Pinoia
Belmiro Maravalha
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 21/09/21 23:58
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min
Apreciadores: 1
Comentários: 0
Total de Visualizações: 60
Usuários que Visualizaram: 2
Palavras: 202
[Texto Divulgado] "O Último Delírio de um Rei" Há muito tempo, num reino bem distante, vivia um rei que tinha dois filhos gêmeos. O rei estava morrendo, e em seus últimos dias, uma preocupação inquietava a mente do velho soberano: quem seria seu sucessor no trono?
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Pinoia

Ele pegou o tubo de tinta com raiva. Sua inspiração havia sumido, assim, repentinamente. Talvez fossem seus devaneios sexuais e amorosos que andavam um pouco fora de controle nos últimos tempos. Num impulso repentino e inusitado, até mesmo para ele, enfiou em sua própria boca e espremeu, enchendo-a com um vermelho magenta.

Segurou firmemente com os lábios toda aquela cor. Sentiu ânsias, mas seu instinto o fez resistir.

A tela em branco ali esperando pela sua genialidade in-confundível. Se com as mãos a coisa não ia, quem sabe daquela maneira. Cuspiu. Um cuspe rápido, seco, certeiro. A tinta se espalhou formando uma imagem surreal, única.

Os intelectuais e os formadores de opiniões iriam adorar essa sua nova fase. Qualquer coisa que fizesse sempre era entendido, estudado e elogiado. Discorreriam em grossos volumes, toda uma aná-lise sobre esse seu novo trabalho.

Sua profundidade, complexidade e densidade.

Os experts estancariam na frente do quadro, formulariam conceitos, explicariam aos leigos o significado daquela abstração, e definiriam o que havia se passado pela cabeça do artista, no processo de criação daquela extraordinária obra de arte.

Depois disso aprendeu que não precisava mais se preocupar com a inspiração, caso ela não aparecesse.

Afinal, ele era Pablo Picasso.

❖❖❖
Apreciadores (1)
Comentários (0) Ninguém comentou este texto ainda. Seja o primeiro a deixar um comentário!