Cachorro do demo
Monise
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 13/09/20 12:59
Editado: 13/09/20 13:05
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 4
Comentários: 3
Total de Visualizações: 61
Usuários que Visualizaram: 7
Palavras: 305
[Texto Divulgado] "Vai e vem pelo tempo II " Pelo tempo ele viaja em todas as dores refazendo uma análise
Livre para todos os públicos
Capítulo Único Cachorro do demo

Lá estava ela mais uma vez visitando a futura sogra, a visita não era de todo ruim, a sogra era prestativa e procurava agradá-la por todo o período que ficava ali hospedada.

Ruim mesmo era aquela praga daquele cachorro que parecia o filhote do demo!

Aquele Fox Paulistinha era endomoninhado, já havia mordido todos os membros da família, filhos, tios, primos, nem a bisa escapara da fúria do pequeno Boomer, exceto a sogra...

Nunca pode entender porquê as pessoas tinham bichos assim...

Sempre quando ela chegava na casa, o infeliz do cachorro parecia espumar de ódio, olhos vermelhos, doidinho para experimentar carne nova...

Todos os cuidados eram tomados, enquanto ela ficava na casa da sogra, aquela peste era presa na corrente e ficava nos fundos da casa.

Mas sempre que a via, espumava de ódio, mesmo amarrado tentava pular o portãozinho, doido para dar aquela mordida... O coração dela ficava aos pulos, disparado de medo, nunca havia sido mordida...

Estava novamente no internato, dormindo na parte de cima da beliche, a robusta colega de quarto na parte de baixo, era um calor dos infernos e ela empada de suor adormeceu...

Novamente na casa da sogra, que semana incrível! Tinham saído, ido ao bosque, andado de pedalinho e o namorado prestativo comprou doces, sorvete e lanche, tudo perfeito...

Voltando à casa da sogra, esta pediu que ela fosse à padaria, ela, prestativa, saiu imediatamente. Voltando com o pão, no meio da rua ouviu-se o grito: "Cuidado, o Boomer escapou!"

Nem deu tempo de reagir, aquela peste abocanhou-lhe as costas e mordia-lhe agora o pé chacoalhando a cabeça para todos os lados...

Quase caiu da beliche! Acordou segurando as costas e com a perna repuxada para o alto! O suor escorrendo, o coração a mil... Demorou a perceber onde estava...

Graças a Deus era só um pesadelo...

❖❖❖
Notas de Rodapé

Pensa num cachorro que foi bravo e com esse gênio ruim até o fim de seus dias... Morreu bem velho e cego, mas naquele quintal, ninguém entrava...

Apreciadores (4)
Comentários (3)
Postado 13/09/20 14:43

Meu Deus do céu, até eu fiquei com medo desse cachorro agora que li o texto hahahaha

Eu sempre tive mais medo dos cachorrinhos pequenos do que dos grandes, eles transmitem um ódio nos latidos finos que arrepia até a alma kkkkkk

Ótimo texto, senhorita Monise <3

Grande abraço <3

Postado 13/09/20 14:45

Olha, até hoje quando lembro desse pesadelo tenho a sensação da mordida nas costas...

Postado 13/09/20 23:27

Me fez lembrar de um galo que minha família criava. A peste era pior que cão de guarda. Uma vez a vizinha tentou desafiar e voltou para casa com a calça branca toda suja. Ela saiu do quintal tremendo. Tem bicho que é o kpta mesmo!

Bichinhos pequenos conseguem armazenar uma quantidade de ódio assustadora!

Parabéns!

Postado 14/09/20 09:27

Verdade!

Pude imaginar a mulher com o galo... Kkkkk

Postado 14/09/20 14:43

Que demônio!

Já vi vários assim, alguns mais e outros menos endemoniados e/ou ciumentos/possessivos! É assustador, mas acho engraçado quando o cachorro é uma fera tratando quando a pessoa está do lado de fora da casa e aí passou para dentro o cachorro quer até subir no colo hahaha! O que não foi o caso desse paulistinha (。ŏ﹏ŏ)

(Devaneios de uma leitora hahah)

Agradeço por compartilhar esse susto, eu acordaria chorando haha!

Assinado uma pequena vampira, <3

Postado 14/09/20 14:47

Eu acordei realmente muito assustada!

Obrigada por comentar! :)

Outras obras de Monise

Outras obras do gênero Ação

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crônica

Outras obras do gênero Terror ou Horror