Aborte seu pensamento
Lucy Werner
Tipo: Lírico
Postado: 24/01/17 15:34
Editado: 24/01/17 15:42
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 3min a 4min
Apreciadores: 5
Comentários: 3
Total de Visualizações: 297
Usuários que Visualizaram: 9
Palavras: 577
[Texto Divulgado] "Um poema sobre a gente " "mas venha para mim anjo, eu juro que me movimento, eu sei que está escuro lá fora, mas preciso de seu brilho para brilhar, então suma daqui escuridão, pois faremos um quarto para a luz" - SOKO
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Notas de Cabeçalho

Apenas pense

Capítulo Único Aborte seu pensamento

Maria e Joana são mulheres de classes sociais distintas.

Maria é doméstica.

Joana é patroa.

Maria trabalha 7 dias por semana e dorme na casa da patroa.

Joana nunca precisou trabalhar.

Maria tem 4 filhos e gasta todo dinheiro para conseguir dar comida aos filhos.

Joana tem um filho que nunca passou fome.

Maria foi abandonada pelo marido por uma mulher mais nova.

Joana é uma mulher mais nova sustentada pelo marido rico.

Maria já cansou de denunciar o marido por não pagar pensão.

Maria já cansou de perceber que a lei não ajuda ela.

Joana nunca teve problemas econômicos.

Maria é assediada pelo patrão.

Maria é ameaçada pelo patrão.

Maria é estuprada pelo patrão.

Joana não está mais apaixonada pelo marido.

Joana ainda é obrigada a se deitar com o marido.

Joana tem que ser exemplo de mulher bela, recatada e do lar.

Maria tem um filho doente.

O SUS demora pra responder.

A doença do filho se agravou e precisa de remédio cada vez mais caro.

Maria ficou grávida do patrão.

Maria foi demitida.

Maria passa fome.

Maria vê os filhos passando fome.

Joana ficou grávida do motorista.

Maria não pode sustentar outro filho.

Maria não recebe ajuda.

Maria é condenada por estar grávida.

“Na hora de abrir as pernas era bom, né?”

“Isso que acontece quando dá pra homem casado”

“Ninguém mandou não se preservar”

Joana não tem como se sustentar sozinha.

Joana não pode ter o filho.

O marido de Joana não pode saber que ela está grávida.

Maria decide abortar.

Maria aborta.

Maria morre.

Os filhos de Maria vão pro pai.

Os meninos espancados.

A menina estuprada pelo tio.

Um vizinho denuncia.

As crianças vão pro orfanato.

Joana viaja pro exterior.

Joana aborta.

Joana vive.

Os filhos de Maria não são adotados.

São pretos.

São velhos demais.

São agressivos.

A menina tá grávida.

A menina morre no parto.

O bebê morre no parto.

Os filhos de Maria fogem do orfanato.

Usam drogas.

Vendem drogas.

Roubam.

Matam.

São presos.

O filho de Joana tá na faculdade.

Joana está ficando velha.

Joana faz plástica.

Joana faz lipo.

Joana é rejeitada pelo marido por uma mulher mais nova.

Joana tem que aceitar calada a amante.

Joana tem que aceitar calada apanhar porquê o marido brigou com a amante.

Joana tem que aceitar calada ser estuprada porquê o marido perdeu a amante.

Joana tem que ser um exemplo de mulher bela, recatada e do lar.

Joana tem depressão.

Joana buscou ajuda.

Os filhos de Maria entram pro tráfico.

Dois morrem.

Um é preso.

O filho de Joana quer ser político como o pai.

O filho de Joana condena o filho de Maria.

O filho de Joana rouba milhões do povo.

O filho de Maria queria ter dinheiro pra comer.

As amigas de Joana descobriram que ela abortou.

Joana é condenada.

Joana precisa de mais remédio.

Joana se mutila.

Joana tá viciada em calmantes.

O filho de Joana contrata prostitutas.

O filho de Maria fugiu.

O filho de Joana casou.

O filho de Maria voltou pra cadeia.

O filho de Joana trata a esposa como lixo.

O filho de Maria foi espancado por policiais.

O filho de Joana estuprou a empregada.

Houve uma chacina na cadeia.

O filho de Joana deu dinheiro pro aborto.

O filho de Maria e mais 47 presos foram mortos.

Centenas de pessoas comemoraram as mortes.

“Bandido bom, é bandido morto”

Joana apanha do marido.

Joana não quer mais ajuda.

Joana comete suicídio.

❖❖❖
Apreciadores (5)
Comentários (3)
Postado 24/01/17 17:22

Tanta tragédia. Seria bom se fosse apenas ficção... =/

Infelizmente não é.

Postado 25/01/17 16:13

Sim :/

Postado 03/05/17 16:28

Não importa se a mulher é rica ou pobre, ela está sempre condenada, umas mais que a outras, as dores não diferentes, mas nenhuma luta pode ser calada, é essa a realidade escancarada que querem que nós apenas varramos para debaixo do tapete. Temos de ser nós por nós, mas ao mesmo tempo, ainda é muito ver isto acontecer. Triste texto, mas não me choca, pois eu vejo a realidade acontecer do outro lado da rua, na tela, nos depoimentos, dentro de casa... Parabéns por esta narrativa, espero que ela faça muitas pessoas ficarem de queixo caído, temos de ser vistas, compreendidas, apoiadas, ajudadas e ajudar a todas, as que estão perto, as que não estão, as que nem imaginam que podem estar. Temos de lutar pela nossa vida. Senão, vamos continuar desaparecendo. Sendo culpadas e subjulgadas a todo momento.

Parabéns pela narrativa, mais uma vez!

Postado 31/07/17 21:37

Fico muito feliz que tenha gostado do texto. Concordo totalmente com o que você disse e por causa disso me dei a iniciativa de começar a escrever sobre, quero alcançar as pessoas, principalmente aquelas que ainda não perceram o que realmente acontece por ai e só ficam julgando sem nem saber o que falam. Enfim, muito obrigada pelo comentário, beijos :3

Postado 31/07/17 21:47

<3

Postado 05/08/17 18:41

Estou sem palavras, meu queixo caiu da cara, e meus pensamentos estão fora de lugar.

Esse texto é um retrato da sociedade em que vivemos... infelizmente...

É algo horrível de se ler, porque sabemos que isso tudo acontece todo dia.

É completamente horrendo... Mas real. E isso é o mais horrível de tudo...

Esse é um texto chocante, e extremamente tocante...

Cada linha é um tapa na cara, é uma facada no coração. Tão triste.

Srta. Lucy, meus parabéns por escrever algo assim, de tão alto nível de escrita! É uma verdadeira obra prima! <3

Um abraço, Meiling!

Outras obras de Lucy Werner

Outras obras do gênero Cotidiano

Outras obras do gênero Crítica

Outras obras do gênero Poema

Outras obras do gênero Reflexivo