam se passado muito tempo entre zunidos, embaraços e câmeras desfocadas.

Mas algo que ninguém esperava ocorreu. Antes que o juiz desligasse seu sinal de vídeo, lá no fundo, se ouve a voz do Meritíssimo, comentando com alguém que acabara de lhe servir um café:

— Ouvi foi é nada dessa audiência

O escrivão se arriscou e chamou pelo juiz:

— Excelentíssimo, seu som agora apareceu. Mil perdões, mas não ouvi nada do Sr. também, a audiência inteira.

O Excelentíssimo e o escrivão caíram juntos na gargalhada. A tia do café riu. Os advogados riram. O requerente e o requerido irrelevantes também riram e um cão latiu devido ao barulho.

❖❖❖
Apreciadores (0) Nenhum usuário apreciou este texto ainda.
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!