O que aprendi com você...
6 de Janeiro
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 09/06/23 23:22
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 2
Comentários: 1
Total de Visualizações: 358
Usuários que Visualizaram: 4
Palavras: 509
Não recomendado para menores de catorze anos
Notas de Cabeçalho

sinto muito por ter terminado assim,

se algum dia doer em você,

lembre que foi escolha sua,(e que eu prefiro ficar com as últimas palavras).

Capítulo Único O que aprendi com você...

Você só quer a minha amizade,

enquanto eu me calar e te escutar...

Vive cobrando cumplicidade

sobre uma subjetividade,

que nem você mesma

é capaz de interpretar.

Faminta por resolver os enigmas,

que você deixa na caixa de perigos,

eu me esqueço de ser eu mesma...

e tudo vira um eterno

pisar em ovos

- para não te confrontar.

Mas eu ainda me sinto

como se fosse a pior de todas,

por não saber ler sua mente,

ou me lembrar de detalhes

do octagésimo sexto amor

que veio como uma luz,

(e que você apagou sozinha).

Se te escuto em silêncio,

sou culpada por não falar

o suficiente...

Se deposito em conselhos,

faíscas de bons sentimentos,

então eu me torno inconveniente.

Se digo não compreender o que se passa,

então não mereço o seu tempo,

se digo saber como você se sente,

então de repente, eu não sei de nada.

Em sua boca me torno agora:

a egoísta, a barulhenta,

a que não escuta,

a que não te sente, verdadeiramente,

ou será que é diferente?

Você já tentou amar alguém

que não seja apenas um relance

da sua idealização perfeitamente doentia?

Você conta os segundos na ponta dos dedos,

então queima a própria língua,

pois, você me mede apenas através dos seus próprios medos

e prefere que eu minta,

ou que eu apenas assinta:

sim, sim, sim - com a cabeça,

sem tomar responsabilidade ou me preocupar.

- estou triste

- sim...

- estou cansada

- verdade...

- estou farta

- é...

- quero morrer

- fatos...

- estou me destruindo

- está...

- sinto que estou perdendo tudo

- pois é...

- não vejo mais saída

- ...

Eu não sou o seu próprio eco,

pois, ecoar sua tristeza,

não me faz uma amiga boa,

me faz apenas a única telespectadora

de uma catástrofe pronta para estourar.

Talvez você não precise mesmo de mim,

talvez nunca tenha precisado nos últimos

dez anos em que a sua amizade,

abasteceu cada um dos meus dias.

Mas às vezes, querida velha amiga,

o problema somos nós.

E tudo bem admitir isso,

para melhorar e crescer, mas...

Você prefere culpar,

me culpar pela sua dor não cicatrizada,

culpar ela pelas respostas que não chegaram,

culpar ele pelas palavras que você não disse,

culpar outro pela sua instabilidade...

e assim o ciclo se repete,

e assim os laços se apertam,

e assim meu pescoço sufoca...

Mas se eu queimar essa ponte,

se eu virar essa página,

se eu fechar esse livro,

se eu trocar as trancas da casa,

nunca mais haverá volta.

Nunca mais poderei chamar

a sua amizade de lar...

Talvez eu tenha morado de aluguel

esse tempo todo, afinal,

sinto que venho pagando o preço

por não ser suficiente,

por não reagir como você quer,

por não ser perfeita...

Mas o vento me sussurrou

que nada nunca é suficiente para você:

nem amor, nem alegria, nem amizade, nem dor

nem tristeza e nem raiva,

nada preenche suas léguas de vazio...

E sempre que uma tempestade vem,

você soa o alarme, pedindo socorro,

me desculpe, velha amiga,

dessa vez eu vou pular do barco.

Isso eu aprendi com você.

❖❖❖
Notas de Rodapé

ciclos se encerram para que novos possam existir.

bem-vindos à era da cura.

Apreciadores (2)
Comentários (1)
Postado 29/09/23 11:30

Olá, querida Seis, quanto tempo!

Ler esse texto me trouxe um misto estranho de sentimentos, pois vivi uma "amizade" assim no ensino médio, e outra na faculdade.

Me identifiquei muito com a sua tristeza e raiva. E com os seus sentimentos.

Sinto muito que você passou por isso... Você é uma pessoa encantadora, que só merece o melhor!!

A única coisa que difere no seu texto e na minha vida, é que digamos que eu era meio apaixonada por essas duas meninas.

A do ensino médio sabia. A da faculdade não.

Memórias tristes.

Obrigada por postar esse texto, e por você encerrar ciclos, para se curar <3

Abracinhos <3

Outras obras de 6 de Janeiro

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Drama

Outras obras do gênero Poema