Enquanto você dormia
Victoria C
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 30/09/20 13:27
Editado: 01/10/20 20:07
Gênero(s): Drama Mistério Suspense
Avaliação: 9.53
Tempo de Leitura: 8min a 11min
Apreciadores: 6
Comentários: 4
Total de Visualizações: 319
Usuários que Visualizaram: 10
Palavras: 1417
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Capítulo Único Enquanto você dormia

"Quem sonha de dia tem consciência de muitas coisas que escapam a quem sonha só de noite."

- Edgar Allan Poe

Os meus olhos se abrem lentamente. Sinto o meu corpo cansado e suado como se eu tivesse participado de uma maratona, mas a verdade é que eu dormi cedo. Os remédios receitados pela doutora fazem o efeito quase que de imediato. Arrasto as minhas pernas pesadas e cansadas da cama, porém antes de levantar, observo algo: a porta está entreaberta, mas isso é impossível, era o que eu achava antes, afinal de contas não vive ninguém nessa casa além de mim.

13/09/2006

As luzes do andar inferior da casa estão ligadas. Os meus olhos percorrem até a sala de estar, no lugar onde ficava o telefone fixo, mas lembro de que pedi para retirarem a linha na semana passada. Fico estática. Um frio percorre os meus pés e chegam até a minha nuca, sinto os meus pelos se eriçarem.

Talvez não seja adequado correr para o quarto, mas eu não penso sobre isso. A adrenalina invade o meu corpo e corro em disparada até o quarto, bato a porta e tranco, retiro a chave da fechadura e arrasto a pequena mesa ao lado da minha cama e a coloco em frente à porta. No pequeno banheiro, retiro os frascos de remédios da gaveta, leio o rótulo e a bula, relembro os efeitos colaterais recitados pela doutora repetidamente, então respiro. Ninguém entrou em casa. Há apenas uma pessoa aqui. Eu.

20/03/2008

Saio para o longo e estreito corredor da minha casa. O frio emana pelo lugar, esqueci-me de ligar o aquecedor e o inverno castiga a minha casa. Olho para cima e vejo algumas câmeras instaladas. Nunca foram ligadas, a não ser para teste. Elas deveriam ficar ligadas de noite e gravar, quando eu supostamente tenho os ataques de sonambulismo ou faço algo e esqueço-me do ato, contudo a verdade é que não me sinto a vontade para fazer isso.

Desço os degraus da escada enlaçando os meus braços sobre o meu corpo, como um abraço. A casa toda está gélida. No andar inferior, olho atentamente para cada canto e nada parece estar fora do lugar. Respiro aliviada, talvez eu apenas tenha esquecido a porta aberta.

20/03/2008

20:30

A constatação óbvia de que sumiu uma faca deixa a minha mente em alerta. Reconto todas. Uma, duas, três e... Deveria haver uma quarta faca na gaveta inferior do armário da cozinha, mas não está aqui.

O desespero toma conta da minha mente e corpo. Começo a transpirar e a minha cabeça lateja, o prenúncio da dor lancinante de cabeça que está prestes a começar. Ando rapidamente até o banheiro do meu quarto e engulo duas pílulas do frasco do meu remédio, ligo a torneira e com a mão em forma de concha, coloco a água que desce em cascata e bebo. Lavo o meu rosto também e tento fazer o exercício de respiração. Contudo falho. Desço novamente e caminho até a cozinha, a gaveta aberta ainda mostra apenas três das quatro facas que eu tenho. Um pensamento vem em mente, mas não penso que isso seria possível. É possível que tenha alguém entrando na minha casa enquanto durmo?

21/03/2008

00:00

Ligo o sistema das câmeras noturnas de segurança que estão instaladas em alguns pontos da minha casa, a luz vermelha sinaliza que estão funcionando perfeitamente bem. Há uma na extremidade do meu quarto, dela é possível ver todo o espaço do cômodo. Duas nos corredores e duas câmeras na sala de estar, posicionada de forma estratégica que me permite a filmagem também da porta principal. Volto para o quarto e ligo o notebook, no qual o sistema de segurança está conectado, as gravações ficarão salvas nele e pela manhã poderei analisar o que acontece enquanto durmo. Uma chuva forte se inicia. Hoje a noite será longa.

Coloco o notebook sobre mesa e volto para cama, já deitada, estico o braço até o abajur e tento desliga-lo, mas antes que isso aconteça, a luminária pisca e desliga. Vejo a luz vermelha da câmera também desligar, talvez tenha faltado energia. Tateio em busca do meu celular e ligo a lanterna do aparelho, caminho até o interruptor da luz, mas quando aperto para ligar, tudo continua imerso na escuridão.

Encaminho-me para a janela que dá acesso à rua, ao longe vejo uma luz que logo é apagada. Foi desligada ou a energia também faltou nela? Antes de sair do quarto penso se há alguém na minha casa, alguém que possa ter desligado o interruptor principal da casa instalado no porão, e decido que não é uma boa ideia sair e ir ao porão, sozinha e no escuro. Decido retornar para a cama e sentada, posiciono a lanterna do celular em direção à porta.

22/03/2008

Eu não sei exatamente quantas horas eu dormi, mas foi tempo suficiente para o meu celular estar jogado no chão, desligado, e a janela do quarto estar semiaberta. Uma corrente de ar sopra em minha direção, sinto todos os meus pelos se eriçarem. Uma sensação estranha se apossa do meu corpo e da minha mente.

