Obsessão na luz difusa dos fogos de artifício
Gans
Tipo: Conto ou Crônica
Postado: 30/03/21 11:30
Avaliação: Não avaliado
Tempo de Leitura: 1min a 2min
Apreciadores: 6
Comentários: 4
Total de Visualizações: 330
Usuários que Visualizaram: 11
Palavras: 308
[Texto Divulgado] "Renascentismo" "And it's good to be alive Crying into cereal at midnight If they ever let me out, I'm gonna really let it out"
Não recomendado para menores de dezesseis anos
Notas de Cabeçalho

Olá, como vão?

Esse texto foi feito para o tema do mês de março do OPMP, cujas informações vocês podem achar em um tópico do fórum ao buscar por ''Oneshot Per Month Project'' ou entrando em contato comigo. Atualmente estamos vendo a melhor forma de ser mais ativo aqui no site, por isso não há novas atualizações, mas o projeto continua.

Enfim, esse texto foi baseado na música Você não me ensinou a te esquecer, do Caetano Veloso. Tnetei fazer um conceito fofo, mas quanto mais eu ouvia a música eu pensava em qual seria o limite entre amor e obsessão, o eu-lírico da música começou a parecer um pouco obsecado pela outra pessoa, muito mais do que uma simples saudade por estar apaixonado e foi daí que esse texto surgiu. Claro, é uma interpretação minha. Quem ler perceberá que no texto algumas passagens são bem ambíguas, mas de forma alguma quis fazer apologia ou romantizar uma obsessão por outra pessoa, está mais pra um retrato, como um amigo meu me disse.

No mais, boa leitura.

Capítulo Único Obsessão na luz difusa dos fogos de artifício

Desde aquele dia, nada mudou. Nosso início foi o nosso final. Ainda vejo as suas costas e contornos elegantes sumindo na luz difusa dos fogos de artifício, essa cena é tudo que resta do final feliz que prometemos um ao outro. Tão difuso quanto a luz dos fogos de artifício era a nossa relação, repleta de incertezas, saudade e troca de olhares faiscantes na névoa do nosso amor confuso.

Ainda a vejo em todos os lugares, ainda sinto a sua perda e o arrependimento de tê-la deixado ir, mas, na época, só queríamos algo novo, sem perceber o brilho do que tínhamos por baixo de todo aquele desgaste. Aos poucos me perco nessas memórias, buscando o mesmo calor e amor arrebatador do seu abraço. Mas não acho nada igual.

A cada dia que passa, eu apenas sinto esses desejos egoístas e frustração crescerem no meu peito.

Minhas ligações jamais chegam à você, minhas mensagens friamente ignoradas em sua indiferença, e talvez seja melhor assim, já que eu provavelmente só estou fugindo para o passado enquanto você continua seguindo em frente. Não posso julgá-la, sei que o seu coração foi quebrado e talvez eu nunca possa consertar, mas desejo apenas que não continue fugindo, volte ao passado como eu, eu quero agarrar todos esses cacos e provar que você pode ser amada novamente, por mim. Me escolha, pois sempre escolherei você, agora.

Nós éramos um bom casal, mas o nosso tempo passou. A cada momento que perdemos tentando nos encontrar depois do nosso fim é só um desperdício do que ainda podemos ser. Você sabe disso, sabe que estou sob o seu encanto novamente, então, por favor, acene para mim novamente, aproxime-se, vamos manter isso real. Vamos voltar ao que éramos.

Eu a quero e sei que você vai me querer novamente. Nós não fomos feitos para ficarmos distantes.

❖❖❖
Notas de Rodapé

Obrigado por lerem!

Link da música: https://www.youtube.com/watch?v=douUUoXIdBc

Sobre o projeto: O OPMP funciona de uma forma simples e dinâmica,

~> No começo de todos os meses, um dos administradores irá divulgar a temática daquele mês e algumas regrinhas que devem ser seguidas para escrever o texto, de modo a deixar tudo bem direcionado e direto, ainda assim permitindo a liberdade criativa dos participantes.

Dependendo da dinâmica do mês em questão, os participantes podem sugerir frases, imagens, músicas que serão os "subtemas" do mês e que serão sorteados e distribuídos entre os participantes. Nesse caso, o texto tem que ser escrito com base no que foi recebido, seguindo, por exemplo, o gênero proposto naquele mês.

Entretanto, geralmente evitamos esse modelo e sugerimos um único tema para ser escrito. Ao final do prazo de um mês, os participantes podem votar em seus textos favoritos e o vencedor do mês tem sua foto exposta no hall dos vencedores dentro do grupo e também ganham algumas vantagens no mês seguinte.

Apreciadores (6)
Comentários (4)
Postado 30/03/21 21:44

Olha, eu nunca posso duvidar do seu poder de massacrar o meu coração, sempre que eu duvidar vou me estrepar. Obrigada pela obra.

Postado 31/03/21 12:12

Eu amo essa música e, na hora que vi que você tinha saído com ela, já me preparei pra facada.

Interessante a interpretação que teve sobre ela, também vejo como uma obsessão, mas que não se exterioza e é inofensiva (não para o eu-lírico — o cara assim no "já cheguei a tal ponto de me trocar diversas vezes por você só pra ver se te encontro" tá completamente perdido no personagem). Mas ela é melancólica, exagerada e dramática, do jeito que adoro kkk

Seu personagem já me pareceu não esconder essas turbulências, e a obsessão talvez o leve pra caminhos obscuros. Você fez justiça à música, adorei a forma que a conduziu, está sempre nos surpreendendo com seus textos incríveis <3

Postado 13/06/21 18:50

Eu amo quando você coloca esses títulos longos, de frases retiradas do texto! Acho tão lindo e tão poderoso!

Admito que eu nunca tinha pensado por esse lado, nunca tinha imaginado essa música sobre uma obsessão, mas adorei o modo como você colocou sobre isso!

O começo do texto estava fofinho, de um jeito triste que eu gosto muito, mas depois a obsessão de fato apareceu e ao meu ver tornou tudo muito mórbido, beirando ao doentio mesmo, o que ficou ótimo no texto!

Muito bom, Sr. Gustavo!! Um grande abraço <3

Postado 23/07/21 18:43

Ler sobre o amor romântico sempre me deixa curiosa, especialmente quando a cena não é bonita ou ideal. A arte sobre amores quebrados é sempre intrigante para quem não experimentou essa obsessão.

Excelente texto!