Tento afastar tal sensação com o uso do remédio, dirijo-me ao banheiro e tomo três pílulas, isso deve resolver. São apenas os efeitos colaterais. Efeitos Colaterais. Repito a mim mesma. Efeitos Colaterais.

XX/03/2008

Assim como na noite… eu não lembro se foi na noite anterior, porém, a luz vermelha da câmera do corredor que sinaliza que a mesma está funcionando já está ligada, desligo a luz e entro no quarto, tranco a porta e retiro a chave da fechadura. O meu notebook já está ligado e registrando tudo o que acontece na casa, claro, que nada vai acontecer, tento me tranquilizar. Respiro e Inspiro.

O frasco de remédio está sobre a pequena mesa ao lado da cama, engulo quatro, as pílulas passam rasgando pela minha garganta, mas sei que isso me ajudará a ter uma noite de sonho sem interrupções.

XX/XX/XX

Acordo sobressaltada, um estrondo forte me faz acordar assustada, a respiração falhando, sinto o suor ensopar a minha camiseta, não me lembro de nada, mas devo ter tido um pesadelo. Olho para o relógio 06:00.

Olho para o notebook e lembro sobre como a minha imaginação me faz crer em coisas ínfimas, mas ainda sim, irei verificar, mas antes, preciso dos meus remédios. Apenas mais quatro pílulas e já é o suficiente para fazer eu me sentir bem melhor! Retorno às gravações da noite anterior e me vejo entrando no quarto e pegando o frasco de remédio da mesa, depois aparece uma imagem minha já deitada. Nada aconteceu, até agora. Mais outra imagem, estou novamente em pé e engolindo mais pílulas, a gravação deve ter voltado.

Começo a partir da hora em que estava entrando no quarto, verifico o horário, mas quando chega na minha outra imagem em que estou com o frasco de remédio novamente na mão, percebo que o vídeo não voltou. Eu realmente fiz isso?

Com o corpo tremendo e sentindo uma sensação de desespero eminente continuo a olhar a gravação, quadro por quadro, hora por hora.

01:00 - No corredor, a imagem de uma pessoa com longos cabelos aparece, não consigo ver o seu rosto, é como se a pessoa soubesse da existência das câmeras e tentasse se ocultar. Mas eu sei que não sou eu. Em nenhum momento, as câmeras me filmaram sair do quarto. Com as mãos trêmulas e suadas retorno o vídeo. Tudo é real. A minha respiração falha, olho para trás, mas não tem nada. O que era aquilo e por que entrou na minha casa?

01:10 - A pessoa para em frente a porta do meu quarto, vejo a sua mão se levantar e bater na porta, se eu pudesse ouvir, diria que o barulho era muito alto. Mas como não acordei. A pessoa continua a bater na porta, mas desiste após 20 minutos.

Olho para o relógio digital no notebook. 06:30. Pulo a gravação para 06:00, contudo, nada anormal aparece no corredor ou no quarto. Dou uma risada de alívio e desespero. São os efeitos colaterais.

06:32 - A gravação começa sem eu iniciar. Olho para a imagem que aparece no notebook e percebo que aquela pessoa continua lá fora, na porta, mas agora ela abriu e tem uma faca empunhada na mão. Meu corpo paralisa, sem conseguir virar para olhar o que está acontecendo, a imagem do notebook retorna para 06:00 e a tela apaga. Tudo fica escuro e os meus olhos se fecham.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Olá. Tudo bem? Fico feliz que você tenha chegado até no final do conto. Que tal deixar nos comentários o que você achou?

Apreciadores (6)
Comentários (4)
Postado 01/10/20 11:56

Já devo ter dito um milhão de vezes em outros comentários o quanto eu amo o jeito que você escreve contos de terror!! * - *

A sua narrativa é muito boa, e a cada novo parágrafo, mais a tensão vai aumentando!!

Adoro o modo como você coloca as datas e os horários, isso deixa tudo muito mais paranóico e medonho!!

Ás vezes me pego imaginando o que acontece enquanto eu durmo... Só espero que não seja nada igual essa história hahaha

O final, acredito ter sido uma visão, não um efeito colateral do remédio, e imagino que assim que der 06:32, a nossa protagonista será morta!!

Parabéns por mais esse incrível conto maravilhoso!! <3

Um grande abraço <3

Postado 03/10/20 23:26

Muito obrigada!!! Aconselho você a não colocar uma câmera para vigiar hahahah e será que ela morreu?!

Abraço! <3

Postado 02/10/20 02:30

A sua escrita é maravilhosa e extraordinária. Gosto muito quando você usa as datas e os horários, pois deixa tudo muito palpável, além de remeter a ideia de tique nervoso e obsessivo. A narrativa transforma o leitor em um verdadeiro investigador, que deve observar as minúcias para discernir o que é real ou não.

Obrigada por compartilhar essa obra incrível conosco!

Meus parabéns, Victoria ♥

Postado 03/10/20 23:27

Oiii obrigada!!! amo usar datas e horários, isso deixa quem ler paranóico, eu sei hahaha

Postado 02/10/20 10:08

Simplesmente incrível tamb;em! Super bem escrito e com uma narrativa arrepiante.

Parabéns

Postado 03/10/20 23:28

Muito obrigada!!!

Postado 02/10/20 23:01

Já começou maravilhosamente bem. Que frase perfeita, de um autor macabramente incrível!

Seus contos são ótimos, muito bem escritos e detalhados. Parabéns!

Postado 03/10/20 23:28

Fico feliz pelo seu comentário e obrigadaaa!!!